quarta-feira, abril 12, 2017

O fractal de Tordesilhas

Coreia do Norte, a próxima guerra,
Mapa: NTI

Será que Trump se prepara para entregar a Coreia do Norte a Pequim?


One way or another, China and the United States will become partners.
Immanuel Wallerstein. Commentary No. 441, January 15, 2017—"China and the United States: Partners?"

Parece que o jantar entre Trump e Xi Jinping inaugurou um novo Tratado de Tordesilhas. Só que desta vez não há meridiano, mas um fractal. Pequim percebeu que terá muito rapidamente que tratar da Coreia do Norte, enquanto Washington negoceia com russos e iranianos a irradiação de Bashar al-Assad, em troco de uma partilha equilibrada dos recursos petrolíferos da região entre o Ocidente e o Oriente.

Os Estados Unidos sabem que a China tem pés de barro, pois as suas reservas energéticas já ultrapassaram o limiar de segurança, e a poluição química do país é uma desgraça. Sabem, portanto, que a expansão imperial da China —ao contrário do que pensa Immanuel Wallerstein— tem os dias contados, seja por causas de ordem geo-energética internas, ou de outra ordem: demográfica, tecnológica, militar, política e cultural. Assim sendo, os Estados Unidos de Donald Trump, depois da intervenção tipicamente imperial na Síria (aguardam-se novos capítulos...), passará muito provavelmente à ação na Coreia do Norte quando o facínora que domina o país menos esperar.

Em ambos os casos, os Estados Unidos farão concessões —embora regionalmente circunscritas— à Rússia e à China.

Publicações do controladas pelo PCC deram recentemente fé da sua enorme preocupação com a inesperada mas resoluta ação do novo presidente americano. A avaliar por dois editoriais sobre o assunto (um dos quais—mais explícito— viria a ser apagado), onde se fazem sérios avisos à Coreia do Norte sobre o perigo iminente que paira sobre o seu líder e o seu regime, a China prevê invadir a Coreia do Norte se e assim que Trump decapite o regime coreano do seu supremo líder, Kim Jong-un.

Vale, pois, a pena ler na íntegra os dois editoriais aludidos, ainda que um deles seja uma recuperação do original retirado da publicação onde apareceu originalmente: o Global Times.

Commentary: China’s bottom line on DPRK nuclear issue
Source
China Military
Editor
Huang Panyue
Time
2017-04-07
[cache
BEIJING, April 7 (ChinaMil) -- Global Times mentioned the bottom line of China on DPRK nuclear issue in an article titled Commentary: The United States Must Not Choose a Wrong Direction to Break the DPRK Nuclear Deadlock on Wednesday, triggering wide speculation. 
According to the article, China very much hopes that the DPRK nuclear issue can be solved as soon as possible. But no matter what happens, China has a bottom line that it will protect at all costs, that is, the security and stability of northeast China. 
In connection with this, DPRK's nuclear activities must not cause any pollution to northeast China. In addition, the DPRK must not fall into the turmoil to send a large number of refugees, China will not allow the existence of a government that is hostile against China on the other side of the Yalu River, and the US military must not push forward its military forces to the Yalu River, the article said. 
Some experts interpret this as China’s acquiescence to the United States’ strikes to the DPRK. Is this really the case? 
First, “DPRK's nuclear activities must not cause any pollution to northeast China.” 
Is this sentence designed for the United States? Maybe, but it is designed for the DPRK more. We all know that the DPRK's sixth nuclear test is imminent, and various parties, especially China, are generally worried about this. 
It is very insidious for the DPRK to select Punggye-ri, located in Kilju County of North Hamgyong Province in DPRK, as the site for the nuclear test. The place is the farthest point from Pyongyang within the DPRK territory, but near the border of China and DPRK. 
Residents in northeast China suffered every time DPRK launched a nuclear test. The news may remain fresh to us: buildings showed cracks, and students in classes were evacuated to the playgrounds. 
With the increase in nuclear equivalents, the threat to the Chinese people nearby also surges. In particular, if by any chance nuclear leakage or pollution incidents happen, the damage to northeast China environment will be catastrophic and irreversible. 
This is the bottom line of China, which means China will never allow such situation to happen. If the bottom line is touched, China will employ all means available including the military means to strike back. 
By that time, it is not an issue of discussion whether China acquiesces in the US’ blows, but the Chinese People’s Liberation Army (PLA) will launch attacks to DPRK nuclear facilities on its own. 
A strike to nuclear facilities of the DPRK is the best military means in the opinion of the outside world. 
Firstly, the locations of DPRK nuclear facilities are fixed and known to the outside. 
Secondly, once the attack is launched, the DPRK’s nuclear weapons process will be permanently suspended. It has limited resources of nuclear materials and is strictly blockaded in the outside world, erasing the possibility for DPRK to get the materials again. 
Thirdly, nuclear weapons is DPRK’s trump card for its defiance of China and the United States. Once this card is lost, it will become obedient immediately. 
Finally, if DPRK's nuclear facilities are destroyed, they will not even fight back, but probably block the news to fool its domestic people. The DPRK will freak out if its nuclear facilities are destroyed. 
Second, “the DPRK must not fall into the turmoil to send a large number of refugees, it is not allowed to have a government that is hostile against China on the other side of the Yalu River, and the US military must not push forward its forces to the Yalu River.” 
This sentence is meant for the United States, because the premise of it is that the US military has launched attacks to the DPRK. We can understand it from two aspects. 
First, the 16th Group Army and the 39th Group Army of the Chinese PLA are both responsible for armed isolation of DPRK refugees. There is more than one such armed isolation zone which will not be laid exactly along the Sino-DPRK border, nor in China, but a few dozen kilometers from the border in the territory of DPRK. 
Second, the statement of “the US military must not push forward its forces to the Yalu River”, and that the US's ally Republic of Korea (ROK) must not push forward troops to the Yalu River as well is actually understood by the United States and ROK militaries that their troops will not encroach on the Yalu River. 
During the Korean War in the 1950s, the United States-led united army troops from multiple countries announced that the united troops would not advance the battlefront to the Yalu River, but would stop at 40 miles (64 kilometers) south of the Sino-DPRK border. They called this line MacArthur Line back then. 
The Global Times editorial also mentioned "it is not allowed to have a government that is hostile against China on the other side of the Yalu River." What does that mean? 
This is implying that once the US and ROK initiate the strikes, the Chinese PLA will send out troops for sure to lay the foundation for a favorable post-war situation. 
From this perspective, the Chinese PLA’s forward operations beyond Pyongyang, capital of DPRK, are for sure. 
China will not allow the situation in which areas north of the 38th Parallel are unified by the US and ROK. 
Now who do you think this editorial by Global Times is deterring? 
Disclaimer: The information, ideas or opinions appearing in this article are those of the author named Jin Hao from the Global Time and do not reflect the views of eng.chinamil.com.cn. Chinamil.com.cn does not assume any responsibility or liability for the same. If the article carries photographs or images, we do not vouch for their authenticity. 

Is North Korea nuclear crisis reaching a showdown? 
Source:Global Times Published: 2017/4/12 0:18:39

A new nuclear test or an intercontinental ballistic missile test, if conducted by Pyongyang at this time, will be a slap in the face of the US government and will intensify the confrontation between North Korea and the US.  
Presumably Beijing will react strongly to Pyongyang's new nuclear actions. China will not remain indifferent to Pyongyang's aggravating violation of the UN Security Council (UNSC) resolution.  
... 
More and more Chinese support the view that the government should enhance sanctions over Pyongyang's nuclear activities. If the North makes another provocative move this month, the Chinese society will be willing to see the UNSC adopt severe restrictive measures that have never been seen before, such as restricting oil imports to the North. Pyongyang's nuclear weapons program is intended for securing the regime, however, it is reaching a tipping point. Pyongyang hopes its gamble will work, but all signs point to the opposite direction.  
... 
Pyongyang should avoid making mistakes at this time.

CONFIRMAÇÃO

Como ontem noticiei: China pronta a invadir a Coreia do Norte, se for necessário...
China tells military to be ready to 'move' to North Korea border
By Elizabeth Shim  Contact the Author   |   April 12, 2017 at 9:27 AM 
April 12 (UPI) -- China has ordered its military to be on nationwide alert, in addition to areas near the North Korea border, as tensions escalate on the peninsula. 
The Information Center for Human Rights and Democracy, a nongovernmental organization in Hong Kong, said Beijing has ordered troops at all five military "regions" to maintain preparedness because of the situation in North Korea, according to Oriental Daily News in Hong Kong. 
According to the NGO, China's armored and mechanized infantry brigades in the provinces of Shandong, Zhejiang and Yunnan received the state mandate. 

Atualização: 12/4/2017 22:35 WET 

terça-feira, abril 11, 2017

Ninguém pergunta nada...



O próximo resgate


Se não travarmos a despesa pública e o estado partidário, se não pusermos na ordem as rendas excessivas da EDP e das PPP, um novo resgate é inevitável—especialmente se a diminuição dos estímulos do BCE conduzir a uma mais do que provável subida das taxas de juro, e se Trump continuar a provocar a Europa, atiçando o fogo e o terrorismo no Médio Oriente.

Até agora a transição democrática e a democracia que temos custaram 435,8 toneladas de ouro e três pré-bancarrotas seguidas de três resgates internacionais e três períodos de austeridade forçada.
  • Em 1971, o Banco de Portugal tinha 818,3 toneladas de ouro.
  • Queda da ditadura: 25 de abril 1974.
  • Situação pré-revolucionária: abril 1974-novembro 1975.
  • Vendas ouro entre 1976-1978: 172 toneladas.
  • Resgates: 1977 (Mário Soares), 1983 (Mários Soares), 2011 (José Sócrates) [video RTP]
  • Em 2001, o BdP tinha 606,7 toneladas.
  • Vendas de ouro entre 2001-2006: 224 toneladas.
  • Em Abril de 2012 o BdP tinha 382,5 toneladas.
  • O BdP não vendeu mais ouro desde 2006 porque, felizmente, está impedido de o fazer pelo BCE.
À grande destruição da poupança nacional e de capital somou-se um endividamento público e privado assustador.

A economia cresce mais devgar que o serviço da dívida pública, e o estado paquidérmico e corrupto que temos continua por reformar—pois é há muito a coutada da partidocracia instalada, da intelectualidade indigente e dos rendeiros do regime.

O Bloco Central Alargado (PS-PSD-CDS), mas também as esquerdas, falharam redondamente aos portugueses.

O futuro só não será mesmo negro se a a União Europeia sobreviver ao ataque americano, e reforçar as suas legítimas aspirações e desiderato.

Um buraco negro chamado Estado


Os governos são hoje grandes máquinas de lavagem automática de dinheiro de proveniência dissimulada. Dois casos bem conhecidos e de dimensão astronómica: a City de Londres e o Luxemburgo. Lavam tudo: dinheiro da droga, dos refugiados forçados a emigrar em direção à Europa, da exportação de armamento, explosivos e armas químicas, da Máfia, da Camorra, da rapaziada de Marselha, e dos políticos corruptos, da prostituição e do futebol.

Para esconder esta realidade os 'mass media' têm sido paulatinamente transformados em instrumentos de guerra psicológica. Veja-se o caso mais recente da operação Trump contra o estado sírio.

Brexit


O Brexit pode ter sido um tiro que vai sair pela culatra, reduzindo a uma espécie de náufrago os piratas de sua majestade. O império britânico morreu há muito, e a pantomima a que a pomposa elite britânica se dedica, em nada apagará o facto de a velha Albion ter dado um grande passo em direção à sua insignificância no dia em que resolveu apoiar-se na sua ralé e nos seus líderes populistas para defender a sua City e os seus paraísos fiscais, julgando que assim e uma vez mais dividiria o continente europeu. Este artigo mostra que a reação dos europeus, ingleses e não ingleses, vai na direção de um reforço da União Europeia e do seu espírito democrático e culturalmente aberto. Trump, Le Pen, Erdogan, Boris Johnson, e os indígenas do PCP e do Bloco, entre outros, acabam de dar um safanão à utopia europeia que, parece, acordou para a sua excecionalidade histórica.

A Espanha, que vai ocupar o lugar dos Ingleses no diretório europeu, força a Alemanha a olhar para a Península Ibérica com outros olhos.

A leste e no Médio Oriente a balbúrdia que convém à Internacional Terrorista promete continuar.

Enquanto durar a carnificina no Leste no Médio Oriente e norte de África muito dinheiro voará para Portugal e Espanha. Se ao menos os indígenas soubessem aproveitar positivamente a desgraça alheia...

sexta-feira, abril 07, 2017

Atenção à TAP!


O cada vez mais difícil negócio da aviação


Este artigo publicado pela McKinsey é um alerta sobre a situação do transporte aéreo mundial e dos seus principais intervenientes: fabricantes de aeronaves—os que mais ganham com o negócio; agentes de viagens—que já nada ganham; ou os aeroportos e companhias aéreas—ambos no vermelho desde 2007.

O declínio da rentabilidade por lugar/Km começou em meados da década de 50 do século passado. Mas desde meados da década de 1970 (após a crise petrolífera de 73) que esta tendência declinante se manteve, em larga medida devido ao peso crescente da energia (os aviões a jato necessitam de petróleo de altíssima qualidade, de onde sai o Jet fuel) e da tecnologia desta indústria de ponta.

Percebe-se, depois de ler este artigo, que aventuras como o da propalada cidade aeroportuária de Alcochete não fazem qualquer sentido, ainda para mais num país falido, corrupto, irresponsável, cujo sistema bancário é hoje controlado por espanhois, catalães, chineses e angolanos.

E percebe-se, considerando as tendências expostas pela McKinsey, quão inverosímil é ouvirmos da TAP, endividada até ao tutano junto de bancos como o ex-BES, o BCP e a Caixa Geral de Depósitos/ Parpública, anunciar que contraiu responsabilidades junto da Airbus no valor de mais de 12 mil milhões de euros: 15 A320neo, 24 A321neo, e 14 A330-900neo.

Sendo a TAP pública, compete ao governo e ao parlamento conhecerem e reconhecerem a frágil situação da companhia. Têm, ao mesmo tempo, a obrigação de agirem rápida e drasticamente por forma a prevenir males maiores. Já bem basta a ruinosa inércia que demonstraram ao lidar com o colapso bancário do país.

Airlines perform a service that defines the modern age and is used by billions of people every year. Yet they do not make money at it. Over the most recent economic cycle, which included some excellent years, airlines still destroyed nearly $20 billion in value for their shareholders. Suppliers do much better (Exhibit 1). For example, aircraft manufacturers made $2 billion. Maintenance and repair organizations (MROs) along with providers of ground services and catering made $1.5 billion. And global distribution systems made $500 million and have enviable margins.


Airlines’ unit revenues are headed in only one direction: down (Exhibit 4). Airlines are becoming more efficient over time, by increasing in scale, optimizing the product delivery, and buying newer, more efficient planes. The improved efficiency over time reduces the unit cost base. Unfortunately for airlines (but happily for their customers), a highly competitive industry compels carriers to pass on these benefits to consumers in the form of lower unit prices.
in:
Buying and flying: Next-generation airline procurement
By Alex Dichter, Andreas Juul Sørensen, and Steve Saxon. McKinsey.

terça-feira, abril 04, 2017

Democracia online?


Falta uma alternativa às democracias populistas dominantes


A democracia online e os referendos deparam-se com alguns problemas. Se as perguntas não forem meticulosamente discretas, enquadradas e oportunas, correm-se riscos sérios de obter resultados absurdos ou indesejáveis. O Brexit que o diga!

A democracia deliberativa é uma coisa diferente, e uma alternativa lógica possível, procurando escapar às armadilhas populistas das chamadas democracias direta e referendárias, sem deixar de promover uma relação mais verdadeira e racional entre decisores e decisões. No fundo, precisamos de desenhar uma democracia simultaneamente cognitiva e inclusiva, em vez de deixarmos os regimes atuais apodrecerem sob o império da prepotência cesarista crescente, das burocracias partidárias e tecnocráticas, ou do populismo.

O artigo de Vinay Menon no The Star (1) sobre os acidentes que hoje ocorrem no marketing viral é um bom começo de reflexão.
Shall we ruin everything? Let’s put it to an online vote: Menon 
Asking the public to help name something is asking for trouble. 
Didn’t this lesson sail into clear view after theBoaty McBoatface imbroglio? Or five years ago, when Mountain Dew solicited names for a new apple-flavoured drink? That campaign, “Dub the Dew,” was hastily aborted when the company suddenly realized it might be forced to sell a beverage dubbed “Hitler Did Nothing Wrong.” 
— in The Star. By VINAY MENON
Sun., April 2, 2017

NOTA
  1. Devo esta leitura ao Pedro dos Reis. 

segunda-feira, abril 03, 2017

O fim da democracia

Manuel Casimiro
Serigrafia, 1972

Imaginação crítica e salvação


Nesta peça de Manuel Casimiro, de 1972 —curiosamente o mesmo ano em que Donella H. Meadows, Dennis L. Meadows, Jørgen Randers, e William W. Behrens III publicaram The Limits to Growth, e um ano antes da primeira grande crise petrolífera mundial— a metrópole moderna surge simbolicamente descrita como uma arquitetura e uma ideologia consumistas: cada arranha-céus é, nesta representação, uma embalagem do cabaz de compras típico de uma sociedade de consumo.

A intuição crítica do artista não poderia ter sido mais certeira, pois ocorreu naquele já longínquo ano de 1972 o fim da explosão económica que esteve na origem da ilusão do crescimento e da prosperidade perpétuas. A taxa de crescimento demográfico mundial atingira o pico em 1962. Metade das melhores reservas de petróleo americano (o puro e barato sweet crude oil) tinham já sido consumidas em 1970, pelo que seria a partir daquela data necessário poupar o petróleo remanescente e procurar satisfazer as futuras necessidades da voraz economia americana noutras paragens: Canadá, Irão, Iraque, Arábia Saudita, Líbia, Venezuela, Angola, etc. A primeria grande crise do petróleo ocorreria em 1973.

Recall from chapter 15 the four domains that I argued are the sources of deep satisfactions: family, vocation, community, and faith. In each of those domains, responsibility for the desired outcome is inseparable from the satisfaction. 
— in Charles Murray, Coming Apart.

Acabei de ler um livro de Charles Murray, publicado em 2012 sob o título Coming Apart—The State of White America, 1960-2010, onde se demonstra como o início do fim do Sonho Americano se fez acompanhar pelo declínio imparável das tão proclamadas quanto excecionais virtudes fundadoras da América: Industriousness, Honesty, Marriage, Religiosity. Este declínio atingiu sobretudo o que o autor chama new lower class, por oposição à new upper class, onde tais virtudes declinaram menos ou se mantiveram. Hoje existe uma elite económica, financeira e cultural que é sobretudo uma elite cognitiva, que se reproduz nos campus das grandes universidades e se aglomera em manchas urbanas e suburbanas muito bem delimitadas e homogéneas. Murray chama as estas manchas geográficas de poder económico, social e cultural, Super Zips. No extremo oposto desta novidade sociológica cresce a indigência económica, social e cultural, a uma velocidade tal que ameaça hoje claramente a estabilidade política da América—Yuval Noah Arari chama-lhe useless class. O populismo, de que Trump é o mais recente epifenómeno, é a face negra de uma moeda a caminho de uma desvalorização radical.

Quer na América, quer na Europa, este fenómeno alastra e põe em causa a nossa ideia de sociedade justa, e de democracia. Quem não viu até agora o perigo aproximar-se pertence, em geral, aos 1% dessa nova elite cognitiva protegida no interior de bolhas culturais que, mais cedo ou mais tarde, poderão implodir sob a pressão da mole hostil em que as maiorias democráticas se transformaram—deixando de se rever nas instituições políticas tradicionais e na dicotomia feliz esquerda/direita, que percebem como imprestáveis quimeras ou, pior ainda, como origens do mal.

Será que os artistas e os filósofos bem sucedidos serão ainda capazes de promover uma criatividade inclusiva? E se não forem, que poderemos esperar do resto da elite cognitiva: gestores, empresários, economistas, médicos, advogados, biólogos, engenheiros informáticos, funcionários públicos de topo, deputados, produtores, realizadores, atores e atrizes de teatro, cinema e televisão, jornalistas, etc?

Seria trágico continuarmos a meter a cabeça na areia, ou andar de óculos escuros pela vida que se deteriora à nossa volta. Ignorar a doença social que se vai transformando numa pandemia não a extingue. Pelo contrário, permite que se torne cada vez mais incurável e letal.

REFERÊNCIAS


  • Charles Murray. Losing Ground: American Social Policy, 1950–1980, Basic Books, 1984.
  • Charles Murray. The Bell Curve: Intelligence and Class Structure in American Life (with Richard J. Herrnstein), Free Press, 1994.
  • Charles Murray. Coming Apart: The State of White America, 1960–2010, Crown Forum, 2012.
  • David Hackett Fischer. The Great Wave: Price Revolutions and the Rhythm of History, 2000.
  • Donella H. Meadows, Dennis L. Meadows, Jørgen Randers, e William W. Behrens III. The Limits to Growth, 1972.
  • Jeremy Rifkin. The End of Work: The Decline of the Global Labor Force and the Dawn of the Post-Market Era, 1995.
  • Yuval Noah Arari. Sapiens: A Brief History of Humankind, London: Harvill Secker, 2014.
  • Yuval Noah Arari. Homo Deus: A Brief History of Tomorrow, London: Harvill Secker, 2016.


Atualização: 19 abril 2017 21:32 WET

sábado, abril 01, 2017

Aeroporto Cristiano Ronaldo


Quem será o último a rir?


O grande choque causado pelo busto alegre e bastante cinematográfico de Cristiano Ronaldo, que desde 29 de março de 2017 dá o seu nome ao aeroporto do Funchal, comprova apenas o sucesso do ícone escultórico criado por Emanuel Santos, antigo funcionário de limpezas do mesmo aeroporto, desempregado há três meses, 40 anos de idade, escultor autodidata como tantos. Só por si, esta descrição daria um bom documentário.

Os bustos que vemos pelas praças, jardins e rotundas portuguesas são em geral insuportavelmente académicos, mais parecendo máscaras mortuárias que celebrações da vida. Já alguma vez viram a galeria de horrores que dá pelo nome de Parque dos Poetas, em Oeiras? Pior, só mesmo a dita 'arte moderna' que infesta rotundas, estradas e auto-estradas por esse país fora. Ou ainda a mais recente corrida autárquica das estrelas cadentes do firmamento artístico contemporâneo indígena, como se o que ontem não prestava agora evita um precipitada descida de divisão social.

O insuspeito artista madeirense modelou um flagrante honesto do futebolista mais famoso do país e do mundo. Cristiano é assim, e não como o foto_pintam, nas campanhas da Armani e similares.




É certo que há um Cristiano Ronaldo que faz lembrar Marlon Brando, sobre tudo depois de ter sido encenado e fotografado por Mario Testino, Scott Frances ou Johan Renck, para a capa da Vogue, ou para a roupa interior da Armani. Há em ambos os ícones fisionomias bem desenhadas pelos genes, mais sensuais no olhar de Marlon Brando, mas a que a melhor simetria facial de Cristiano e a sua sobre-exposição mundial como ator e personagem dele próprio confere a sensualidade irresistível da realidade em ação. Quando ri, quando grita, quando chora.

Daqui a confusão de géneros que motivou o tumulto de opiniões. Um tumulto que só aumentou a popularidade do futebolista que hoje dá o seu nome a um importente aeroporto turístico, bem como ao ignorado desempregado que sem o prever saltou do anonimato mais absoluto para as redes sociais, imprensa e televisões de todo o mundo. Terá Emanuel Santos, ao menos, assegurado os seus direitos de autor? É que se o tiver feito, não precisará tão cedo de limpar o chão do Aeroporto Cristiano Ronaldo.

Serviço Público?


Um caso de violência sexual entre crianças não é um caso de pedofilia


Há que distinguir a 'investigação jornalística', do populismo tablóide que domina hoje boa parte dos meios de comunicação social. A RTP deveria, creio, ser uma guardiã do jornalismo útil, prudente, sério e de esclarecimento, deixando a exposição fácil e oportunista dos escândalos para a TVI e o Correio da Manhã. No caso que viria a resultar ontem de manhã na agressão criminosa contra um operador de câmara da RTP exigem-se todos os esclarecimentos possíveis. Evitar este escrutínio seria abrir a porta a uma espécie de terra de ninguém, nada saudável para uma democracia já ameaçada por perigos vários, de que uma deriva de regresso ao passado mental da censura não está totalmente excluída.

O que foi o repórter lá fazer?  
Vai e Vem. Publicado em Março 30, 2017 por estrelaserrano@gmail.com 
A RTP não adiantou quais os motivos da agressão nem explicou qual era o objectivo da reportagem. Tratando-se de duas crianças uma das quais alegadamente vítima de “agressão sexual” certamente a RTP não estaria à espera de filmar as crianças envolvidas ou os seus familiares. Pelo que não se ficou a saber que tipo de reportagem a RTP esperava fazer. 
(...) 
É evidente que qualquer violência sobre jornalistas é deplorável ainda mais quando se encontram no exercício de funções. Certamente o repórter agredido não fez mais do que recolher imagens de quem por ali se encontrava. 
Mas tratando-se de assunto tão grave e delicado, como a agressão sexual envolvendo  crianças, a recolha de imagens era absolutamente interdita. A lei de protecção de menores proíbe a exibição de imagens de vítimas de agressões sexuais e a RTP não desconhece as restrições impostas em situações envolvendo menores. 
+ 
Ainda a reportagem da RTP sobre distúrbios numa escola 
Vai e Vem. Publicado em Março 31, 2017 por estrelaserrano@gmail.com 
Deslocar a discussão para a agressão à equipa da RTP em vez de a centrar na substância do ocorrido na escola e nos procedimentos que devem ser adoptados na cobertura televisiva de crimes sexuais envolvendo crianças é fazer da RTP o centro da notícia coisa que, ela sim, é contrária às melhores práticas jornalísticas. 
O repúdio da agressão a um jornalista no exercício de funções não pode camuflar eventuais erros cometidos numa situação em que o jornalista se tornou ele próprio numa vítima. 
+

O assunto da reportagem abortada, motivada por um suposto caso de agressão sexual exercida por um miúdo de doze anos sobre uma criança de nove, azedou ao longo do dia de ontem, acabando os comentários de Estrela Serrano por suscitar a ira de 100 jornalistas da RTP, numa empresa que conta com 1100 funcionários. Estes jornalistas exigiram hoje a demissão de Estrela Serrano do Conselho de Opinião, o que não deixa de ser um péssimo augúrio.

Comentei ontem este incidente. Hoje acrescento, em defesa de Estrela Serrano, mais algumas palavras.

Um serviço público de televisão não deve andar atrás das audiências, nem querer competir com a TVI e o Correio da Manhã.

A RTP não é uma instituição intocável, mas continua a parecer impossível dar-lhe um perfil de verdadeiro serviço público, como a BBC ou a PBS americana, ou a Euronews, ou seja, onde não se transforme a informação desportiva numa diarreia perpétua de futebolismo infumável, onde não haja concursos desmiolados, nem telenovelas de cordel. Ou seja, um serviço capaz de elevar, em vez de perpetuar a inércia cultural de uma população pouco instruída e mal paga.

Dum serviço público espera-se e paga-se para ter informação criteriosa, esclarecimento crítico, diáspora, lusofonia, pedagogia e cultura em sentido amplo. Parece-me, no entanto, que o 'trade-off' deste híbrido, onde a esquina tablóide ocupa cada vez mais tempo de emissão, é escancarar 'ad nauseam' a janela hertziana paga por todos nós ao exercício da propaganda narcisista do poder e das suas oposições.

Colaborei com muito gosto num programa de televisão, na RTP3. Foi sobretudo um programa não contaminado pelos partidos. Talvez por isso tenha morrido tão cedo, apesar do bon share.

Por fim, a reação dos 100 jornalistas ofendidos com a opinião educada e objetiva de Estrela Serrano faz-me temer o pior de uma instituição que continua a resistir à mudança.

Porque não exigiram um inquérito interno ao sucedido, em vez de um saneamento?