sexta-feira, junho 24, 2016

Sorry, no more euros!

Matt Rooney no Twitter: "It's beginning already! We're in Greece, no cash exchange & no cash machine withdrawals for Brits.



DA DECLARAÇÃO CONJUNTA DOS LÍDERES EUROPEUS
Aguardamos agora que o governo do Reino Unido concretize esta decisão do povo britânico o mais rapidamente possível, por mais doloroso que esse processo se possa revelar. Qualquer atraso prolongaria desnecessariamente a incerteza. Temos regras para lidar com esta situação de uma forma ordenada. O artigo 50.º do Tratado da União Europeia define o procedimento a seguir caso um Estado-Membro decida sair da União Europeia. Estamos prontos para lançar rapidamente as negociações com o Reino Unido relativamente aos termos e às condições da sua saída da União Europeia. Até este processo negocial estar concluído, o Reino Unido continua a ser um membro da União Europeia com todos os direitos e obrigações que daí decorrem. De acordo com os Tratados que o Reino Unido ratificou, a legislação da UE continua a ser plenamente aplicável ao e no Reino Unido até que deixe de ser membro.

Que acontecerá ao uso do idioma de Shakespeare na União Europeia?

Reparei que hoje todos os eurocratas falavam nas suas línguas nativas. O inglês, de repente, desapareceu! E a Europa? Bom, a Europa regressa paulatinamemnte às suas ilusões nacionalistas, reacionárias e populistas de esquerda e de direita. Mau agoiro, por certo.

A próxima segunda-feira dir-nos-à o que hoje ocorreu. As facilidades acabaram há anos, mas só agora o padrão universal das perdas começará a ser reconhecido como um fenómeno global. A angústia, nomeadamente entre os mais fracos, e mais endividados, tenderá a crescer.


Até porque, como disse Alan Greenspan (ZeroHedge), o verdadeiro problema é mais geral e sobretudo de natureza fiscal, abrange grande parte dos países desenvolvidos, e diz respeito ao envelhecimento demográfico e às crescentes e insustentáveis responsabilidades sociais dos governos, fundos de pensões e sociedades financeiras, nomeadamente de seguros.
“Brexit is not the end of the set of problems, which I always thought were going to start with the euro because the euro is a very serious problem in that the southern part of the euro zone is being funded by the northern part and the European Central Bank,” Greenspan said.
He then repeated a point that has been widely accepted in recent months, namely that monetary policy - while still the only game in town - is now impotent. Greenspan said the ECB is limited in what it can do because these fundamental problems like the stagnation of real incomes don’t have easy solutions. “There’s a certain amount that monetary policy can do, but our problem is fundamentally fiscal,” he said, adding that this is true in the United States as well as “every major country in Europe.” Part of the problem is that the “developed countries are all aging very rapidly,” which is leading to a higher ratio of government spending in the form of entitlements, Greenspan said.

terça-feira, junho 07, 2016

A China no Montijo?

Não é preciso nenhum luxo para ganhar dinheiro

Querem crescimento? Precisam de investimento? Basta um neurónio para lá chegar!


O DDT insistiu enquanto pôde num buraco negro chamado NAL de Alcochete. Esta insistência, que gozou do beneplácito desmiolado ou corrupto dos nossos queridos partidos políticos, do PCP ao CDS, passando pelo PS (claro!) e PSD, custou a falência da TAP.

Talvez fosse bom agora, no país falido que somos, propor a Xangai um negócio chamado aeroporto low cost e de mercadorias do Montijo, articulado com a prevista (pela União Europeia, por quem haveria de ser?) nova ligação ferroviária de mercadorias e alta velocidade Poceirão-Caia. A Ryanair agradeceria, a China ficaria contente, e Portugal teria menos angústias sempre que fala de crescimento e investimento externo.

Vendo bem, a ampliação/requalificação do aeroporto do Montijo, sobretudo se houver uma nova ligação ferroviária (UIC—vulgo, bitola europeia) entre o Pinhal Novo (Lisboa+Setúbal+Sines) e Espanha/resto da Europa, é capaz de ser um daqueles lombinhos que Pequim adoraria licitar ;)
Chineses compram aeroporto regional de Frankfurt-Hahn na Alemanha
A Shanghai Yiqian Trading vai comprar o aeroporto regional Frankfurt-Hahn, na Alemanha. Um negócio que permite à empresa assegurar uma base para a exportação de alimentos, mas também uma plataforma para passageiros vindos ou a caminho da Ásia.
A empresa chinesa vai adquirir uma participação de 82.5% por algumas dezenas de milhões de euros, sendo que a quantia ainda não foi precisada.
Este aeroporto, situado a 100 quilómetros de Frankfurt, tem tido dificuldades em atingir lucro, mas os novos donos querem impulsionar o negócio com o transporte aéreo de passageiros e mercadorias para a Ásia.
Euronews, 06/06 17:18 CET