domingo, maio 20, 2018

Make Sporting great again


O presidente da República não tem estado à altura dos acontecimentos na Academia do Sporting.


Os nossos políticos não passam de indigentes do futebol.

O que aconteceu na Academia do Sporting nada tem que ver com terrorismo!

Nunca entrei num estádio de futebol.

Em pequenino todos nós escolhemos um clube. O meu foi o Benfica, talvez porque então o Benfica era um grande clube, com jogadores como Eusébio, Simões, Águas, Torres, e José Augusto, porque gostava de Ferraris, ou porque sempre preferi a cor encarnada às demais. Mas desde então a minha relação com o futebol é inexistente. Não vejo nada, não sei nada, e a última vez que vi um jogo na televisão foi o da vitória portuguesa no Europeu em 2016.

Ou seja, o que aconteceu na Academia do Sporting em Alcochete, um charco de mosquitos onde só a um careca lembraria instalar semelhante equipamento desportivo (ou construir um aeroporto!), não é um assunto de futebol, mas de segurança pública, ou melhor, é um sério problema de insegurança que reflete fenómenos mais profundos, visiveis noutras partes da Europa (ex: final da Liga Europa 2018), e que já desembarcou em Portugal há muito, mas só agora correu mundo, assustando naturalmente o capitalismo indigente e a partidocracia que temos.

Este é um caso de polícia. À partida, perante um aparente ajuste de contas entre membros de uma claque de futebol e os seus jogadores e treinador, ou perante o ataque organizado aos jogadores do Sporting e ao seu treinador por uma matilha humana disposta a fazer sangue, aquilo que teria sido de esperar da parte das instituições do regime —Governo, Presidente da República, Assembleia da Repúblia e partidos políticos—não aconteceu: uma manifestação de repúdio pelo sucedido, uma manifestação de solidariedade para com as vítimas do ataque, incluindo o clube de futebol (na pessoa do seu responsável máximo, Bruno de Carvalho), e o acionamento imediato das ações policiais exigíveis em casos como este. Em vez disto assistimos à montagem dum circo mediático contra Bruno de Carvalho, sugerindo, de forma à partida criminosa, que o mesmo poderia, afinal, ser o mandante da coisa! Espero bem que haja advogados corajosos para defender o Sporting deste evidente assalto à sua honorabilidade e à sua história enquanto associação desportiva.

Li o artigo do Independent que a seguir cito, para ver se percebia rapidamente o que se passará nos bastidores do que parece ser uma conspiração de pessoas e instituições (públicas e privadas) contra a direção de um clube desportivo (e de uma sociedade comercial) que goza de um apoio esmagador da sua massa associativa. Depois ouvi a extraordinária conferência de imprensa dada por Bruno de Carvalho, a qual me ajudou a perceber o resto da história, e a temer por estar de facto em curso um processo de linchamento do personagem fora do baralho que veio a ser eleito por duas vezes para dirigir um clube falido e que se arrastava há anos no fim das tabelas.

A simples ideia de ver Álvaro Sobrinho ("suspeito de desviar milhões") e José Maria Ricciardi (um dos banqueiros do ex-BES, cujo buraco negro continuamos a pagar com língua de pau, nomeadamente através da participação da Caixa Geral de Depósitos no Fundo de Resolução), acompanhados por tantos comentadores, políticos-comentadores, e o senhor Rogério Alves (advogado de Jorge de Jesus), do lado da fronda anti-Bruno, tornou-me, para já, um defensor da presunção de inocência do líder do Sporting em todo este escândalo. A Polícia que apresente rapidamente as suas conclusões sobre toda esta merda!
The 'Donald Trump' of football: Bruno de Carvalho shows few signs of softening his grip at Sporting Lisbon 

Bruno de Carvalho is outspoken, confrontational, unpredictable and abrasive. He is a hero to his supporters but is accused of demeaning his prestigious office by those who look down their noses at him. He is either a brash populist standing up for his people or an unseemly loudmouth with deep psychological issues, depending on who you believe.
De Carvalho is the Donald Trump of Portuguese football, the president of Sporting Lisbon who is trying to make his club great again. On Saturday he is facing re-election and an opponent in Pedro Madeira Rodrigues determined to undo what De Carvalho has done in office. 
But De Carvalho is expected to win comfortably, giving him the licence to keep running the club the way he wants. It may not be popular with everyone but he can fairly point to the awful state of the club when he took over in March 2013, four years ago. Sporting had been run into the ground, were in hundreds of millions of euros of debt and had stopped competing on the pitch too. In 2012-13 they finished seventh, the worst season in their history. 
— in The Independent

segunda-feira, maio 14, 2018

O sonho chinês

Salvando livros da biblioteca da Universidade de Blagoveshchensk durante as inundações de 2013

Amanhecer na Eurásia?


É difícil parar de ler The Dawn of Eurasia, tal é a atualidade do tema, e o estilo aventureiro, ou mesmo picante da viagem empreendida por Bruno Maçães assim que se viu livre do governo Passos Coelho. Levando na bagagem um CV invejável (doutorado por Harvard, ex-secretário de estado de um governo que teve que lidar com uma pré-bancarrota e um violento programa de austeridade), traça um retrato talvez não tão surpreendente quanto pudéssemos imaginar dessa Europa que vai da metade oriental de Chipre e dos Urais até aos confins da Eurásia.

A Europa é uma invenção, tal como a Ásia, ou mesmo África. O mesmo poderíamos dizer da Eurásia, na medida em que a verdadeira massa tectónica contínua, pelo menos à superfície, é a Afro-Eurásia. E até um dia destes, com o arrefecimento da calote polar do Ártico, a própria Afro-Eurásia se ligará ao continente americano! Outra coisa será ponderarmos a diversidade dos povos que vivem nestas regiões e lugares—as suas religiões, culturas e modos de organização social e política. Aqui as diferenças são por vezes muito vincadas e muito antigas, e prendem-se, quase sempre, com a topografia e orografia que ao longo de séculos, ou milénios, definiram fronteiras naturais entre estados, nações, povos e tribos, e as respetivas migrações. Por exemplo, não é a ideologia que explica a extensão territorial da Rússia, mas a natureza e extensão especiais do seu território que explicam a nitidez da sua soberania, nomeadamente nuclear, e a sua razoável estabilidade espacial, energética e alimentar, bem como o seu ancestral multiculturalismo e diversidade racial. A não ser assim, dificilmente explicaríamos o facto de a Rússia pós-soviética ser, do ponto de vista geo-estratégico, idêntica à ex-União Soviética, assim como idêntica é a desconfiança que sobre os russos nutrem os Estados Unidos, a Europa ocidental, ou a China.

Também a China de hoje não é muito diferente da China de Mao, ou da China imperial, quando pensamos nas suas ambições territoriais. Salvo alguns pormenores de fronteira (Bolshoi Ussuriysk Island, etc.), ninguém em Pequim pensa em projetar militarmente o país, mas apenas em negociar e defender as suas vias de acesso à energia e às matérias primas de que absolutamente precisa para garantir a segurança alimentar e tecnológica de mais de 1400 milhões de almas.

O problema que The Dawn of Eurasia pretende desembrulhar não é, pois, nem cultural, nem antropológico, e muito menos, religioso. O que está realmente em jogo é a possibilidade de uma redistribuição mais equilibrada dos recursos disponíveis, nomeadamente do petróleo e do gás natural, bem como uma divisão internacional do trabalho mais justa. Daí a oportunidade da reconstituição da Rota da Seda, vista agora como um sisitema de comunicações redundantes entre a China e os vários destinos de que depende a saúde da sua economia: a Europa ocidental, a Sibéria e o Médio Oriente, África, mas também o Canadá e toda a América do Sul.

Daí que, ao contrário do que postula Bruno Maçães no seu estimulante livro, a questão crucial que temos pela frente não é tanto a da emergência inevitável de uma Eurásia dominada pela China, coadjuvada pela Rússia, e onde o Reino Unido (pós-Brexit) se remeteria ao papel de uma espécie de Singapura europeia, mas sim a de sabermos como desenhar um novo Tratado de Tordesilhas sobre o desconhecido mundo que nos espera numa era marcada pela exaustão dos principais recursos que tornaram possível o modelo económico e cultural a que todos parecem aspirar desde finais do século 19.

O simples facto de as maiores concentrações de reservas petrolíferas existentes à face da Terra se situarem no continente americano (Estados Unidos, Canadá, México, Venezuela, Brasil), no Médio Oriente (Arábia Saudita, Iraque, Irão, Emiratos Árabes Unidos, Qatar, Koweit), na Ásia (Rússia, China, Cazaquistão), e ainda em África (Nigéria, Angola, Argélia, Líbia) determinará mais decisivamente o comportamento das grandes potências, e das potências emergentes, do que as meras considerações subjetivas e a propaganda de cada um dos membros da ONU.

O mapa que venho desenhado desde 2013 talvez ajude a ver melhor o que está realmente em causa.



O que dizem sobre o livro de Bruno Maçães

The Dawn of Eurasia
On the Trail of the New World Order
Penguin Books, 2018

A masterpiece. A book which combines practical experience, theoretical depth, classical literature and travel. Beautifully written. Major thumbs up. Could become a seminal work in IR (Alexander Stubb, Vice-president, European Investment Bank, Former Prime Minister of Finland 
Bruno Maçães announces a new order for the 21st century (Peter Thiel, entrepreneur, investor, and bestselling author of 'Zero to One') 
One of the strengths of The Dawn of Eurasia is that the author has chosen to leave the Davos comfort zone and to travel widely in remote areas. As a result, he mixes his academic analysis with skilful reportage drawn from his travels. This makes the book both more entertaining and more convincing. As well as being a shrewd geopolitical analyst, Maçães is a gifted travel writer, with a sharp eye and a dry wit ... The concept of Eurasia is re-emerging from the history books to become a central concern of contemporary politics. Maçães is one of the first authors to explore the significance of this development and he is a consistently interesting guide (Gideon Rachman Financial Times) 
Sharp, unprejudiced and witty (NRC) 
Filled with observations and insights gathered while travelling across Eurasia, Bruno Maçaes' account sets out why we are at the start of a new era in global affairs. An informative and perceptive guide, Maçaes introduces regions, peoples, and countries that few pay attention to. In the changing world of the 21st century, understanding Eurasia is more important than ever. This book helps prepare for the world of tomorrow, today (Peter Frankopan, bestselling author of 'The Silk Roads: A New History of the World') 
Bruno Macaes deftly navigates beyond the traditional dichotomy of the prevalent global balance of powers and, with the skill of a seasoned pundit, offers the exciting possibilities of a world readjusting to a new geopolitical architecture. An absorbing read. (Shashi Tharoor, author of 'Inglorious Empire') 
Brilliant, bold and beautifully told, The Dawn of Eurasia reveals world geopolitics like an unputdownable thriller. Seen from Brussels, Beijing, and everywhere from Istanbul to Almaty and in between, this is the extraordinary journey teeming with Russian spies, Chinese thinkers, Turkish radicals and Iranian artists. This is a profound piece of political thinking as comfortable with Russian and Chinese ideas, as it is with exposing the limits of our own (Ben Judah, author of 'This Is London: Life and Death in the World City') 
Technically this doesn't come out until January, but it is my pick for "best of the year.' It is one book that has changed how I frame 2017 and beyond' (Tyler Cowen, NYT bestselling author of 'The Great Stagnation') 
Subtle, brilliant essayistic points about the future of world politics leap off the pages of this utterly original travelogue. There are few better people to listen to than Bruno Maçães regarding our current historical juncture (Robert D. Kaplan, author of 'The Revenge of Geography' and 'The Return of Marco Polo's World') 
Bruno Maçães develops the great tradition of Portuguese travelers and adventurers by opening new countries and continents to the world, which was Europe. Maçães does that by a combination of a wealth of juicy first-hand experiences from his travels through most of Euroasia, and with an elegant analysis of historical and cultural factors, making him an original geopolitical philosopher. I agree with the idea that a new geopolitical and geoeconomic entity is in process of formation and could become the foundation of the future world order. We in Russia (and China) call it Greater Eurasian partnership and it, of course, includes the western tip of the continent - Europe. The book is a great fun to read, too (Sergey A Karaganov, Dean of the School of World Economy and International Affairs of the National Research University Higher School of Economics in Moscow)

—in Amazon

quarta-feira, maio 09, 2018

O regresso de Sócrates



E se José Sócrates formar um novo partido?

António Costa impôs uma contagem de espingardas, pois teme as próximas eleições e o seu futuro.


Quando analisava esta tarde o rescaldo do abandono do PS por parte do seu antigo secretário-geral e ex-primeiro ministro José Sócrates, recordei o que escrevera no dia 3 de maio no post Até tu, Galamba?
...começou uma espécie de noite das facas longas em versão português suave. Manuel Pinho será porventura a primeira rola a ser abatida. Só falta saber até onde irá a matança. Estamos a ver como começa, mas não sabemos ainda como vai acabar.
O turbilhão surgiria, de facto, nesse mesmo dia 3, com António Costa tentando suavizar as contundentes declarações anti-Sócrates de Carlos César, dando uma no cravo e outra na ferradura.
Costa sobre caso Sócrates: A confirmar-se é uma “desonra para a democracia” 
O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que em Portugal ninguém está acima da lei e que, “a confirmarem-se” as suspeitas de corrupção nas políticas de energia por membros do Governo de José Sócrates, será “uma desonra para a democracia”. 
“Se essas ilegalidades se vierem a confirmar, serão certamente uma desonra para a nossa democracia. Mas se não se vierem a confirmar é a demonstração que o nosso sistema de justiça funciona”, respondeu António Costa. 
DN, 03 DE MAIO DE 2018 18:06
António Costa: “É uma decisão pessoal de José Sócrates que tenho obviamente de respeitar”, mas “fico surpreendido, porque não há qualquer tipo de mudança da posição da direção do PS sobre aquilo que escrupulosamente temos dito desde o início: separação entre aquilo que é da justiça e aquilo que é da política”, afirmou. 
“Temos motivos para confiar no nosso sistema de justiça e no nosso Estado de Direito”, assegurou o primeiro-ministro português, aos jornalistas presentes em Toronto, antes de iniciar o terceiro de quatro dias de visita oficial ao Canadá. “Em relação à decisão de José Sócrates, tenho de a respeitar (…). O PS entende que não tem de intervir no sistema de justiça”, acrescentou o dirigente socialista e líder do Executivo. 
Lusa/ Correio da Manhã, 04 Mai 2018 
António Costa confessou ao Expresso ter sido apanhado de surpresa pelas palavras utilizadas pelo líder parlamentar do PS. Carlos César afirmou que os socialistas se sentiriam "envergonhados" com o caso Sócrates se as suspeitas se confirmassem. 
O secretário-geral do PS, António Costa, garante ter sido surpreendido pelas palavras do líder da bancada parlamentar socialista, Carlos César, quando assumiu a vergonha partidária perante os casos investigados na justiça que implicam José Sócrates e Manuel Pinho. 
“Fui apanhado de surpresa pelas afirmações de Carlos César”, assumiu o também primeiro-ministro ao jornal Expresso. As declarações do presidente socialista à TSF originaram uma verdadeira onda de declarações socialistas sobre Sócrates e Manuel Pinho – ao ponto do antigo primeiro-ministro socialista ter decidido abandonar o PS. 
Negócios, 05 de maio de 2018 às 15:42
José Sócrates desfiliou-se do PS há menos de uma semana 
Jornal i, 08/05/2018 13:41
José Sócrates vai voltar a juntar os seus apoiantes num “almoço de confraternização”. 
A iniciativa está marcada para o dia 20 de maio num restaurante do Parque das Nações e começou a ser organizada uns dias depois da desfiliação do ex-primeiro-ministro do Partido Socialista.  
O almoço já está a ser anunciado nas redes sociais e o objectivo é reunir mais de 200 pessoas. Cada um dos presentes terá de pagar 20 euros.   
Sócrates decidiu desfiliar-se do PS, há menos de uma semana, na sequência das declarações de vários dirigentes socialistas a condenarem a sua actuação. 
O ex-primeiro-ministro garante que está ser vítima de  “uma espécie de condenação sem julgamento”. 
Ana Lúcia Vasques, uma das pessoas que está a organizar o evento, diz ao i que este “é um almoço no alinhamento de outros que se fizeram aqui” e garante que não existe nenhuma ligação com a mudança de estratégia do PS em relação ao caso Sócrates.   
Certo é que José Sócrates irá discursar durante o almoço, que se realiza uma semana antes do congresso do PS.  
Percebe-se, depois de ler esta sequência de ditos e desditos, o potencial explosivo do anunciado almoço socratista.

António Costa preparou um ataque fulminante contra José Sócrates, destinado sobretudo a neutralizar influências negativas na ambicionada caminhada do PS em direção a uma maioria absoluta nas próximas eleições legislativas. Mas o tiro poderá sair-lhe pela culatra.

Carlos César fez o que lhe fora encomendado, e foi seguido de imediato por José Galamba (mas não por todos os socratistas no Governo de Costa), dando assim sinais claros à prole cor-de-rosa de que a coisa vinha de cima. 

Ou seja, António Costa não vai desta vez conseguir vender gato por lebre, dizendo-se surpreendido com as palavras do líder da bancada parlamentar e presidente do Partido Socialista.

Costa tenta, apesar disso, matizar as palavras de César, como se de um polícia bom se tratasse. Uma exibição nada abonatória da sua personalidade.

Sócrates abandona abruptamente o PS.

Costa diz que foi “...apanhado de surpresa pelas afirmações de Carlos César”. Tarde demais.

José Sócrates, entretanto, promove um “almoço de confraternização” para o próximo dia 20 de maio, uma semana antes do congresso do PS a realizar na Batalha. Falar-se-à de outra coisa no dito congresso? António Costa diz que importa olhar o futuro. Pois é isso mesmo que acontecerá, mas talvez não da forma imaginada pelo atual líder de um governo minoritário apoiado por leninistas, trotskystas e maoístas.

Que fazer?

José Sócrates, acusado de 31 crimes, entre os quais, corrupção passiva de titular de cargo político, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada, perdeu a rede socialista de proteção no momento em que mais precisaria dela. Acresce que o mesmo António Costa que recusara confundir o que é da Justiça com o que é da Política, veio agora promover esta mesma confusão, falando de desonra, depois de Carlos César ter falado de vergonha

Não creio que António Costa tivesse previsto uma resposta tão rápida e sobretudo tão cortante de Sócrates. A qual não deixa margem para dúvidas: haverá consequências para o PS e nas eleições que aí vêm.

Quais? 

A primeira e mais surpreendente é que, fora do PS, José Sócrates poderá vir a ser facilmente eleito deputado nas próximas eleições legislativas. Bastará para tal formar um novo partido, arrastando para a nova formação a parte do PS que detesta António Costa. Não transitará certamente em julgado nenhuma sentença até lá!

No momento em que a corrupção se mostra, afinal, como uma enorme mancha oleosa que alastra a todos os partidos, e em que começa a sentir-se um certo hálito de fim de regime—recorde-se a declaração sombria de Marcelo Rebelo de Sousa sobre a sua não candidatura, caso assistamos a um novo verão de labaredas acesas pela incompetência e pela mesma corrupção—, é bem possível que o animal feroz encurralado decida atacar. E se atacar, temo bem que o PS de Costa e as bengalas de extrema esquerda que o amparam acabem não só por perder as próximas eleições, como por dar também lugar à emergência de soluções parlamentares inesperadas e a uma mais do que provável aceleração da decomposição do regime.

António Costa tem que estar neste mesmo muito nervoso e inseguro. Em breve, milhares de militantes e simpatizantes socialistas sentirão um calafrio pelas respetivas espinhas abaixo.

segunda-feira, maio 07, 2018

O póker de Marcelo

Ernest Mandel, enquanto jovem trotskysta

Espada de Dâmocles ou Póker?


“Já sabíamos que a negociação do Orçamento do Estado para 2019 ia ser mais complexa do que a do ano anterior. A minha prevenção sobre eleitoralismos também tinha a ver com isso. É que é inevitável estar presente na cabeça de quem vai votar que é o Orçamento do ano eleitoral. Continuo a considerar fundamental que o OE seja aprovado. E é tão fundamental para mim que uma não aprovação do OE me levaria a pensar duas vezes relativamente ao que considero essencial para o país, que é que a legislatura seja cumprida até ao fim”— Observador.

Um orçamento de estado do PS aprovado por Rui Rio é uma extravagância impensável.

Se viesse a ter lugar, implicaria uma rápida metamorfose do atual regime partidário e a emergência de algo cujos contornos não consigo antever. Ou seja, Marcelo não acredita nesta hipótese. Logo, está a dizer ao PCP que tem que aprovar o OE2019, se não...

Não se sabe se o PCP irá acolher esta aposta presidencial, engolindo sem uma negociação séria o Orçamento de 2019, cavando desta forma a sua sepultura eleitoral, ou se, pelo contrário, preferirá ir a jogo, deixando cair a Geringonça em nome do que chama uma política de esquerda. Perderia talvez menos, do que deixar-se ludibriar pelo entrismo a céu aberto dos trotskistas. O cálculo não é, porém, fácil.

A trajetória do Conselheiro de Estado trotskysta é antiga e não muda: forçar o PS a regressar aos bancos da escola marxista para cumprir o que promete: uma sociedade socialista. Será que as ilusões de Ernest Mandel (1), o alemão que revitalizou a discussão marxista sobre a revolução socialista no pós-Maio de 1968, pairam ainda sobre a cabeça de Francisco Louçã? Não sei. A antiga LCI—Liga Comunista Internacionalista transformou-se em PSR—Partido Socialista Revolucionário em 1978. Em 2004, para melhor se acomodar a uma nova realidade chamada Bloco de Esquerda, passou à categoria de associação (a APSR), a qual viria por sua vez a ser extindta em 2013, com a total imersão dos trotskystas portugueses na nova força partidária, cujo programa parece bem menos radical do que o da própria Constituição Portuguesa! (2)

O oportunismo pós-revolucionário da extrema esquerda portuguesa caracteriza-se hoje por um único objetivo: entrar e permanecer na esfera do poder. Todos os seus principais protagonistas optaram por táticas reformistas e eleitorais. O objetivo é evidente: conquistar as novas sensibilidades culturais e a classe média educada. Imaginam, imagino eu, que o fim do trabalho, nomeadamente através da sua desqualificação competitiva (deskilling), da precariedade laboral, e do empobrecimento do estado social, acabará por gerar as condições objetivas para uma nova rebelião das massas, que os iluminados marxistas, hoje vestidos de bloquistas, de comentadores televisivos e de deputados, irão então conduzir numa derradeira e heróica procura de “alternativas ao capitalismo”.

A rebelião contra o fim da prosperidade tecnológica alimentada com energias baratas, abundância de recursos naturais e capital intensivo, já começou. Duvido, porém, que venha a ser cavalgada por uma qualquer nova vanguarda marxista-leninista do proletariado, assumida, ou clandestina. A Rússia já não é marxista, apesar de continuar a ser a besta negra do Ocidente, a China também despiu a casaca marxista-leninista-maoista assim que viu o petróleo jorrar em Daqing, libertando-se só então da dependência do petróleo soviético, e quanto ao socialismo venezuelano, sem petróleo caro, deu na desgraça que todos conhecemos.

Ajudar o PS a manter o poder sem cair nas tentações mais óbvias do capitalismo—lucros obscenos, crescimento a qualquer preço, e corrupção—é, por assim dizer, o programa mínimo dos sobreviventes do maniqueísmo jacobino. Talvez seja uma condição necessária para evitar o pior, mas é claramente insuficiente. Falta imaginação e estudo ao Bloco de Esquerda.

Parece-me hoje evidente (e a Marcelo, pelos vistos, também) que a maioria absoluta de António Costa não passa de uma miragem. Ainda bem! Mas que virá depois? Uma nova geringonça, na forma de uma coligação PS-BE, deixando ao PCP uma derradeira janela de oportunidade para se renovar? Ou teremos novo governo minoritário do PS, sem apoios garantidos, nem à esquerda, nem à direita?

Dizem que António Costa é um político muito hábil. Estamos em pulgas para o reconhecer!


NOTAS

1. Leia-se esta interessante biografia crítica sobre o famoso trostskysta de Bruxelas, nascido em Frankfurt: “Ernest Mandel : un marxiste hétérodoxe dans les années 1960”, par Mateo Alaluf. Prof. émérite, Université Libre de Bruxelles. Communication au Forum international du 20-22 mai 2015 – Lausanne. « Le troisième âge du capitalisme, sa physionomie socio-politique à l’orée du XXI è siècle. » E ainda o Discours d’Ernest Mandel à Lisbonne, proferido na Voz do Operário, a 19 de maio de 1974.

2. Do Programa do Bloco de Esquerda

O Bloco de Esquerda defende [...] a perspetiva do socialismo como expressão da luta emancipatória da Humanidade contra a exploração e opressão.

Da Constituição da República Portuguesa

A Assembleia Constituinte afirma a decisão do povo português de [...] abrir caminho para uma sociedade socialista, no respeito da vontade do povo português, tendo em vista a construção de um país mais livre, mais justo e mais fraterno.

quinta-feira, maio 03, 2018

Até tu, Galamba?


João Galamba, porta-voz do PS, afirmou esta quarta-feira que o caso de José Sócrates “envergonha qualquer socialista, sobretudo se as acusações vierem a confirmar-se”. É, assim que, esta quarta-feira, o segundo dirigente socialista - depois de Carlos César aos microfones da TSF - a falar em vergonha relativamente ao processo que envolve o antigo primeiro-ministro. 
Disse que é o “sentimento de qualquer socialista” ao ver um “ex-primeiro-ministro e secretário-geral do PS” a ser “acusado de corrupção e branqueamento de capitais”. “Obviamente envergonha qualquer socialista, sobretudo se as matérias da acusação vierem a confirmar-se”, acrescentou ainda na rubrica Esquerda-Direita, na SIC Notícias. 
E se Carlos César também falou em vergonha em relação à polémica em torno de Manuel Pinho, João Galamba diz-se perplexo: “Estamos sobretudo perplexos com a revelação pública de um ministro de um Governo do PS que recebia mensalmente verbas quando disse que tinha cessado toda e qualquer relação com o BES. Gerou perplexidade em toda a gente”. 
in DN, 2/5/2018

LEITURA DO ENIGMA

A maioria absoluta cor-de-rosa não está garantida—ou está mesmo longe de estar garantida. Por via destas dúvidas, o PS já abriu a porta a uma coligação com o Bloco (li-o nas palavras do cardeal Santos Silva). Vamos, pois, provavelmente, ter uma Geringonça reforçada. Mas para aí chegarmos será preciso assegurar que o pássaro Sócrates não saia da gaiola, e que se perceba rapidamente, sobretudo nas hostes do PS e arredores, que o antigo primeiro ministro já só dispõe de um exército de sombras.

Ou seja, começou uma espécie de noite das facas longas em versão português suave. Manuel Pinho será porventura a primeira rola a ser abatida.

Só falta saber até onde irá a matança. Estamos a ver como começa, mas não sabemos ainda como vai acabar.


Post scriptum:

A evolução dos preços do petróleo em 2018 poderá arrumar rapidamente com a esperança de António Costa numa maioria absoluta. Por isso, na minha opinião, decidiu antecipar a minha recomendação de 2015: casar com Francisco Louçã—pois um bloco central à maneira antiga não é possível, nem recomendável.

terça-feira, maio 01, 2018

Belo Horizonte: 120 anos de gentrificação

Left Hand Rotation. BH120, 2017

Contra uma arte suburbana! A cidadania é um direito universal!


requalificação urbana = 
+ investimento 
+ financiamento 
+ endividamento 
+ impostos 
= valorização económica do capital imobiliário 
= pressão da procura 
= mudança da composição social do bairro, zona ou vila/cidade gentrificada por negócio livremente celebrado ou por incapacidade dos senhorios ou inquilinos suportarem os custos diretos e indiretos na gentrificação
solução: em vez de expulsar os pobres, os remediados e a classe média para as periferias, devem os governos municipais, apoiados por uma participação ativa dos munícipes (que não é a fantochada que fizeram do orçamento participativo), delimitar e proteger a diversidade social em toda a extensão da cidade (leiam, por favor, a Jane Jacobs).

Gostava de ver no meu país uma arte conceptual e um agenciamento cultural mais ativos em matéria de gentrificação. Os partidos políticos (todos, incluindo Bloco e PCP) chegaram tarde e hipocritamente a este problema. Por sua vez o PS, nomeadamente na pessoa do seu autarca, Fernando Medina, tem sido o grande promotor e beneficiário da gentrificação que agora diz querer corrigir com mais leis (que cheiram a PREC). Lamentável é sobretudo o comportamento da deputada salta-pocinhas Helena Roseta. Não é o mercado que gera a gentrificação mas a especulação descontrolada, a falta de gestão urbana responsável, e o apetite insaciável e tribal dos burocratas e partidocratas que se tornaram senhorios do meu país.

Recomendo o visionamento deste video dos Left Hand Rotation sobre o fenómeno da gentrificação. Também em Lisboa e no Porto este coletivo levou a cabo alguns projetos de ativismo cultural cuja invisibilidade mediática e no meio das artes 'contemporâneas' prova, uma vez mais, o atraso da nossa agenda artística.

Mas para já,  o que dizem os dicionários:

A palavra gentrificação vem do inglês 'gentrification'. O termo inglês, por sua vez, é proveniente de 'genterise', do francês antigo, que remete àquele que tem origem gentil, nobre, com significado semelhante à palavra fidalgo em português. 
Do ponto de vista crítico, a gentrificação pode ser um formato de segregação urbana, ao "expulsar" de regiões tradicionais seus moradores. E por uma perspectiva favorável, a gentrificação é entendida como parte da revitalização urbana, fenômeno ligado ao período pós-industrial na sociedade ocidental.




BH120 por Left Hand Rotation

BH120 (“Belo Horizonte: 120 anos de gentrificação”) é um projeto que realizamos em novembro de 2017 durante a participação no 1º Seminário Internacional Urbanismo Biopolítico: Urbanismo Neoliberal e Produção do Comum Urbano, organizado pelo Grupo de Pesquisa Indisciplinar (UFMG) em Belo Horizonte (Brasil).

Um processo de gentrificação para inaugurar uma nova cidade
Em 12 de dezembro de 2017, foram comemorados os 120 anos da fundação da cidade de Belo Horizonte fundada nos princípios da expulsão.

Em 1897, o assentamento do Curral del Rey foi destruído para abrir caminho para um capital destinado a atrair as elites. Seus ex-habitantes foram deslocados sem uma alternativa que lhes permitisse permanecer nas áreas revalorizadas dessa nova cidade. Após a conclusão das obras, os trabalhadores foram excluídos da cidade que construíram e, sem lugar para ficar, alguns deles formaram as primeiras favelas da cidade no atual bairro de Floresta, ao lado dos ex-habitantes de Curral del Rey.

Esta substituição não parou de se repetir e hoje, 120 anos depois, as áreas centrais apresentam um risco iminente de gentrificação, especialmente a área da Praça da Estação com o novo projeto Corredor Cultural proposto em 2013, que visa engolir as inúmeras atividades culturais realizada na área nos últimos 10 anos.

Com os participantes da oficina, queríamos lembrar qual era o layout urbano original do antigo assentamento Curral del Rey nas ruas atuais da cidade.
Através de placas (“BH, 120 ANOS DE GENTRIFICAÇÃO”) e pintura de grandes linhas e textos em amarelo no chão e paredes, se interviu em diferentes áreas do centro histórico de Belo Horizonte desenhando e sinalizando os elementos do antigo layout: estradas, moradias e nomes de ruas originais.

Parte das imagens foram obtidas no terceiro “mutirão andante” realizado pelo Conselho Consultivo Zona Cultural Praça da Estação, que são caminhadas em grupo realizadas com todos conselheiros e demais interessados. Os mutirões a partir das questões que aparecem nos trajetos tornam possível o diálogo entre representantes de diferentes grupos que atuam ou utilizam esse território (moradores do centro, moradores de rua, funcionários da prefeitura, produtores culturais, representantes de movimentos, representantes de órgãos responsáveis pela gestão e manutenção do espaço, etc.), muitas vezes complexificando questões já tratadas no conselho permitindo que as discussões se aprofundem em reuniões temáticas. A partir de 2018 o Conselho passa a se chamar Fórum permanente de discussão da Zona Cultural Praça da Estação. O grupo indisciplinar atua no território da Zona Cultural desde 2013 junto de movimentos sociais e culturais da região, denunciando os impactos dos projetos previstos para a região e o processo de gentrificação em curso, e no Conselho da Zona Cultural desde o seu início em 2015, participando da construção de diretrizes anti-gentrificadoras para a zona, com a Frente de Ação extensionista “Zona Cultural”, parte do projeto “Plataforma Urbanismo Biopolítico”.


Outros projetos de Left Hand Rotation

Alfama é Marcha, 2017
Rua dos Lagares, 2017
Bonfim, Ilhas do Tesouro, 2017
Terramotourism, 2014
Gentrificación No Es Un Nombre de Señora, 2010-2017


Universidade Federal de Minas Gerais

Junia Ferrari | UFMG


Atualizado em 2/5/2018 09:40 WET

quinta-feira, abril 26, 2018

BCE continua a cobrar juros negativos



Apertar a política monetária = recessão

Manter as facilidades = adiar o colapso


É bom para o endividamento imparável dos governos, é bom para a especulação bolsista e imobiliária, etc., é bom para as dívidas estacionadas nos cartões Visa e nas hipotecas de casas e automóveis, mas não é estruturalmente uma boa notícia, pois significa que a economia global, e europeia, permanecem frágeis e à deriva. Significa que o emprego estável e produtivo continua a encolher, a população a envelhecer, e a procura agregada global estagnada, os rendimentos do trabalho a decair, e as desigualdades de rendimento a aumentar exponencialmente. A população e o PIB mundiais continuam a crescer por inércia, mas as respetivas taxas de crescimento estão globalmente em declínio. Em suma, acabou-se o petróleo barato. Sem energia barata, porém, tudo o resto vai ficando mais caro. O endividamento alimentado por taxas de juro negativas está a encobrir esta realidade dramática. Mas quanto mais tarde acordarmos para a ela, pior :(
ECB 
Monetary policy decisions26 April 2018 
At today’s meeting, the Governing Council of the ECB decided that the interest rate on the main refinancing operations and the interest rates on the marginal lending facility and the deposit facility will remain unchanged at 0.00%, 0.25% and -0.40% respectively. The Governing Council expects the key ECB interest rates to remain at their present levels for an extended period of time, and well past the horizon of the net asset purchases. 
Regarding non-standard monetary policy measures, the Governing Council confirms that the net asset purchases, at the current monthly pace of €30 billion, are intended to run until the end of September 2018, or beyond, if necessary, and in any case until the Governing Council sees a sustained adjustment in the path of inflation consistent with its inflation aim. The Eurosystem will reinvest the principal payments from maturing securities purchased under the asset purchase programme for an extended period of time after the end of its net asset purchases, and in any case for as long as necessary. This will contribute both to favourable liquidity conditions and to an appropriate monetary policy stance. 

Outra vez o NAL?!



Os limites do otimismo


Despite the sizeable commercial profits of some of the world’s biggest gateways, the majority of airports lose money. Graham Newton asks why and if anything can be done to reverse the trend—in “Airport Profitability”, Airport World.

Já repararam como José Luís Arnaut tem vindo a rondar António Costa? Os abraços e sorrisos entre Costa e Rio cheiram a Alcochete! A preparar o terreno para uma nova investida na construção duma cidade aeroportuária na Margem Sul (leia-se Alcochete, ou Canha) eis que regressa o tam-tam mediático sobre a estafada saturação da Portela. Desta vez até montaram uma ponte aérea da TAP entre Lisboa e Porto, cujos prejuízos ninguém conhece. O objetivo deste embuste é apenas um: ocupar os 'slots' (horários de descolagem e aterragem) da Portela, para depois afirmarem que o aeroporto está saturado e que, portanto, é urgente um consenso, como disse há dias o primeiro ministro, sobre o 'novo aeroporto internacional'. Todos o ouvimos. (1) (2) (3)

O NAL da Ota em Alcochte regressa assim pela mão do anterior ministro de Sócrates!

Presume-se que este possa ser o acordo secreto entre Costa e Rio, ou seja um regresso do Bloco Central no seu pior, e que, neste assunto particular, até deverá contar como apoio do PCP.

E Marcelo, que pensa disto? E o FMI, já sabe? Que opina a Comissão Europeia? Autorizará semelhante aventura, tragando o engodo que lhe será servido, seja pela via da mentira aeroportuária, seja com a necessidade de aumentar o investimento público? Mas não é a uma empresa privada, a Vinci, concessionária da ANA, que incumbe a decisão estratégica e o encargo de semelhante proeza?

O transporte aéreo de passageiros em Portugal é hoje dominado pelo modelo Low Cost. Alguém perguntou se tal modelo será viável num novo aeroporto a 50 Km de Lisboa, e com taxas aeroportuárias que terão que subir extraordinariamente para ajudar a pagar um investimento nunca inferior a 5 mil milhões de euros?

Os defensores do NAL afirmam que o embuste pode ser montado por fases. Uma pista, para começar, e depois logo se vê. Mas neste caso seria mais lógico avançar imediatamente, com custos incomparavelmente inferiores, para a opção Portela+1 (Montijo).

A saturação eventual desta expansão controlada da Portela não aconteceria, em caso algum, antes de 2030 ou 2040. Creio mesmo que não chegaria a ocorrer, pois a conjugação do fim do petróleo barato com a subida inevitável das taxas de juro, bem como da pressão fiscal, ao longo da próxima década, irá certamente conduzir o mundo a uma austeridade crescente, e não aos oásis de crescimento que nos anunciam recorrentemente, para manter ilusões e caçar votos.

O otimismo oficial é manifestamente exagerado.

Portugal tem o segundo défice mais elevado da UE, e a segunda maior dívida pública em % do PIB se à dívida anunciada pelo Eurostat somarmos, como realisticamente devemos fazê-lo, os 80 mil milhões de responsabilidades com as tão famosas quão desgraçadas PPPs—Parcerias Público Privadas.

As taxas de juro de referência do Fed já vão nos 3%. Uma má notícia, sobretudo se a medida se propagar aos demais bancos emissores - BCE, BoJ, BoE, e BoC - como acabará provavelmente por suceder em 2019, ou 2020.

Com a dívida portuguesa onde está (na UE, é a pior depois grega), e os níveis de imparidades e crédito mal parado reconhecidos e por reconhecer no setor empresarial e bancário, uma subida dos juros poderia deitar a perder todo o esforço realizado desde as imposições da Troika.

É por tudo isto que o desafio sibilino de António Costa exige uma discussão pública intensa, sob pena de voltarmos a ser tomados por parvos.

Sobre os limites do otimismo, de que parecemos não ter cura, aconselho a leitura do ensaio Historical Oil Shocks (2011), de James D. Hamilton, e ainda o último artigo de Gail Tverberg, que parcialmente transcrevo.


Central bankers seem to think that adjusting interest rates is a nice little tool that they can easily handle. The problem is that higher interest rates affect the economy in many ways simultaneously. The lessons that seem to have been learned from past rate hikes may not be applicable today. 
[...] 
If a person looks at the indirect impacts on the economy as a whole, it becomes clear that the rise in short-term interest rates was one of the proximate causes of the Great Recession of 2008-2009. I talk about this in Oil Supply Limits and the Continuing Financial Crisis. The minutes of the June 2004 Federal Reserve Open Market Committee indicated that the committee decided to start raising interest rates at a rate of 0.25% per quarter for the purpose of stopping the rise in energy and food prices. 
The huge financial problems that indirectly resulted did not occur until four years later, in 2008. It is likely that most economists are unaware of the connection between the decision to raise rates back in 2004 and the Great Recession several years later.
Economist James Hamilton showed that ten out of eleven recent recessions were associated with oil price shocks. We would argue that if an economy is subject to higher interest rates in addition to higher oil prices, the economy is doubly likely to go into recession.
— in Raising Interest Rates Is Like Starting a Fission Chain Reaction
Posted on February 21, 2018, by Gail Tverberg


NOTAS

1. Entretanto, o circo para reclamar um novo aeroporto em Alcochete está montado!

Filas no aeroporto voltam a ultrapassar as duas horas 
As barras a vermelho - que representam filas de espera superiores a uma hora - destacam-se em março na tabela de monitorização do aeroporto de Lisboa, a que o DN teve acesso. Em 17 dias do mês de março e 14 em fevereiro houve demoras de mais de 60 minutos no controlo de passaportes nas chegadas ao aeroporto de Lisboa. Em quatro desses dias, os picos de espera atingiram mais de duas horas. 
DN, 26 de abril de 2018

O PCP adora lixar o povo, neste caso os turistas, para assim semear os seus campos eleitorais e sindicais. Já os lobistas do NAL esfregam as mãos. Não vão demorar mais de 48 horas a reclamar um novo aeroporto para resolver os falsos problemas partidariamente geridos do SEF.

2. Para garantir a Ota em Alcochete tem sido necessário fazer duas coisas: aguentar a TAP em modo de falência técnica ao longo de mais de uma década (pois doutro modo como justificariam um novo aeroporto?), e boicotar a Alta Velocidade em bitola europeia, única prioridade ferroviária existente na União Europeia, que Portugal tem olimpicamente desprezado, deixando os fundos comunitários voaram para Espanha, e para outros países da comunidade menos idiotas, ou menos corruptos. Por um lado, se houver Alta Velocidade antes do NAL, a ponte aérea Lisboa-Madrid cai e deixa de haver justificação para um novo aeroporto. Por outro, para a TAP sair da falência e pagar a sua descomunal dívida (aparcada em alguns bancos indígenas igualmente falidos), teria que ser racional, e ser racional, significaria deixar de perder dinheiro em rotas criadas apenas para tapar os slots da Portela à concorrência. Por fim, a ter que haver 'TGV', só depois do NAL!

TGV entre Évora e Mérida? Ministro assegura que será linha convencional 
Pedro Marques garantiu ainda à Lusa que o "projeto inicialmente pensado teria três linhas, duas delas estariam dedicadas à alta velocidade de passageiros e uma à ferrovia de mercadorias", mas a "linha que está em implementação agora, desse projeto maior, é a ferrovia de mercadorias". 
"É uma linha evidentemente de alto desempenho, que tornará o país como competitivo, nomeadamente os nossos portos na ligação a Espanha e na ligação europeia e é uma linha muito importante e muito prioritária para o país e absolutamente consensual no nosso país", acrescentou o ministro, à margem da margem da conferência sobre a rede de transporte transeuropeu, a decorrer na capital da Eslovénia, Liubliana. 
DN, 26/4/2018

Este Pedro Marques em modo ministerial seria tão só uma anedota, se não fosse, que é, um simplório boy do PS e dos lobistas do NAL que mandam no partido da rosa.

3. Salários dos pilotos da TAP aumentam 5% já este ano
Na prática, este ano os salários dos pilotos da companhia aérea vão ter já este ano um acréscimo de 6,4%. 
—in Correio da Manhã
O Banco de Portugal apresentou uma previsão da taxa de inflação para 2018 de 1,2% revendo em baixa a previsão anterior (feita em dezembro de 2017) que, nessa altura era de 1,5%. Ora digam-me lá se não é bom trabalhar para uma empresa pública em falêcia técnica, cujos luxos todos pagamos. A Parpública é um dos vários covis onde se esconde ou mascara a dívida e défice públicos de cancros como a TAP.


Email recebido (muito interessante)

A propósito deste caso,  permitam-me lembrar que o actual primeiro-ministro não eleito pelo Povo, quando era ministro do Governo de José Sócrates e presidente da CML, sempre defendeu a destruição do Aeroporto da Portela, com o manhoso argumento de que iria construir nos seus terrenos um "pulmão verde", semelhante ao que existe no Parque do Monsanto. Isto, quando os terrenos da Portela valem ouro para a construção civil... 
Nessa altura, ele defendia o NAL na Ota, como lhe ordenava o então primeiro-ministro José Sócrates, seu chefe e amigo pessoal. Agora, no poleiro do Governo, deixou cair a máscara e pede urgência no consenso para dar seguimento ao ruinoso plano de obras públicas faraónicas do seu ex-chefe, que, depois de ter sido obrigado a desistir do NAL na Ota, passou a defender a sua construção no Campo de Tiro de Alcochete, a 50kms de Lisboa! 
Perante tais factos, o primeiro-ministro não eleito pelo Povo e a sua geringonça, com mais esta reversão e os milhares de milhões de euros de dívida pública camuflados em cativações e em atrasos de pagamentos aos credores do Estado, vai levar, mais tarde ou mais cedo, o nosso País a pedir um novo resgate financeiro, como fez o seu camarada e amigo pessoal José Sócrates... 
Curiosamente, ou talvez não, a maioria da equipa ministerial do Governo de José Sócrates está neste governo não eleito pelo Povo. É um governo da família socialista, com  pais e filhas e maridos e mulheres, que vivem debaixo do mesmo tecto, à custa do Orçamento do Estado... 
Dado que é falsa a apregoada saturação do Aeroporto da Portela, julgo que é importante a sociedade civil reagir contra o NAL no Campo de Tiro de Alcochete, à semelhança do que aconteceu com o NAL na Ota. O dinheiro é do Estado e dos contribuintes, não é do primeiro-ministro não eleito pelo Povo, nem de quem o pressiona a criar mais elefantes brancos aeroportuários. O último foi criado por um Governo socialista e está em Beja, às moscas...

Com os melhores cumprimentos, 
/...

Outro email na mouche...

Tudo a favor do NAL da Ota em Alcochete 

O chamado 'forcing' final, mas o pior disto tudo, é que não há caroço, e se algum houver, os riscos são muito grandes, pois um aeroporto só é válido se estiver praticamente terminado, com acessos e tudo, e neste ponto já estaremos a falar de uns 10 mM€, sendo parte dessa fatia indirectamente suportada pela (suposta) Alta Velocidade, pois num cenário destes (NAL da Ota em Alcochete) já faria sentido falar de TGV, bitola UIC e outros atributos mais. 
A alternativa ao cenário anterior seria o Aeroporto do Montijo, o que não dá tanto a ganhar à Mota-Engil, implicando que a reativação do Ramal do Montijo (Montijo – Pinhal Novo) seja algo que também não dá muito a ganhar à Mota-Engil. Mas se a coisa ficar por aqui, curiosamente, será a mesma Mota-Engil, que tem o equipamento para renovação de via, e é (ou foi) dona da Takargo, a receber o encargo. Pronta para todos os cenários, apesar das dificuldades, mas preferindo e apostando claramente no NAL da Ota em Alcochete. O Coelhone já regressou à casa-mãe, por via das dúvidas... E tem a Pedratura do Ciclo para fazer propaganda, claro.
Uma teia, portanto, onde todos se perdem, mas que tem uma lógica bastante própria. Curiosamente, ninguém fala do flop chamado Aeroporto de Beja, não vá esse flop contagiar o NAL da Ota em Alcochete, pois que nestas coisas o que importa é não correr riscos. 
Uma coisa tenho por certa: a Ryanair já assinou com a VINCI o contrato para operar no Montijo garantindo movimentos anuais (só da Ryanair) na ordem dos 5 milhões de passageiros, fora os tráfegos que vai buscar à TAP, e nesse particular, …., por aquilo que se tem visto é uma boa talhada. Recorde-se que a rentabilidade da TAP era até há pouco de 60% do tráfego europeu, e os restantes 40% fora da Europa. Como a Ryanair está a conquistar parte desses 60%, é caso para coçar o toutiço. Eu pelo menos friccionava,…., mas como a TAP até dá 100 milhões de lucro, …., e até vai aumentar os pilotos, e depois o pessoal de cabine,…, tudo se encaixa num mundo perfeito, agora chamado Geringonça. 
É claro que estamos a concluir que o Gabinete de Comunicação do NAL Ota em Alcochete está a fazer um excelente trabalho de intoxicação do contribuinte eleitor, não sendo esta vaga de noticias inocente. Então uma TAP que está a ter lucros de 100 milhões merece ou não um aeroporto novo, é claro que merece,…, desde que o pague. Mas sobre isto é que eu tenho algumas dúvidas... 
É importante não esquecer igualmente que esta coisa de “nacionalizar” a habitação privada a favor dos “pobrezinhos” (e dos oportunistas bem informados da classe burocrática e partidária) é coisa que vai render muito voto ao PS, levando por arrasto o PCP e BE, com mossas certas no PSD e no CDS. Uma jogada de mestre, à qual temos de reconhecer o mérito. Em menos de 5 minutos, por cruzamento de informação (IMI, água e luz) cada autarquia fica logo com a relação dos imóveis devolutos, e depois é só passar-se à distribuição dos “bens”. 
Como se vê, ainda há muitas hortas onde é possível sacar miolo. Todo um mundo de oportunidades. É só vantagens. Desde que os outros (classes média e média-alta) paguem, dá para tudo, até para o NAL! 
O Marcelo já veio dizer umas coisas que não podia dizer. Só para o ano... Certamente estava a referir-se aos pequenos problemas constitucionais que o assalto socialista acima anunciado suscita. Do resto trata o Medina. 
Ab/ ...

Atualizado em 27/4/2018 11:47 WET