quinta-feira, março 23, 2017

Drinks, joints and coca lines

Anúncio da Super Bock sobre o incidente Dijsselbloem

Os donos e as donas do gado ficaram ofendidos e ofendidas.


A malta amocha quando um ministro dos negócios estrangeiros indígena saúda o seu colega do trabalho e da segurança social como um negociador de gado (o gado a que se refere são os trabalhadores e os patrões portugueses), mas entra em histeria moralista quando um holandês socialista nos recomenda que não gastemos tudo o que pedimos à União Europeia em putas e vinho verde.

A metáfora referia-se, como todos sabemos, às PPP, suas barragens inúteis, autoestradas e aeroportos às moscas (Beja), às rendas do senhor Mexia, ao excesso de deputados do nosso parlamento, às perdizes e aos pombos torcazes do menu do seu restaurante, ao saque pornográfico das nossas poupanças e fundos comunitários através do assalto ao sistema financeiro e bancário que (já não) temos. Quem irá realmente pagar os 10,75% de juros pelas obrigações perpétuas a emitir pela Caixa Geral de Depósitos? Não serão seguramente os prejuízos constantes e acumulados do saco azul do regime.

Quanto muito, o presidente do Eurogrupo não foi politicamente correto.

Em vez de ter dito (foi isto que Jeroen Dijsselbloem disse):
“As a Social Democrat, I attribute exceptional importance to solidarity. (But) you also have obligations. You cannot spend all the money on drinks and women and then ask for help.”
deveria ter dito:
“As a Social Democrat, I attribute exceptional importance to solidarity. (But) you also have obligations. You cannot spend all the money on drinks, joints, coca lines, callboys and women and then ask for help.

Post scriptum

Portanto, o socialista holandês tem razão! Será que que vai haver algum sobressalto nas bancadas da impoluta e mui politicamente correta Assembleia da República?

José Magalhães: Há pagamentos a deputados que são feitos sem controlo 
Negócios jng@negocios.pt
24 de março de 2017 às 09:37 
À pergunta sobre quanto ganha um deputado, José Magalhães, ele próprio ex-deputado eleito pelo PS, responde apenas: "há 230 remunerações". Tantas, portanto, quantos os parlamentares eleitos para o Parlamento. As remunerações, explica, variam de acordo com muitos factores, desde o círculo pelo qual cada um é eleito, a despesas de deslocação que façam, entre outras coisas.

Numa entrevista publicada esta sexta-feira, 24 de Março, no jornal "i", José Magalhães explica que há falta de controlo no pagamento nomeadamente de subsídios. "Em relação a um conjunto muito importante de remunerações, que são os abonos complementares para trabalho de círculo ou para trabalho nacional, é feito o pagamento não sujeito a qualquer comprovação", refere, lembrando que esta espécie de "segundo salário" para os parlamentares tem a vantagem de não estar sujeito a impostos. Na prática, diz, é feito o pagamento sem ser verificado se os deputados fazem o trabalho.

Atualização: 24 mar 2017, 10:43 WET 

1 comentário:

Anónimo disse...

Uns artistas.
"Quem parte e reparte e não fica com a maior parte, ou é tolo ou não tem arte".
O pessoal continua a legitimar semelhante absurdo constitucional, votando.