segunda-feira, dezembro 22, 2014

O acontecimento do ano

Brasões de um Portugal agoniado

O colapso do regime começou pelo nó promíscuo entre o PS e um banco do regime


O colapso do BES é, apesar de tudo, mais importante, pelas piores razões, do que a também vergonhosa prisão de um ex-primeiro ministro de Portugal, por suspeitas de corrupção, lavagem de dinheiro e fraude fiscal.

Um ano horrível para Portugal.

Curiosamente, ambos os colapsos, económico-financeiro e político-partidário, têm origem num erro de cálculo de Mário Soares.

Pertence à Maçonaria?

Beija-cu, portal da catedral de Saint-Pierre, Troyes, sec. XII.

A propósito de uma tempestade parlamentar e do perigo da caça às bruxas


Eu preferia que as Maçonarias e as Opus Dei, que são ou se tornaram grupos de pressão, tal como as igrejas, os partidos políticos, as confederações patronais, as ordens profissionais e os sindicatos, fossem instituições públicas, quer dizer formalizadas e escrutináveis. O que não significa transformá-las em peep-shows da laia da Casa dos Segredos.

E preferia, assim, que houvesse igualdade de oportunidades e um regime de incompabilidades, racional e transparente, no exercício de cargos públicos, mas também na concorrência privada.

Como as coisas estão, sem discutirmos estes temas, incidentes como o que ocorreu na Assembleia da República em volta da indigitação do próximo diretor do SIS tenderão a ser recorrentes.

“Está disponível para divulgar o seu registo de interesses e revelar se pertence a alguma sociedade secreta de natureza maçónica no âmbito da qual tenha deveres de obediência que possam, por essa via, pôr em causa a prioridade do interesse público?” — Teresa Coelho, deputada do PSD.

“Tenho dever de obediência à Constituição da República, à lei, à ética e à minha consciência” — Neiva da Cruz, novo diretor indigitado do SIS.

“Pertence ou não à maçonaria ou a alguma associação secreta que condicione ou influencie o cumprimento das suas funções?” — Teresa Coelho, deputada do PSD.

“Não me sinto condicionado por absolutamente nada, a não ser pela lei” — Neiva da Cruz, novo diretor indigitado do SIS

in Observador, 19/12/2014, 17:10

Recebi a este propósito uma correspondência de que transcrevo dois notáveis emails em defesa da liberdade individual, nomeadamente da liberdade de organizar e fazer parte de uma agremiação secreta e elitista desde que de semelhante praxis não resultem conflitos com as leis gerais, nem o prejuízo de terceiros.


Email de Jorge Paulino Pereira

Caro Eng.,

1. Li o texto que me enviou. Não tinha sabido o que se passara na Assembleia Nacional, ou Assembleia da República, e fui tentar perceber o que ocorrera.

Confesso que fiquei chocado que alguém, na sua qualidade de deputado, tivesse perguntado a uma qualquer pessoa que irá ocupar um lugar público e com um carácter de quase interrogatório policial, se ele era maçon. Não perguntou se ele era católico ou islâmico, se era da Opus Dei ou de uma Ordem religiosa, se ele era do Benfica, do Porto ou do Sporting, se ele gostava de meninas ou se era homossexual. Mas pela mesma forma de pensar, poderia também ter feito essas perguntas, o que me parece mal e profundamente incorrecto porque obviamente nenhuma destas questões se deveria colocar a alguém que vai exercer um cargo público.

2. Ao pensar nisto tudo, veio-me à memória Fernando Pessoa. Ele defendeu a liberdade das pessoas se associarem entre si da forma como quisessem quando, em 1935, um tal deputado Cabral impôs no Parlamento uma lei contra associações secretas.

Essa lei foi aprovada, por larga maioria, pelos deputados do Estado Novo. Contudo, na prática, foi utilizada apenas como instrumento de dissuasão e nunca foi legalmente aplicada para condenar mações do Grande Oriente Lusitano Unido (GOLU), a única Obediência Maçónica então existente.

Essa lei tinha em mente essencialmente atacar e desfazer as carbonárias anarco-sindicalistas e comunistas que ameaçavam, revolucionariamente e de forma violenta, o status quo social (e obviamente o status quo político). No entanto, impôs que organizações iniciáticas e secretas (como o Grande Oriente Lusitano Unido ou outras de carácter irregular associadas a antigas ordens religiosas ou do tipo alquímico) se tornassem de facto clandestinas.

Mais tarde, também foi sugerido que esta mesma lei fosse utilizada para impedir que a Opus Dei se instalasse em Portugal porque ela era vista, por certos sectores do regime de então, como uma estrutura secreta e iniciática que pretendia tomar o poder (curiosamente, Salazar e Cerejeira foram sempre contra a Opus Dei porque diziam que ela representava a vinda dos Novos Jesuítas. E apesar de não ser público, e agora a sua forma de pensar até ter sido completamente distorcida pelos pseudo-historiadores da actualidade, Salazar e Cerejeira e Bissaia Barreto foram sempre todos anti-jesuítas na sua mocidade, estando na onda do que defendia o então Bispo de Coimbra, também ele, ferozmente anti-jesuíta).

3. E porque é que Fernando Pessoa defendeu a Liberdade de existirem Associações Iniciáticas e secretas ou quaisquer outras?

Porque ele defendia a Liberdade Humana, ou a Liberdade do Indivíduo (ou liberdade individual), ou a liberdade de pensar e de actuar de cada um dos homens que vive temporariamente nesta Terra, como um ser racional.

Defendia que cada homem podia fazer o que quisesse e o que lhe apetecesse, desde que não colidisse com a Liberdade do seu outro vizinho. Só um pensamento sem baias e sem condicionalismos de qualquer ordem pode dar a dimensão transcendental ao Homem. Uma pessoa só é verdadeiramente livre quando puder pensar como quiser, se puder contactar com outros como entender, se puder falar como achar correcto. Ou seja, o Homem só será livre quando for livre o seu pensar e quando estiver livre o seu Pensamento e a sua acção do dia-a-dia.

E o Homem, como ser racional, deve questionar tudo: a existência de Deus, a estupidez humana, a existência de vida para além da Morte, os princípios e valores inerentes à forma deste ou daquele pensar ou actuar, os credos políticos e religiosos, os caminhos que ele acha serem os correctos para se emancipar.

Nesse âmbito, as pessoas têm o direito de se associarem fraternalmente entre si do modo como pretenderem, independentemente ou dependentemente, dos seus credos políticos ou religiosos, ou dos seus gostos pessoais, confessionais ou clubísticos. As pessoas podem-se associar num grupo de amigos, ou numa organização qualquer, ou numa tertúlia, ou nos almoços de 3ª feira ou de 4ª feira ou de outro qualquer dia da semana ou do mês. E podem ter os seus critérios, manias, rituais ou quaisquer metodologias estranhas para organizar e proceder aos seus trabalhos, se assim o entenderem.

Podem começar o almoço por saudar um qualquer ente desaparecido ou o chefe bem-amado, ou Deus ou o Partido Político onde estão. Não interessa! Podem fazê-lo, se assim o quiserem. Ou antes, devem ter a Liberdade de o poder fazer. Podem e devem fazê-lo em Liberdade, sem que sejam importunados por isso. Afinal, para mim, as revoluções do 25 de Abril e do 5 de Outubro e todas as demais revoluções, só servem para alguma coisa, se for esse o princípio básico que estiver subjacente a elas. Só a Liberdade leva à Democracia.

Fernando Pessoa considerava que essa Liberdade  era o princípio basilar da Democracia. E a Democracia pressupõe a igualdade das pessoas serem respeitadas por todos os outros e não serem excomungadas ou perseguidas ou discriminadas. E se houver entre essa gente um qualquer espírito de comunhão religiosa, política ou qualquer outra, não serei eu que lhes irei atirar uma pedra ou que os procurarei perseguir ou destruir. Como também não deve haver qualquer outra pessoa que o possa fazer, em nome da Democracia ou da Santa Liberdade.

Se forem católicos e se se encontrarem secretamente, não devem ser perseguidos; se forem protestantes e se quiserem ter os seus conciliábulos, não devem ser importunados; se forem maçons e se se juntarem, não devem ser inquiridos ou questionados. A Liberdade de Pensamento pressupõe a Liberdade  de Associação e a liberdade das pessoas se juntarem do modo como entenderem.

E só pela Polícia (e nunca por uma deputada de um qualquer parlamento) as pessoas devem ser inquiridas se pertencem a uma qualquer associação, seja política, seja religiosa, seja clubística, confessional ou doutro tipo.

Tal como não se espera que nenhum deputado venha a perguntar a alguém, no âmbito da sua função de deputado, se ele é paneleiro ou se ela é fressureira, qual a forma como gosta de fazer amor com a mulher, ou se reza o terço à noite antes de se deitar ou se vai à missa aos domingos e dias santos, ou se vê os jogos do Benfica, do Sporting ou do Porto em casa deste ou daquele amigo, e que tipo de bebida é que toma, e se se encontra às 2ªas feiras ou aos fins-de-semana com estes ou aqueles amigos.

Um deputado, ou deputada, não pode, nem deve, fazer esse tipo de perguntas, sob pena de se auto-excluir como deputado (ou deputada). Ponto final parágrafo.

4. Segundo consta e também por aquilo que estudei, a Maçonaria é uma organização iniciática que, teoricamente, procura agrupar gente que tem certo tipo de valores e de princípios; e onde está, com certeza, gente que tem esses princípios e valores; e também gente que não tem esses mesmos princípios e valores e que obviamente deve representar uma pequena minoria no seio da maioria.

E todos eles devem poder agrupar-se e associar-se entre si, sem que para o efeito sejam importunados. Como as pessoas da Opus Dei se devem poder associar e agrupar nas suas reuniões, e devem poder defender os seus valores e os princípios que entendem ser os correctos, Como qualquer franja ou tendência de um Partido Politico se pode agrupar, dentro dele ou fora dele, para formar um conjunto restrito de pessoas que pensam de certo modo e que secretamente procuram levar a sua organização partidária para um certo objectivo que eles consideram correcto.

Eu sou o mais tolerante possível. Acho que este princípio de associação e de reunião deve ser estendido aos comunistas e aos fascistas e aos anarquistas, aos socialistas ou aos conservadores, aos republicanos ou aos defensores da Monarquia. São livres de pensar e de se reunir e não devem ser questionados por isso. Todos se devem poder associar do modo como entenderem, todos devem ter a liberdade de poderem exprimir os seus propósitos e ideais e princípios, mesmo que sejam contrários à forma de viver da maioria das outras pessoas.

Compete ao Estado saber se eles são perigosos ou não. E, se o forem, no âmbito das leis que regem esse país, poderão ser perseguidos. Mas apenas quando provoquem situações que provoquem revoluções ou banhos de sangue (e mesmo assim, mais tarde, os que lhes sucederem até podem consagrar esses tais extremistas mortos ou presos, como seus heróis ou heróis nacionais).

5. Aliás, Fernando Pessoa era muito mais tolerante e liberal do que a grande maioria das pessoas e entendia que as minorias não deveriam ser anuladas. Por isso também defendeu, no seu tempo, a liberdade da existência de paneleiros. Ele não era homossexual, mas entendia que quem quisesse ser, podia sê-lo e não deveria ser perseguido por isso.

As minorias não devem ser perseguidas embora não seja obrigatório que se tenha de estar obrigatoriamente com elas. Cada qual pode escolher os amigos e as pessoas com quem quer estar, ou com quer falar, ou com quem quer conviver ou reunir.

Contrariamente ao que também consta por aí, posto a circular obviamente por paneleiros ou seus defensores (e depois pelos muitos historiadores de meia-tigela ou da moda que pululam por cá), Fernando Pessoa não era homossexual. Até vou relatar um episódio verídico e curioso que me foi contado por um amigo meu que era chegado à família de Almada Negreiros.

A viúva de Almada Negreiros ter-lhe-á contado que Fernando Pessoa, volta e meia, “ia às putas” e tinha geralmente umas duas ou três raparigas, que eram certas durante algum tempo. Procurava-as, esvaziava os tomates, e conversava com elas durante pouco tempo antes de se ir embora. Sobre uma dessas prostitutas, que o atraiu mais ou que despertou o seu sentido poético, compôs uma qualquer quadra ou poema.

Ora, um dia, Fernando Pessoa apanhou uma blenorragia com essa rapariga, o que foi um caso sério porque não era a primeira vez que ele tinha tido esse mal. Mas acho que, daquela vez, terá sido particularmente doloroso e, na época, ainda não havia penicilina para tratar essa doença.

Mais tarde, num grupo de amigos, alguém terá comentado que a Poesia era um Bálsamo para todas as doenças e que curava todos os males. E, com a sua ponta de humor britânico, de carácter arguto e de fino estilo, Fernando Pessoa disse que não era bem assim. E, como exemplo, disse que tinha estado com uma puta a quem tinha feito uns versos, e essa poesia e versos não o tinham safado de ter apanhado um valentíssimo esquentamento (blenorragia) por ter relações com ela.

6. Agora, algumas informações de carácter histórico. Contrariamente ao que se diz por aí, Fernando Pessoa  não era maçon do Grande Oriente Lusitano Unido (GOLU ou GOL), única obediência maçónica então existente. E apesar de não o ser, defendeu abertamente a liberdade de existência dos maçons do GOLU ou GOL e o direito à legalidade institucional da Maçonaria Portuguesa e noutros países.

E neste caso também é espantoso como se fabrica a História, invertendo completamente a realidade para servir propósitos de grupo ou para arranjar acólitos ou heróis para engrossar o grupo dos que defendem um qualquer tipo de pensamento.

Contudo, Fernando Pessoa pertencia a uma organização secreta e iniciática onvde estavam Bissaia Barreto e Salazar e Cerejeira e Duarte Pacheco e Almada Negreiros e Cotinelli Telmo e Mendes Cabeçadas e Carmona e muitos mais, que formaram a elite do regime implantado no 28 de Maio de 1926, E onde, antigamente ou no seu tempo, tinha estado gente que pouco tinha a ver politicamente com estes, como Alexandre Herculano e Norton de Matos e José da Silva Carvalho e Fontes Pereira de Melo, e António Augusto de Aguiar e Teófilo Braga, e António José de Almeida e Batalha Reis e Brito Camacho e muitos mais. Afinal, foi esta gente que constituiu a nata do Estado Novo e a nata da organização das comemorações nacionalistas e nacionais do século 19 e a nata da Monarquia e da República. E essa organização sobreviveu no Estado Novo, sem obviamente nunca ter sido questionada por ninguém, apesar de ser iniciática e secreta, porque tinha no seu seio, o poder, e também o contra-poder; enfim, porque agrupava as elites de Portugal.

Que isto ajude a fazer a luz em alguns espíritos que se julgam iluminados, sem o serem…

Melhores cumprimentos

Jorge Paulino Pereira


Réplica do Eng.
[...]

Resposta de Jorge Paulino Pereira

Caro Eng.,

1. Eu falo por mim e represento-me a mim próprio. Não falo pelos maçons nem pela Maçonaria... Eles devem-se representar a si próprios, a título individual; e os chamados altos graus da Maçonaria devem falar por ela, a título de representantes das várias Obediências Maçónicas a que pertencem. E actualmente há muitas Obediências maçónicas, como sejam o Grande Oriente Lusitano, a Grande Loja de Portugal, a Mênfis-Misrain, a Maçonaria Feminina, etc, etc, etc. E, para além destas estruturas que se assumem como maçónicas, há muitas outras, secretas e de caracter iniciático e que até são mais restritas porque de mais dificil acesso e divulgação e entrada de membros.

2. Aliás, o Mundo tem estruturas iniciáticas deste tipo, bem montadas e protegidas, e que envolvem até pessoas de vários países, numa rede que passa despercebida à maioria das pessoas e que envolve os sectores financeiros e os sectores políticos e os sectores religiosos. Desse modo, às vezes, do nada surge um nome de uma pessoa que ninguém conhecia e que, de um momento para o outro, aparece na ribalta e parece ter sido sempre uma figura de proa sem que ninguém o soubesse... Os Estados poderosos infiltram essas estruturas restritas de poder para daí tirarem os seus proveitos ou defenderem os seus interesses. E não vou falar nem da Assembleia dos 500, nem do Grupo de Bildeberg, etc. Em suma, os maiores países (e o Mundo em geral) são governados, geridos e perspectivados por elites que se agrupam nos vários países e que, não raramente, têm uma organização transnacional.

3. Em Portugal, os problemas que têm ocorrido com o SIS, envolvem alguns maçons da Grande Loja de Portugal. Não devem ser generalizados para todos os casos, como a imprensa sensacionalista o faz. Também é sabido que alguns maçons, que pertencem a esta e outras Obediências, têm desempenhado lugares públicos e cargos privados, de forma pouco abonatória (em minha opinião, alguns são verdadeiros ladrões e traidores à Pátria, e deviam ter sido afastados das Obediências a que pertencem, se os valores e príncipios que são propalados como sendo os da Maçonaria, fossem seguidos). Mas todos eles, apesar de maçons, fazem-no de forma individual e não como tendo organizado essa estratégia no seio da Maçonaria (e isto apesar de poderem estar envolvidos vários maçons de uma mesma loja ou Obediência maçónica)

4. Permita-me que lhe diga o seguinte: eu defendo que só as elites devem governar um país porque só elas têm os conhecimentos e o saber para o poderem levar para a frente. Foi assim com a Ordem dos Templários e a Ordem de Cister na primeira dinastia, e depois com a Ordem de Cristo e a Ordem de Cister, no período áureo dos Descobrimentos. E também defendo que as elites devem estar agrupadas entre si em organizações de carácter restrito (fechado ou não, mas sempre mais ou menos com carácter secreto). Um País não pode, nem deve, ser governado pelas claques de futebol, embora elas sejam uma maioria. A ignorância e o oportunismo são sempre os apanágios das grandes massas populares ou das massas uluantes como lhes chamo (até apresentei uma Teoria das Massas Ululantes num dos livros que escrevi - J. “Lisa ou a Pentalogia das Cores”).

5. Em conformidade, não acho que seja Democracia o sistema existente em que vivemos e que eu apelido de “Partidocracia”. Actualmente, os Partidos são viveiros de políticos incompetentes e oportunistas que chegam a Primeiros-Ministros em organizações pretensamente abertas e que de facto são dominadas por uma minoria (por vezes, quase parecem ser gente indigente, quase gangsters ou gente que defende os seus interesses e que se reune em reuniões secretas antes de tornarem públicos os seus intentos). E obviamente, não são nas estruturas maçónicas que eles pensam e organizam essas tomadas de poder. Mas fazem-no, em reuniões secretas que ninguém contesta e que toda a gente sabe que existem (afinal, as mesmas críticas que apontou à Maçonaria...)

6. Contudo, é normal que os amigos defendam os amigos, não só no dia a dia, como na política e na sua carreira profissional. Pela sua forma de ver as coisas, então isso queria dizer que organizações como o Rotary ou o Lyons, ou a Opus Dei, ou Associações Empresariais, ou o Benfica ou o Sporting ou o Porto, não deveriam existir, porque pode ter a certeza absoluta que, em todos os lados, os amigos se protegem uns aos outros; que, em todos os lados, os lugares disponíveis são distribuídos pelos amigos; e que, em todos os lados, funcionam “irmandades” que levam “os amigos” a se protegerem entre si. Afinal quando nós nos encontramos e trocamos opiniões nesta tertúlia ou noutra, estamos a fazer uma irmandade de troca de opiniões. E depois exprimimos os nossos pontos de vista também escudados por aquilo que foi essa vivência comum, mesmo que não nos encontremos em almoços ou jantares ou reuniões.

7. Contrariamente ao que se diz por ai, a Maçonaria no século 19 não foi perseguida e eram maçons que estavam na estrutura de poder porque representavam a elite de então. Quase todos os primeiros-ministros de Portugal no século 19 ou 20 eram maçons de várias obediências ou passaram por elas. Os maiores escritores e investigadores de Portugal eram maçons de várias obediências ou passaram por elas. Os próprios reis de Portugal eram maçons ou estiveram em organizações iniciáticas. Importa também registar um aspecto: no século 19, havia poucas centenas de maçons, mas não eram todos da mesma obediência. Por exemplo, o Duque de Saldanha era de uma, Passos Manuel de outra, Costa Cabral de outra (no meu livro A Maçonaria Portuguesa em Torres Vedras desde os os inicios do século 19 até 1910 esse assunto está bem discriminado e explicado). Aliás, eu tenho em preparação um livro (ainda muito atrasado) que mostra que em Portugal desde a sua fundação foram sempre organizações iniciaticas que asseguraram o poder, o governo e a gestão do território. E ainda bem...

8. Em minha opinião, o problema só existe quando passamos a ter Obediências maçónicas que servem os interesses de outras obediências maçónicas estrangeiras e não os interesses de Portugal. Por exemplo, nos inicios e meados do século 19, é obvio que houve maçons portugueses que estiveram ao serviço dos interesses da França e outros ao serviço dos interesses da Inglaterra. E empurrraram as obediências a que pertenciam nessas direcções por vezes afectando seriamente o interesse nacional. E nestes casos, eles até se perseguiram uns aos aoutros, apesar de todos dizerem defender os mesmos valores e príncipios da Maçonaria e serem todos maçons, embora de diferentes obediências.

9. Para concluir: compreendo o seu ponto de vista e a sua preocupação e até concordo com os seus receios. O que descreveu e o que o apoquenta nunca deveria acontecer em qualquer Obediência maçónica (e julgo que não acontece...). Tendo presente o que enunciei, neste e-mail e no anterior, também entendo que não se deve perseguir a Maçonaria ou os maçons, ou a Igreja e os padres, como se não deve perseguir ninguém pela forma como pensa ou como está integrado num grupo de pessoas ou amigos. E, por isso, continuarei sempre a defender a Democracia baseada na Liberdade Individual e na Liberdade de todos os seres humanos, independentemente da forma como pensam ou como vivem nas suas variadas vertentes do dia a dia.

10. Por isso, entendo que a questão colocada pela deputada na 6ª feira é inadmissível porque é uma intromissão no círculo de privacidade de uma pessoa que está a ser avaliada no âmbito de um lugar ou posto na função pública portuguesa.


Melhores cumprimentos

Jorge Paulino Pereira

domingo, dezembro 21, 2014

Já somos a Grécia!


A tentação grega não desiste

El primer ministro griego, Andonis Samaras, ha lanzado este domingo una oferta a la oposición para participar en un Gobierno "proeuropeo" a cambio de facilitar la elección como candidato a la presidencia de la República del conservador Stavros Dimas. El diario . es

Esta óbvia gralha iconográfica dá bem a medida da ignorância de alguma imprensa digital. Mas a verdade é que 2015 se apresenta com céu muito nebuloso, e o espetro da Grécia paira, não só sobre Portugal, mas sobre toda a Europa!

2015: o ano novo chinês!

A China (20/12/2014) teste de lançamento um ICBM com múltiplas cabeças nucleares

Em 2015 a China será o banco do mundo, e já tem força militar para tal


China Tests ICBM With Multiple Warheads
Clinton-era tech transfer aided multi-warhead program

BY: Bill Gertz   
The Washington Free Beacon, December 18, 2014 5:00 am

China carried out a long-range missile flight test on Saturday using multiple, independently targetable reentry vehicles, or MIRVs, according to U.S. defense officials.

The flight test Saturday of a new DF-41 missile, China’s longest-range intercontinental ballistic missile, marks the first test of multiple warhead capabilities for China, officials told the Washington Free Beacon.

sábado, dezembro 20, 2014

2015: os dois erros fatais de Mário Soares e o fim deste regime

Soares diz que o Governo está "moribundo" e "vai cair" (outubro, 2013)
© Daniel Rocha/Arquivo

José Sócrates e Jorge Coelho foram os testas de ferro de Mário Soares, e perderam. Nem Ricardo Salgado os salvou. Muito pelo contrário!


Soares começou por avaliar mal a China e Angola, crendo que a Europa e os amigos do seu amigo Frank Carlucci, que cairiam parcialmente em desgraça depois do 11 de Setembro, nomeadamente em Portugal, lhe manteriam as costas quentes para dizer o que quisesse, de modo cada vez mais incontinente, e para mover as suas tropas à vontade no território manifestamene exíguo do país que sobrara da implosão do nosso exangue império colonial.

Soares não estudou e por isso não conseguiu ver o óbvio: que a China precisaria de África e da América do Sul para a sua própria sobrevivência estratégica e crescimento sustentado. Não percebeu que a projeção global da China em direção ao Atlântico se faria naturalmente através de uma ligação entre Pequim (com Xangai e Macau) e Maputo, Luanda, Lisboa e Brasília (além de Buenos Aires e Caracas). Não leu os meus posts, onde escrevi, entre outras coisas, que a China estabelecera o ano de 2015 para se tornar o banco do mundo (incluindo o banco da América, da Rússia e da Europa), e assim passar a ser, de facto, a nova e única potência global em condições de desafiar a supremacia do império americano.

Observação: nesta nova divisão do mundo é preciso lançar a iniciativa de uma espécie de novo Tratado de Tordesilhas (a que chamei Tordesilhas 2.0), sob pena de, se algo de semelhante não for conseguido, Ocidente e Oriente cairem outra vez numa dinâmica de confrontação extremamente perigosa. Um alinhamento acéfalo e cobarde da Europa com os Estados Unidos só poderá dar péssimos resultados, como estamos neste momento a ver e perceber, finalmente.

A desastrosa política da NATO, comandada desde Washington, acossando e provocando as fronteiras da Rússia, mergulhou a Europa numa gravíssima crise de liderança.

Esperemos que Angela Merkel, que conhece bem os russos, tenha a sabedoria de reencaminhar a União Europeia para uma cooperação estratégica com Moscovo, em nome de uma Eurásia livre da prepotência americana. A Rússia precisa da ligação ferroviária entre Lisboa e Vladivostoque para se proteger da excessiva importância da ligação ferroviária Pequim-Madrid—que só não chega ainda a Lisboa porque o lóbi pirata do aeroporto da Ota em Alcochete conseguiu, até agora, condicionar a ação de Passos Coelho (1).

Por todos os motivos, neste particular aspeto da movimentação tectónica em curso, Portugal só tem uma opção estratégica que valha o nome: manter-se fiel à sua geografia, fiel às suas velhas alianças, mas também fiel à memória histórica, à sua memória histórica!

Ser um pequeno mas confiável parceiro do Ocidente e do Oriente onde estivemos ao longo dos últimos 600 anos—de facto até ao início deste século, pois Timor só obteve a sua independência efetiva em 2002— é uma missão histórica e a nossa principal estratégia para todo o século 21. Quem não percebeu ou não quer perceber esta subtileza histórica não tem lugar no futuro e deve, desde já, deixar de atrapalhar o presente.

Em Macau, para onde Mário Soares enviou uma tropa fandanga de aventureiros, ficou uma mancha terrível de corrupção grosseira e insaciável. Em Angola, Soares não só apoiou o cavalo errado, como teve mau perder e, desde então, foi sempre fustigando José Eduardo dos Santos, movendo sempre que quis a indigente imprensa local para denunciar a cleptocracia de Luanda.

José Sócrates bem tentou agarrar a areia com as mãos, quer dizer, bem tentou entrar no novo filão estratégico a que os país está destinado, viajando para Luanda, Maputo, Macau, Pequim, Caracas, Brasília. Até enviou o BES para Angola e para a China, onde mal estava presente. Até destacou a Mota-Engil para Angola, Moçambique, Brasil e alguns países mais da América Latina. Mas houve algo que falhou. O que foi? Só encontro uma explicação: a perceção de que Sócrates, Jorge Coelho e o resto da tríade de Macau era afinal a malta fixe do velho Mário Soares e do seu ajudante de campo, António Almeida Santos!

Que há de errado nesta configuração? Talvez isto: o aliado africano de Mário Soares foi Jonas Savimbi, e o aliado chinês chamou-se Stanley Ho — um milionário que perdeu 89% da sua fortuna em 2008 e cujos numerosos descendentes andam envolvidas em disputas de herança.

Como Mário Soares nunca fez as necessárias agulhas para os verdadeiros poderes da China e de Angola, e em Moçambique se manteve neutro, dificilmente se poderia esperar que o futuro das estratégias de Pequim e de Luanda passasse por velhos inimigos, ou por gente que se portou tão mal em Macau e nunca verdadeiramente olhou para Pequim com a atenção devida.

Na linhagem descendente e alinhada de Mário Soares, ninguém tentou mudar de direção exceto, em boa verdade, José Sócrates. Acontece, porém, que a mudança de direção teve mais de deriva oportunista do que estratégia. Basta ver a sanha moralista da deputada Ana Gomes, ou do filho de Mário Soares, João Soares, contra a cleptocracia angolana e a ditadura chinesa, para que fique claro que o Partido Socialista e os seus governos não são aliados confiáveis da China, nem muito menos de Angola.

Entretanto, José Sócrates e a sua turma de corruptos e irresponsáveis levaram o país à pré-bancarrota, deixando a maioria dos bancos portugueses na ruína, entregues a uma fuga criminosa de capitais e à ocultação de passivos mais ou menos clandestinos. Sem dinheiro, os banqueiros despediram Sócrates e o governo. O PS viria a perder compreensivelmente as eleições a favor de uma nova geração do PSD, capitaneada por Pedro Passos Coelho.

À medida que foi preciso corrigir o país, os casos de corrupção começaram a saltar.

Por outro lado, a estratégia diplomática portuguesa acertou o passo com a racionalidade e o pragmatismo, obtendo um significativo apoio por parte da China e de Angola. Foi isto que enfureceu Mário Soares e a corja corrupta do PS, mas também muita gentinha igualmente corrupta do PSD e do CDS/PP.

O timoneiro Soares chegou então à conclusão de que era preciso derrubar o governo de Passos Coelho fosse como fosse. António José Seguro não alinhava? Despediu-se o Tozé! A pressão sobre Cavaco Silva foi enorme, e veio dos dois lados: do PS de Soares e do PSD de Durão Barroso. Passos Coelho, porém, resistiu melhor do que se esperava.

Nem o golpismo impotente e de última hora de Mário Soares, atraindo toda a esquerda partidária neocorporativa e indigente para a rua, com as tropas de choque sindicais assediando continuamente ministros e comunicação social, empurrando os trabalhadores para greves que são becos sem saída (Professores, Metro, CP, Carris e TAP são bons exemplos da criminalidade sindical à solta), nada disrto derrubou a coligação, nem chegará para salvar o PS de uma mais que provável extinção partidária.

O carreirista limitado que é António Costa foi obviamente empurrado para o papel que hoje, sem jeito algum, e apesar da babada e desmiolada imprensa indigente que o apoia, desempenha: o de testa de ferro de segunda ordem de Mário Soares.

Esperemos que a Justiça que entretanto se libertou do disléxico Monteiro e de toda a canga de invertebrados judiciários que serviram a casta que nos arruinou, faça o seu trabalho depressa e bem, destapando um a um os potes da riqueza sequestrada aos portugueses, e recupere, se não todo o saque, pois parte dele foi delapidado em obras inúteis, contratos ilegítimos que terão que ser denunciados e corrigidos, e muita festa regada com Champagne, pelo menos nos ajude a restaurar, como povo, a honra perdida.

NOTAS
  1. O governo português, nesta particular mas importante matéria, só tem que fazer uma coisa: cumprir os acordos com Espanha e fazer a sua parte na construção da nova rede ferroviária europeia em bitola europeia. Para isto tem dinheiro europeu. Para as parvoíces que enfiaram no GTIEVA não tem, nem terá.

sexta-feira, dezembro 19, 2014

Esqueçam o crescimento em 2015!

Foto: Reuters

Petróleo barato e dólares caros: uma combinação explosiva para 2015


Segundo o BoA, a suspensão do QE em dólares será compensada apenas em 30% pela soma dos estímulos previstos no Japão e UE. Consequência: um maremoto financeiro global com epicentro nos países emergentes: Rússia, Turquia, Brasil, Indonésia, Angola, Letónia, Peru, etc...

A subida sustentada do dólar arrastará perdas de rendimento gigantescas nas moedas locais em que muita da dívida dos países emergentes foi negociada. Exemplo: investimentos de fundos de pensões americanos e europeus nos países emergentes, em busca de taxas acima dos 1%! Exemplo: empréstimos bancários em dólares a empresas angolanas de construção que vendem os imóveis e os serviços associados em kwanzas.

A fuga dos atoleiros financeiros em que os países emergentes, que representam já 50% da economia mundial, se poderão transformar a curto prazo já começou, mas o impacto só será sentido, e de que maneira, a partir de 2015.

O regresso dos euros vai encontrar um continente a nadar em EQE, a próxima moeda virtual da UE. Taxas de juro: menos de zero!

Haverá, por causa deste cenário mais do que provável, uma procura em massa da moeda americana que, depois de ter suspendido o QE, se afastará progressivamente do ZIRP (Zero Interest Rate Policy)?

Irá o dólar valorizar e ultrapassar em breve o euro?

Crescimento? Quem falou de crescimento? Só se foi o Costa das Caravelas.

UM SANTO NATAL, mas com os cintos de segurança bem apertados!


fx-rate

Fed calls time on $5.7 trillion of emerging market dollar debt

World finance is rotating on its axis. The stronger the US boom, the worse it will be for those countries on the wrong side of the dollar

The US Federal Reserve has pulled the trigger. Emerging markets must now brace for their ordeal by fire.

They have collectively borrowed $5.7 trillion in US dollars, a currency they cannot print and do not control. This hard-currency debt has tripled in a decade, split between $3.1 trillion in bank loans and $2.6 trillion in bonds. It is comparable in scale and ratio-terms to any of the biggest cross-border lending sprees of the past two centuries.

Much of the debt was taken out at real interest rates of 1pc on the implicit assumption that the Fed would continue to flood the world with liquidity for years to come. The borrowers are "short dollars", in trading parlance. They now face the margin call from Hell as the global monetary hegemon pivots.

By Ambrose Evans-Pritchard
The Telegraph, 9:27PM GMT 17 Dec 2014

O petróleo virtual da Galp

Dois anos e o petróleo a caminho dos 30 dólares poderá ser demais...


Gráfico das cotações da Galp desde dez 2008
Gráfico: Jornal de Negócios

Galp e Eni vão explorar petróleo na costa alentejana (act.)
18 Dezembro 2014, 17:30 por Wilson Ledo - Jornal de Negócios

A Galp Energia assinou um acordo com a multinacional italiana Eni para a exploração de petróleo na região de fronteira portuguesa. A parceria abrange três áreas de concessão, com cerca de 9.100 quilómetros quadrados.

"O programa exploratório compreende a perfuração de um poço de exploração durante o próximo período exploratório", concretiza a informação enviada esta quinta-feira, 18 de Dezembro, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Eni "passará a deter uma participação de 70%, tornando-se operadora e promotora, sendo que a Galp Energia mantém uma participação de 30%", informou a petrolífera portuguesa.

Esta notícia, ao preço que está o crude, e com operações a borregar em todo o mundo, só pode servir para lançar água salgada aos olhos da opinião pública e de algum 'investidor' tapadinho de todo.

A Galp Energia não tarda a entrar no mercado de saldos. Estará a Eni a posicionar-se para este saldo, mostrando uma pinça marota atrás deste banquete virtual de mariscos, com Lavagantes, Santolas e Lagostas?

Lembram-se quando a Galp inundou a imprensa indígena com notícias sobre o pré-sal da Baía de Santos? Cadé o famoso petróleo brasileiro então anunciado para inchar as cotações? Cadé a rentabilidade de quem entrou no jogo em 2009-2011 e não saiu a tempo?

Bastou-me olhar ontem para a cara de coelho do Oliveira da Figueira para perceber que não passava dum bluff de péssima qualidade.

Cotações da Petrobras desde 2009
Gráfico: Nasdaq

Sócrates: o ativo tóxico do PS

© Photobucket


Vá para a prisão sem passar pela Casa de Partida!


As últimas horas de Sócrates em liberdade

Sócrates partiu para Paris na manhã de quarta-feira, dia 19 de Novembro. Tudo indica que, nessa altura, já soubesse que a sua detenção estava iminente.

À chegada a Lisboa, Sócrates foi preso. Mas antes de embarcar avisou um jornalista no qual depositava confiança - talvez para rodear a sua prisão de grande escândalo.

José António Saraiva, 18/12/2014 13:41:52
Sol

Verosímil. Só não se percebe porque motivo José Sócrates não decidiu partir imediatamente para Fortaleza, ou qualquer outra cidade brasileira, em vez de ir diretamente para a Prisão… sem passar pela Casa de Partida. Será que não acreditou que pudesse ser preso? 'Eles não têm coragem....' terá dito a alguém.

Se tivesse fugido para o Brasil, a pretexto de uma missão para a Octapharma, sabendo que havia uma ordem de detenção, Sócrates teria alimentado ainda mais as suspeitas de corrupção que há muito pendem contra ele.

Por outro lado, tendo sido detidos os seus putativos testas de ferro, José Sócrates ficaria sem acesso ao dinheiro de que tanto precisa diariamente, e sem qualquer capacidade de manobra. Na prisão de Évora ainda poderia tentar dar uma entrevista ao Expresso e, quem sabe, levar a desavergonhada RTP a dormir com ele na mesma cela! Com o diácono Seguro fora de combate, e as massagens, perdão as sondagens, desenhadas para favorecer o Costa, quem sabe...

À medida que as semanas passam este ativo tóxico do PS vai queimando em lume brando o seu próprio sargento-ajudante de outrora, feito entretanto capacho à medida dos poderes fáticos do PS (Mário Soares, Almeida Santos e Jorge Coelho), com a missão, com sucesso cada vez menos provável, de derrubar o atual governo de qualquer maneira e recolocar a tríade de Macau no poder.

António Costa, aos serviço da estratégia de Sócrates, Soares, Almeida Santos e Jorge Coelho, foi empurrado para espetar facas e finalmente assassinar politicamente António José Seguro. Conseguiu-o, mas a que preço? Eu creio que ao preço do seu próprio suicídio político. A criatura Costa é um carreirista medíocre, bom para oficial às ordens, mas incapaz de dirigir seja o que for.

Lisboa é uma cidade sobre endividada e mal gerida pelos boys e girls que o ignorante e desajeitado ex-governante de Guterres e de Sócrates foi arregimentando. A capital do país esteve desgraçadamente escorada numa promiscuidade desmiolada com o Espírito Santo, e mete água sempre que chove, como se não tivessem sido gastos centenas e centenas de milhões de euros nos subterrâneos da Baixa.

António Costa, desde que tomou de assalto o poder no Partido Socialista, a mando da tríade de Macau e com uma unanimidade eleitoral coreana que diz tudo sobre o esgotado sistema partidário que temos, ora dá beijos na boca do Livre, ora sorri envergonhado ao Bloco Central. Pelo meio diz alarvidades sobre caravelas e aviões.

O tempo não corre a favor da velha guarda que arruinou Portugal. 

Sócrates e Jorge Coelho, inspirados por Almeida Santos e Soares, quiseram dar cartas num jogo que há muito os ultrapassa: a estratégia chinesa para África, América do Sul e flanco sul da Europa.

Este jogo de placas tectónicas entre a China e os Estados Unidos da América, que conta ainda com uma grande projeção chinesa em direção à Eurásia, nomeadamente através de Moscovo e Berlim, inclui naturalmente pilares fortes em Moçambique, Angola, Brasil, Argentina, Venezuela e Portugal.

O erro dos 'socialistas' foi terem ficado prisioneiros dos pequenos jogos de Macau dos herdeiros de Stanley Ho, e do gorado estratagema de vender os terrenos do aeroporto da Portela a estes amigos do PS, onde seria então erguida a famosa e luxuosa Alta de Lisboa, para com o resultado de semelhante embuste financiar um novo aeroporto de raíz — nas palavras do adiantado mental Mateus, uma nova 'cidade aeroportuária' em Alcochete. E uma TTT Chelas-Bareiro, com a fanfarra do PCP atrás, pois claro! A avença do BES à Festa do Avante! iria certamente aumentar.

O prémio para o novo poder cor-de-rosa em ascensão, que entretanto foi tomando de assalto a Caixa Geral de Depósitos e o BCP, seria o famoso novo aeroporto da Ota, que ainda durante o governo de Sócrates passaria para Alcochete. O principal banqueiro disto tudo era o BES (e o seu aliado Crédit Suisse), e a principal construtora disto tudo seria a indecorosa Mota-Engil. Como é hoje público e notório, todos estes alicercers da dinastia soarista estão a ruir.

Portugal tem todo o interesse estratégico em acolher as ligações da China ao mundo, que passam nomeadamente por África (corredor Nacala-Lobito), pela América do Sul e pelo nosso país (ver o mapa que há muito desenhámos do cada vez mais próximo Tordesilhas 2.0).

Internamente, percebe-se que este naco de oportunidades que é gigantesco e poderia transformar Portugal num país respeitado e próspero (hoje não é uma coisa nem outra, cortesia dos piratas que assaltaram o país) seja disputado por quem tiver unhas para o agarrar.

Mas sabendo o que sei hoje parece-me evidente que os piratas da tríade de Macau apostaram num cavalo velho e desdentado, e que quando quiseram emendar a mão já era tarde. Começaram então a fazer asneiras umas em cima das outras, a ponto de terem quase estragado o brinquedo. As quedas vergonhosas e escancaradas de José Sócrates e do banqueiro Ricardo Slagado são o epílogo de uma guerra para a qual o senhor Mário Soares teve mais olhos que barriga.

É por estas e por outras que temos que varrer do mapa do poder em Portugal a Brigada do Reumático do Bloco Central da Corrupção que nos levou à quase bancarrota. Quem ainda não entendeu isto, ou é burro que nem uma porta, ou um avençado da casta caída em desgraça.

António Costa é pois uma mula política em que não se deve apostar um euro. Na realidade, já é uma carta fora do baralho.

PS: o olhar vesgo da deputada Ana Gomes em direção ao negócio dos submarinos tem tudo que ver com esta guerra perdida do PS.

quinta-feira, dezembro 18, 2014

A bolha de xisto já rebentou!

A ilusão petrolífera americana foi mais uma bolha especulativa


A voz corrente confundiu, uma vez mais, o desejo com a realidade.

O desejo é que haja abundância eterna de petróleo fino na crosta terrestre. A realidade é que o petróleo só poderia continuar a servir a era de crescimento rápido que a Humanidade conheceu nos últimos duzentos anos se os custos da produção deste, bem como a produção do carvão e do petróleo de carvão, do GTL e de outras fontes móveis e imóveis (eólicas, paineis solares e barragens, por exemplo) de energia não tornar as operações comercialmente impossíveis, o que já está a ocorrer por toda a parte. Não se pode gastar mais na produção de um bem do que o preço máximo pelo qual o poderemos vender!

The Fracturing Energy Bubble Is the New Housing Crash
Submitted by Tyler Durden on 12/17/2014 18:10 -0500
Zero Hedge
The graph below which shows that every net job created in the US during the last seven years is attributable to the shale states will be one of the first to morph into a less happy shape.




But there is something else even more significant. The global oil price collapse now unfolding is not putting a single dime into the pockets of American households - the CNBC talking heads to the contrary notwithstanding.  What is happening is the vast flood of mispriced debt and capital, which flowed into the energy sector owning to the Fed’s lunatic ZIRP and QE policies, is now rapidly deflating.

That will reduce bubble spending and investment, not add to economic growth. It’s the housing bust all over again.
"It's A Huge Crisis" - The UK Oil Industry Is "Close To Collapse"
Submitted by Tyler Durden on 12/18/2014 23:21 -0500
Zero Hedge
"Almost no new projects in the North Sea are profitable with oil below $60 a barrel, he claims. 'Everyone is retreating'"

Comstock Suspends Drilling In Eagle Ford Due To Plunging Oil Prices
Submitted by Tyler Durden on 12/18/2014 16:26 -0500
Zero Hedge

Shale 0 - Saudi Arabia 1

Following one after another major and shale company announcing plans to trim capex (even as they miraculously still get to keep their revenue and EPS projections intact, for now), the latest victory handed to Saudi Arabia on a silver platter comes courtesy of Comstock Resources (Total Debt/EBITDA 2.4x, EBITDA $421MM, CapEx $674MM) Comstock Resources said earlier today that in response to low oil prices, plans to suspend oil directed drilling activity in its Eagle Ford shale properties and in Tuscaloosa Marine shale.

It was not immediately clear how many high-paying oilfield jobs would be promptly terminated as a result of this unambiguously good development.


Calculating The Breakeven Price For The Median Bakken Shale Well

Submitted by Tyler Durden on 12/19/2014 14:26 -0500
Zero Hedge

Authored by CEO of the SOFA,

A lot of data has been thrown around recently concerning the Bakken shale wells of North Dakota in an attempt to figure out the necessary oil price required to break even on the investment.  In order to get a clearer picture of the financial situation in Bakken, it is necessary to develop a financial model of the median Bakken well (attached). 

With a discount rate of 15%, the median well has a profitability index of 1.02 (after federal income tax) if $66 per barrel is used.   (A profitability index of 1.0 indicates a break even situation at the discount rate that was used in the model).  This means that at $66 per barrel, half the wells are uneconomic.  If oil prices settle out at this price it can be expected that the number of wells drilled should be reduced by about half.

If the current oil price of $55 per barrel is used, the initial production rate has to be increased to 800 BPD in order to break even.  According to the J.D. Hughes data, 25% of the wells have an initial production rate of 1000 BPD or more.  Accordingly, if oil prices settle out at the current price, the number of wells drilled will be about a quarter of the present number.


Oil Crash Exposes New Risks for U.S. Shale Drillers
By Asjylyn Loder Dec 19, 2014 8:19 PM GMT+0000
Bloomberg

Shares of oil companies are also dropping, with a 49 percent decline in the 76-member Bloomberg Intelligence North America E&P Valuation Peers index from this year’s peak in June. The drilling had been driven by high oil prices and low-cost financing. Companies spent $1.30 for every dollar earned selling oil and gas in the third quarter, according to data compiled by Bloomberg on 56 of the U.S.-listed companies in the E&P index.

Financing costs are now rising as prices sink. The average borrowing cost for energy companies in the U.S. high-yield debt market has almost doubled to 10.43 percent from an all-time low of 5.68 percent in June, Bank of America Merrill Lynch data show.

Atualização: 19 dez 2014 23:45 WET

Uma Eurásia sem americanos

Putin e Xi Jinpping: uma aliança defensiva contra o hegemonismo americano


As placas tectónicas da Globalização separam-se a grande velocidade


China resgata a Rússia... e o resto da Europa. Quando esta descobrir que já não consegue livrar-se da armadilha em que caiu ao montar o bloqueio contra a Rússia, o general russo terá vencido mais um cerco frustrado a Moscovo!

China Prepares To Bailout Russia
Submitted by Tyler Durden on 12/17/2014 23:17 -0500
Zero Hedge

Earlier this evening China's State Administration of Foreign Exchange's (SAFE) Wang Yungui noted "the impact of the Russian Ruble depreciation was unclear yet", and, as Bloomberg reported, "SAFE is closely watching Ruble's depreciation and encouraging companies to hedge Ruble risks." His comments also echoed the ongoing FX reform agenda aimed at increasing Yuan flexibility which The South China Morning Post then hinted in a story entitled "Russia may seek China help to deal with crisis," which which noted that Russia could fall back on its 150 billion yuan ($24 billion) currency swap agreement with China if the ruble continues to plunge, that was signed in October. Furthermore, two bankers close to the PBOC reportedly said the swap-line was meant to reduce the role of the US dollar if China and Russia need to help each other overcome a liquidity squeeze.

A grande guerra financeira em curso é uma guerra em volta da hegemonia tóxica da moeda americana (cada vez mais virtual) no mundo.

A aliança entre a China ea Rússia é vital para ambos os países: a Rússia salva as suas finanças da dependência do dólar, e a China garante fornecimento de petróleo, gás natural e tecnologia militar durante 30-50 anos.

É claro que, a prazo, este estreitamento de relações na Eurásia pode e deve ser visto como uma pressão territorial da China sobre os confins desertificados da Rússia. Mais cedo ou mais tarde Moscovo terá que se virar para a Europa, a qual, por intermédio da Alemanha e da França, bem precisará de garantir os fornecimentos de gás natural e petróleo russos.

O petróleo do Médio Oriente é, cada vez mais, um jogo de roleta russa (passe o trocadilho) que não pode servir de única fonte de abastecimento da Europa Ocidental. As reservas do Mar do Norte estão a declinar rapidamente, e os EUA preparam-se para, finalmente, estabelecer uma nova relação diplomática com as Américas central e do sul, que viabilize um grande mercado energético, de recursos naturais e de produtos alimentares, industriais e serviços, independente do Mediterrâneo e de uma boa parte do Índico e do Pacífico. A Eurásia política será uma realidade até ao fim deste século.


Portugal terá que saber navegar nestes mares tempestuosos com a sabedoria de outrora.


A nossa posição geoestratégica e o nosso cosmopolitismo diplomático são e serão cada vez mais importantes. Nas linhas de junção/fratura das placas tectónicas norte-americana, euro-asiática e africana, e com relações tão estreitas ao longo dos últimos quinhentos anos em todos os continentes e mares, Portugal deberá manter todas as portas do diálogo global bem abertas. Deve posicionar-se como um dos honest brokers da imensa filigrana que medeia o embate tectónico em curso. Deve, por esta razão, atrair ao seu território capital e pessoas de todos os continentes, mantendo solidamente todas as suas alianças históricas, embora com uma cavilha bem à vista: não estamos disponíveis para fazer a guerra seja a quem for. Mas estasmos disponíveis para missões diplomáticas, de socorro e paz e de engenharia.


O rublo começou a recuperar depois da China ter iniciado o resgate da Rússia

How Vladimir Putin Upset NATO’s Strategy
by Thierry Meyssan
Voltaire Network

Russia is reacting to the economic war which NATO is waging against her in the way she would have reacted in a conventional war. She allowed herself to be hit by unilateral "sanctions" in order to better lead the opponent to a battleground of her own choosing. Simultaneously, she has signed agreements with China to safeguard her future and with Turkey to disrupt NATO. As long ago, against France or Germany, her initial defeat could be the guarantee of her victory in the end.

Precisamos de outra democracia

Porque não criar um movimento disposto a salvar a democracia?

Temos que destituir este regime!


Ao contrário da Grécia, França, Itália ou Espanha, Portugal não gerou ainda qualquer alternativa ou esperança de resposta ao colapso em curso da classe média — nem de extrema-direita, nem de esquerda radical, nem de centro pragmático. As tentativas tíbias nascidas até agora (PDR, Nós Cidadãos e Livre) são promessas centristas mais predispostas a fazerem de muletas do PSD-CDS, ou do PS, do que a proporem uma realidade nova aos portugueses. O PCP —mendigo encapotado do BES e sabe-se lá mais de que outros representantes do grande capital (quem diria!)— está a resvalar perigosamente para a ilegalidade estalinista. Talvez seja o momento de lhe mostrar as tábuas da lei.

Em suma, precisamos de uma alternativa e de liderança nesta curva apertada do país.

El problema de la clase media: por qué nadie planta cara a Podemos
Esteban Hernández. El Confidencial—Blogs de Tribuna, 16-12-2014

El sistema tiende a la implosión. Llega un cambio de época, que reconfigurará el mapa político y acabará con el bipartidismo. La conclusión expuesta por José Antonio Zarzalejos el pasado fin de semana, que debería ser evidente para cualquier observador político con un mínimo de sentido común, está sorprendentemente ausente de los análisis de los partidos principales, e incluso del de algunos emergentes, como es el caso de Ciudadanos, que tampoco han reparado suficientemente en el momento crucial que estamos viviendo. 

Este artigo de Esteban Hernández faz um bom resumo do que se passa e não tem solução, a menos que seja uma solução radical, ou, pelo contrário, a implosão seguida de extinção... das classes médias em toda a Europa do sul e sudoeste, da qual poderia resultar uma espécie de nova Idade Média, tecno-fascista, com uma elite de 0,1% de capitalistas, burocratas, sindicalistas e políticos corruptos a reprimir uma demografia com mais de 100 milhões de pessoas.

Em Portugal, uma vez esgotado mais um casamento incestuoso entre 'esquerda' e direita', abençoada pelo coscuvilheiro de Belém, e com a extrema esquerda na posição tradicional de acólitos mal criados do poder, ou teremos já encontrado uma referência política que nada tenha que ver com a corja rendeira e devorista instalada, ou a perspetiva de uma pré-guerra civil poderá surgir no horizonte.

O melhor mesmo é criar um movimento da classe média —a que ainda não faliu, a falida e a que caminha para da falência— com uma só bandeira de ação: defender as classes médias da extinção anunciada!

Para tal será necessário redefinir o contrato social, será necessário mudar a ecologia democrática, será necessário fazer uma revolução institucional, será necessário, para não perdermos mais tempo com quem já não tem emenda possível, rejeitar o regime corrupto que levou Portugal até à bancarrota financeira, ética e social.

Temos um ano para colocar na agenda das prioridades políticas de 99% dos portugueses este plano de sobrevivência da economia, da democracia e da liberdade.

quarta-feira, dezembro 17, 2014

PCP, mais um DDT destinado a falir

O PCP é tão responsável pela falência do país quanto o PS e o Bloco Central


PCP afirma que se governo abandonar privatização "não há greve” na TAP


O parlamentar comunista lembrou que "comer e calar nunca foi boa solução"

O deputado do PCP Bruno Dias defendeu hoje que se o Governo abandonar o projecto de privatização da TAP "não há greve" na empresa, deplorando as "pressões, chantagens e provocações aos trabalhadores".

"Já chega de pressões, chantagens e provocações aos trabalhadores e aquilo que é preciso fazer, se o Governo não quer que haja greves, é ouvir os trabalhadores, mas ouvir e agir de forma responsável, travar a privatização. Se não há privatização, não há greve, é isto que está em cima da mesa", afirmou, no Parlamento.

Jornal i, 16 Dez 2014 - 17:56

Esta declaração do PCP prova bem a ideia que estes estalinistas de papelão têm da democracia!

Infelizmente só privatizando se poderá recuperar as empresas públicas que o PCP ajudou a destruir alegremente com esta mania de que é proprietária dos trabalhadores portugueses, mandando fazer greves como quem come perdizes na Assembleia da República, prejudicando com pontualidade e várias vezes ao ano milhões de utentes dos transportes públicos que os deputados do PCP, como o resto da corja partidária, não precisa de usar e não usa.


terça-feira, dezembro 16, 2014

TAP — Era uma vez...



Mas não foi Mário Soares que quis entregar Macau aos chineses antes de tempo?


Na fúria de vender o país a qualquer preço, o governo resolveu vender também a TAP, que é um dos grandes símbolos nacionais. Fá-lo porque só tem por objetivo obter receitas a qualquer preço. É o único critério que o move.

Contudo, a TAP é um instrumento fundamental de afirmação da nossa política interna e de todos os países lusófonos.

Este governo não tem nenhuma cultura lusófona e não entende, de todo, a importância que têm para Portugal os países independentes que falam a nossa língua. Neste mundo global, onde somos a quinta língua mais falada do mundo, perder o controlo deste instrumento de soberania que é a TAP é de extrema gravidade.

Mário Soares. "Uma greve patriótica". DN 16 dez 2014.

Não são as principais companhias aéreas do mundo, nomeadamente as americanas, privadas? Não é a Lufthansa privada? Não está a Iberia ligada à British Airways e à Vueling, e a Air France associada à KLM e à Alitalia, etc., etc.?

Não foi o gaúcho Fernando Pinto contratado, no ano 2000, pelos ministros Jorge Coelho e Pina Moura, para privatizar a TAP?

Não foi a TAP avisada ao longo dos últimos oito anos, nomeadamente por mim, sobre a necessidade urgente de uma reestruturação que a tornasse competitiva face ao novo panorama da aviação comercial pós-11S, e nomeadamente face ao ascenso inexorável das companhias de voos ponto a ponto Low Cost? Não foi escrito tantas vezes que a TAP precisava de parceiros e de uma privatização que preservasse uma presença mínima de capital português e até de capital público na futura empresa, mas que as coisas tinham que ser feitas, e que os adiamentos só tornariam as coisas bem mais difíceis?

Em que quimera vive este senhor Mário Soares?

É bom registar mais esta sua declaração do Além, para memória futura. O socratino e desajeitado Costa, apesar de ser transportado no andor da imbecilidade indígena, já deve ter as orelhas a arder!

Nota bene: Passos Coelho, através do seu secretário Sérgio Monteiro (o homem das PPP), chegou a declarar em Setembro passado que a privatização da TAP só seria efectuada depois das eleições. A ideia era transferir, como sempre os governantes que fomos tendo e temos adoram fazer, o problema para quem viesse depois. Mas entretanto ocorreu algo inesperado para alguns: o BES faliu, a Parpública foi proibida de injetar mais dinheiro dos contribuintes na TAP, e o eterno saco azul da Caixa Geral de Depósitos (que um dia será investigado) está sob forte vigilância e também não pode 'ajudar'. Numa palavra: a TAP está falida e insolvente. Desatou a vender aviões, e em breve não terá dinheiro para pagar aos seus trabalhadores, nem aos seus fornecedores, arriscando-se a ver aviões retidos num qualquer aeroporto do planeta, por falta de cash. A jogada de forçar o recém empossado presidente da Comissão Europeia, Claude Juncker, a safar os amigos portugueses não terá sucesso. O pobre deve andar bem mais preocupado em safar a sua própria pele!

Já repararm que uma greve geral na TAP durante quatro dias representa uma apreciável poupança de tesouraria — no preciso momento em que os cofres estão vazios? É que os voos Low Cost da TAP, com a estrutura de custos que a empresa tem, não pode deixar de ser uma farsa e um caso de provável sub-faturação...

POST SCRIPTUM

Republicamos a este propósito um artigo de Rui Rodrigues saído no Público em 2012

IBERIA RENDE-SE PERANTE AS LOW COST E ALTA VELOCIDADE
Público, 26 de Novembro de 2012
por Rui Rodrigues

Em Novembro de 2012, a Administração da Companhia Aérea espanhola, a Iberia, anunciou um rigoroso plano de reestruturação que vai obrigar ao despedimento de 4500 funcionários (23%), num total de 20 mil trabalhadores. Em cada três pilotos, um vai ser dispensado.

Os salários dos trabalhadores que continuam na empresa terão fortes quebras (25 a 35%), sendo congelados até 2016 e, no caso dos pilotos, os seus vencimentos terão uma redução de quase 50%. A empresa anunciou que vai encerrar as rotas que dão prejuízo e vai diminuir, no próximo ano, o número de voos em 15%, prescindindo de 25 aviões.

A data limite para terminar acordos com os Sindicatos é o dia 31 de Janeiro de 2013, pois a empresa está a ter perdas diárias de 1,7 milhões de euros, o que é uma situação insustentável.

Neste contexto, as rotas nacionais e europeias serão fortemente reduzidas ou abandonadas. Recentemente, parte deste serviço já tinha sido transferido para a sua filial Iberia Express.

O grupo IAG, a que pertence a Iberia associada à British Airways, está interessado em efetuar uma OPA a 100% à Vueling, companhia aérea de baixo custo. Será esta empresa que deverá explorar parte das rotas abandonadas. A opção de transferir uma quota do mercado das companhias tradicionais para as de baixo custo não é inédita.

A Air France anunciou, este ano, uma reestruturação que prevê transferir voos para a Transavia, subsidiária Low cost. A Lufthansa vai fazer o mesmo com a Germanwings.

A estratégia futura da Iberia passará por apostar mais nos voos de longo curso e abandonar as ligações para as cidades espanholas, que já estão ligadas à nova rede ferroviária de bitola europeia. Nas 40 rotas nacionais só duas ainda são rentáveis. Uma delas, é a ponte aérea Madrid-Barcelona, cujo tráfego caiu para metade desde o início da existência do comboio de Alta Velocidade (AV).

Tendo em conta a soma de postos de trabalho diretos, mais os indiretos que vão ser afetados, será provavelmente um dos maiores despedimentos de sempre em Espanha.

Em 2013, as alterações no espaço aéreo espanhol terão assim profundas mudanças e devem-se a várias causas. As principais são:

1.    Forte concorrência das companhias aéreas de baixo custo, Low Cost. Estas, nos 10 primeiros meses de 2012, já representavam 58,7% dos passageiros internacionais do país vizinho, estando o seu mercado mais concentrado para os destinos das Ilhas Baleares e Canárias, bem como a Catalunha. Os principais mercados emissores são o Reino Unido e Alemanha com 36,1% e 19,7%, respectivamente.

2.    O comboio de Alta Velocidade na nova rede de bitola europeia está a retirar mercado ao avião, em território continental espanhol. Nesta rede ferroviária, mais de 23 milhões de passageiros já utilizam o comboio de AV anualmente. Nos próximos anos, este valor vai aumentar à medida que mais linhas entrarem em serviço.

3.    O aumento do preço do petróleo e das taxas aeroportuárias em Barajas (112% em 2 anos), que é a principal base da Iberia.

Iremos analisar os 3 pontos mencionados.

CONCORRÊNCIA DAS LOW COST

A melhor imagem que se pode dar do mercado aéreo espanhol e do êxito das Low Cost é observar os valores do tráfego dos 10 primeiros meses do ano. De Janeiro até Outubro de 2012, considerando o mercado de Espanha para U.E.-Schengen, as companhias que mais passageiros transportavam eram:

1º - Ryanair com 11,4 milhões,
2º - Air Berlin 7 milhões,
3º - Vueling 5,1 milhões
4º lugar a Iberia com 3,6 milhões
5º - Easyjet com 3 milhões.

As três primeiras e a 5ª são Low cost. Estas posições eram impensáveis, pois, há poucos anos, a Iberia era a primeira. Muitos até diziam que as companhias de baixo custo não passavam de uma “moda” e que, mais tarde ou mais cedo, iriam desaparecer do mercado.

A gestão destas companhias aéreas Low Cost tem por objetivo reduzir os custos em todos os setores. Os gastos desnecessários são eliminados, excepto na manutenção e segurança - só existe classe turística, não são servidas refeições durante as viagens, os serviços em terra são reduzidos ao mínimo, porque a venda de bilhetes é efectuada através da internet, ou reserva via telefone, evitando intermediários.

Estas empresas geralmente utilizam um aeroporto base com baixas taxas, de onde irradiam os voos para os diferentes destinos, unindo 2 pontos entre si (ligações ponto a ponto). As tripulações, 6 pessoas por avião, pernoitam sempre na sua própria casa e raramente utilizam os hotéis dos destinos. Se se considerarem os 365 dias do ano, este procedimento permite uma enorme poupança de recursos.

Os aviões adquiridos são novos, para tirar partido da eficiência no consumo de combustível e é utilizado um só modelo, geralmente o A320 da Airbus ou o Boeing 737-800, o que possibilita uma enorme diminuição nos custos de formação e manutenção. Esta estratégia de redução dos gastos permite converter os ganhos em tarifas mais baixas.

O modelo de negócio das Low cost é mais eficaz até aos 2300 Km, desde a base em que operam. Acima deste valor, a rentabilidade do negócio é menor.

NOVA REDE DE BITOLA EUROPEIA

Está a ser construída, em Espanha, uma nova rede ferroviária de bitola europeia que já transporta mais de 23 milhões de pessoas, ligando mais de 20 cidades entre si. Os novos corredores já terminados, desde Madrid até Sevilha, Málaga, Barcelona, Valência e Valladolid, levaram à migração de milhões de passageiros do avião e viatura particular para o comboio, que agora é o modo de transporte mais utilizado, nos respetivos corredores, o que permitiu uma forte poupança de energia, pois a nova ferrovia é de tração elétrica e não depende do petróleo.

TAXAS E PREÇO DO PETRÓLEO

Nos últimos anos a AENA, empresa espanhola equivalente à ANA-aeroportos, efectuou avultados investimentos nos aeroportos de Madrid, Barcelona e Málaga, que atingiram um valor superior a 13 mil milhões de euros. Quando foram feitos os respectivos projectos, o crescimento de tráfego anual atingia uma média de 8%. Este valor levaria a que o tráfego mais do que duplicasse ao fim de 10 anos. Como o mercado diminuiu, as verbas gastas não tiveram o retorno esperado. Esta situação, obrigou a empresa a subir as taxas aeroportuárias e, de 2011 para 2013, o aumento será de 112% em Madrid e em Barcelona de 108% (fonte - AENA).

Caso se considere os custos totais para as companhias aéreas, o preço do combustível já representa 33%, as taxas aeroportuárias 12% e as taxas de navegação 6%. Os restantes 49% são outros gastos, necessários para o funcionamento das empresas (manutenção, pessoal etc).

O forte aumento das taxas em Barajas, vai levar à saída da Easyjet que ali tinha criado uma base e à redução de voos por parte da Ryanair.

A AENA está a gerir 47 aeroportos e 20 deles têm menos de 500 mil passageiros, por ano. Muitos devem ter um encerramento parcial para reduzir os custos.

Desde que as Low cost iniciaram a sua atividade, em Portugal, o seu mercado já se aproxima dos 40% e com tendência para aumentar. A TAP, seja privatizada ou não, vai ter que ser reestruturada brevemente, pois, a empresa tem tido prejuízos divulgados pela Imprensa, para além do elevado passivo acumulado. A estratégia da TAP deveria também passar pelo mercado de longo curso.

TENDÊNCIAS PARA O FUTURO

O preço do petróleo vai ser determinante nas opções futuras do mercado dos vários modos de transporte. A rodovia já paga, em vários países da U.E., quase 60% de impostos sobre combustíveis. Se os mesmos valores forem aplicados à aviação, as Low Cost estarão melhor preparadas para tal situação do que as companhias aéreas tradicionais.

As Low Cost como só efetuam ligações “ponto a ponto” desfizeram a estratégia da Iberia, que utiliza o aeroporto de Madrid como Hub. A nova rede ferroviária agravou ainda mais esta situação por ter desviado milhões de passageiros para o comboio. No futuro, o mercado vai cada vez privilegiar as ligações “ponto a ponto” em detrimento dos aeroportos Hub.

As grandes alterações que estão a ocorrer no transporte de pessoas na Europa e em Espanha permitem concluir que, para distâncias até aos 750 Km, o mercado de passageiros opta pela ferrovia e, no intervalo 750-2300 Km, cada vez mais pelas Low cost.

A quimera petrolífera da América

Estimativa da Chevron sobre as necessidades de petróleo em 2030

São precisos 200 mil milhões de barris de petróleo novo até 2030


Os Estados Unidos não conseguem produzir mais de 7,5 milhões de barris de petróleo por dia, e parecem não conseguir consumir menos de 18 milhões de barris de petróleo (+GTL e bio-combustíveis)/dia. Ou seja, a sua dependência energética do exterior tornou-se um constrangimento estrutural, ao contrário do que as balelas mediáticas sobre a "nova Arábia Saudita" e a autonomia energética americana quiseram fazer crer aos mais distraídos.

Produção de petróleo nos EUA desde 1860 — eia

Se repararmos com atenção neste mapa da produção petrolífera nos EUA, desde 1860, veremos com clareza que o pico foi atingido na década de 1970, e que desde 2008 houve um esforço extraordinário de produção (shale oil e shale gas) para compensar o peso insustentável das importações... que as ventoinhas que a Goldman Sach impingiu aos camaradas Mexia e Sócrates não conseguem compensar!

Ao contrário do que poderá parecer, todos os grandes produtores mundiais de crude e gás natural —americanos do fracking, canadianos das areias betuminosas, venezuelanos dos betumes, russos da Sibéria e do Ártico, e árabes do Médio Oriente— terão que continuar a produzir. Não podem sequer reduzir a produção em volumes significativos, sob pena de criarem gigantescos problemas para si e no resto do mundo. Acontece, porém, que quando o preço do barril desce abaixo dos 80 USD, salvo a Arábia Saudita, todos os demais produtores são atingidos duramente nas margens comerciais disponíveis, muitos deles arriscando falências inexoráveis. É o que sucederá a muitas empresas americanas que hoje exploram o petróleo e o gás de xisto se a presente quebra do preço do barril de petróleo se prolongar por mais um ou dois anos.

Petróleo acentua perdas com queda superior a 2% nos Estados Unidos
Jornal de Negócios. 15 Dezembro 2014, 16:01 por Rita Faria

Depois de ter estado a subir mais de 1,5% esta segunda-feira, 15 de Dezembro, o petróleo voltou para terreno negativo nos mercados internacionais, perante sinais de que a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) de não ajustar a sua produção será mesmo mantida.

O West Texas Intermediate (WTI), de Nova Iorque, negoceia em mínimos de Maio de 2009, com um recuo de 2,21% para 56,53 dólares, enquanto o Brent, negociado em Londres e que serve de referência às importações europeias, cai 0,82% para 61,34 dólares, um valor próximo de mínimos de Julho de 2009.



So far no decline in drilling activities in the USA
Aleklett's Energy Mix.
Posted on November 17, 2014

The increased production of oil has occurred on land with 40,000 wells giving an increase in 1,200,000 barrels per day or 30 barrels per day per well. This means that most of the newly drilled wells are needed to maintain current production levels. A reduction in rig number similar to that in 2008 would rapidly reduce oil production in the USA. To repeat in another nation a fracking boom similar to that seen in the USA is far, far in the future. The question is whether it will ever occur.


200 billion barrels of new oil production is needed by 2030
Aleklett's Energy Mix.
Posted on November 22, 2014

In around 2008 the IEA and others began to discuss the decline in production from existing oilfields. By that time we at Global Energy Systems of Uppsala University had been researching in this area for some years and, in a scientific article, showed that the rate of decline in production from existing fields was 6% per year. Since then, this has become an accepted fact and even Chevron mentioned it in their recent presentation noting that production from existing fields will fall from 80 Mb/d to 30 Mb/d by 2030. Thus, new production equivalent to 50 Mb/d is needed by 2030 just to keep overall production constant. For the period 2013 to 2030 this is according to Chevron equivalent to approximately 200 billion barrels of oil.

[...]

At today’s oil price of around $80 per barrel it is only OPEC’s production that is currently completely profitable and onshore and shallow offshore production are borderline in terms of profitability.

[...]

It is not possible to predict the actions of the main players but it is easier to predict what the outcome may be of certain actions.

The 2014 Oil Price Crash Explained
Energy Matters. Posted on November 24, 2014
by Euan Mearns

  1. If demand for oil weakens by about a further 1 Mbpd this may send the price down below $60 / bbl.
  2. If OPEC cuts supply by about 1 Mbpd at constant demand this may send the price back up towards $100 / bbl. 
  3. Prolonged low price may see LTO production fall in N America and other non-OPEC projects shelved resulting in attrition of non-OPEC capacity. This may take one to two years to work through but with constant demand, this will inevitably send prices higher again. 
  4. Prolonged low price may see many specialist LTO producers default on loans, risking a new credit crunch and reduced LTO production. This would likely lead to a major consolidation of operators in the LTO patch where the larger companies (the IOCs) pick up the best assets at knock down prices. That is the way it has always been. 
  5. Black Swans and elephants in the room – with conflict escalation in Ukraine and / or Syria-Iraq and a new credit crunch, all bets will be off.

segunda-feira, dezembro 15, 2014

Cair num novo resgate depende dos eleitores

Números de 2012 em Simon Thrope's Ideas on Economy

Cuidado com os revisionistas!


Portugal, Espanha e Grécia, embora na ordem inversa, voltam a ser os tubos de ensaio da Europa.

Os eleitores portugueses, se deixarem o PS aproximar-me dos esqueletos do estalinismo, do maoísmo e do trotskysmo revisionista, acabarão por empurrar o país para um beco sem saída, pior ainda do que o da Grécia. É que a nossa dívida total per capita é maior do que a dos gregos!

A Grécia de novo
Observador. João Marques de Almeida, 14/12/2014, 17:47

Se o Syriza chegar ao poder no início do ano, as consequências chegarão a Portugal e aos outros países do Euro. O regresso da desconfiança em relação ao Euro por parte dos mercados será o maior risco. Se isso acontecer, os países com finanças públicas mais vulneráveis – como Portugal – voltarão a pagar juros mais altos para se financiarem nos mercados. Antes que as almas mais sensíveis se indignem, convém recordar a realidade. Os governos não recorrem aos mercados por prazer, ou por razões ideológicas, mas sim por necessidade. O recurso aos mercados une a esquerda e a direita. Todos necessitam de se financiar nos mercados porque os recursos nacionais não são suficientes para pagar as despesas. E os “mercados” só emprestam com juros baixos se confiarem que os empréstimos serão pagos.

O negócio da desgraça

Massimo Carminati - apontado chefe da Mafia romana


Quando se investigar o negócio da fome não iremos encontrar coisa muito diferente...


Basta observar quanto dinheiro (mais de 1580 milhões de euros em 2015) o Orçamento de Estado português reserva para as chamadas associações sem fins lucrativos (IPSS como as Misericórdias, os bancos alimentares, as cantinas sociais, etc.), e a falta de transparência destes 'negócios' entre privados e o estado, incluindo autarquias, tudo bem administrado e oleado pelo PP, para se temer o pior. Quem trabalha no terreno fará certamente o seu melhor, e com escassos meios. Não é aqui que está o gato, mas no que não se vê...

Será uma investigação para o próximo governo, ou pode avançar já?

Deveríamos começar por exigir um PORTAL OFICIAL DA TRANSPARÊNCIA onde constassem todos os apoios públicos a privados concedidos numa base regular, bem como a publicação obrigatória dos relatórios e contas de todas IPSS subsidiadas pelo estado.

Toda e qualquer entidade beneficiária de dinheiros públicos, isenções fiscais e outros apoios que, por junto, representam enormes verbas e vantagens competitivas, deveria estar obrigada a dar conta pública da sua gestão, tal como acontece às empresas cotadas em bolsa. Não é por acaso que os anglo-saxões chamam às empresa cotadas: public companies.

Mega escândalo de corrupção abala Roma

Os cidadãos da capital italiana descobriram na quarta-feira o poder do seu último “rei”, Massimo Carminati, um ex-terrorista, neofascista e chefe da máfia local, detido na véspera no âmbito de um gigantesco escândalo de corrupção envolvendo o próprio município da cidade. De acordo com a agência AFP, Carminati foi detido juntamente com mais 36 pessoas e acusado de ser o líder da “máfia romana”, que segundo a Procuradoria operava a partir da Câmara Municipal de Roma, com o apoio de políticos, dirigentes e empresários.

Entre os detidos estão personalidades políticas e directores de empresas públicas suspeitos de terem estabelecido alianças para obter contratos milionários, fazer negócios com dinheiro público e administrar centros do município para imigrantes.

—in Tribuna de Macau, 5 dez 2014

Há que enxotar alguns abutres

Abutres têm função ecológica, mas não podem dominar...

A tensão financeira mundial aproxima-se de patamares explosivos


O estádio especulativo avançado do capitalismo é um sinal incontroverrso do seu rápido declínio. Tal não significa, porém, que saibamos o que vem a seguir. Socialismo utópico não será certamente.

A economia real decresce, os rendimentos reais do trabalho decrescem, o valor real dos ativos tangíveis (imobiliário, energia, matérias primas, obras de arte, etc.) decresce à medida que as bolhas em que são colocados rebentam, o valor real do dinheiro decresce (crescendo artificialmente a massa monetária virtual), a capacidade de aquisição e o consumo descrescem (apesar da deflação), mas, no meio desta implosão colossal, o valor dos ativos especulativos imateriais, como as dívidas soberanas, os balanços dos bancos, os volumes da especulação bolsista (todos financiados pelos bancos centrais americano, europeu, japonês, chinês, etc.) disparam para níveis estratosféricos.

Como é evidente, perante esta mistura explosiva, os governos, apesar de corruptos, não querem ter a mesma sorte da Maria Antonieta. Logo, a solução é mesmo subordinar a babélia do endividamento, começando por destruir as expetativas dos fundos de especulação que nas últimas décadas foram confluindo no mercado dos derivados financeiros OTC e similares à procura de rendibilidade.

É o momento de enxotar os abutres, pois não só comem carne podre, como começaram a comer também a viva!

Fundos internacionais avançam para tribunal europeu contra resolução do BES
14 Dezembro 2014, 12:41 por Jornal de Negócios com Bloomberg

Os detentores de quase metade da dívida subordinada que o BES emitiu em Novembro de 2013 e que foi colocada no "banco mau" no processo de resolução do banco, já avançaram com processos no Tribunal Geral da União Europeia.

Segundo a agência de notícias Bloomberg, são cerca de 20 os queixosos que pedem ao tribunal que anule a medida de resolução aplicada ao BES e que passou pela divisão do banco em duas instituições. No "banco mau" ficaram os 750 milhões de euros em dívida subordinada emitida em Novembro de 2013, enquanto a dívida sénior foi transferida para o Novo Banco.

São sobretudo fundos internacionais, entre eles o brasileiro BTG Pactual e o norte-americano Third Point (do conhecido investidor activista Daniel Loeb), que avançaram para o Tribunal de Justiça Europeu, numa acção intentada pela firma de advogados Shearman & Sterling LLP.

Ler mais