quarta-feira, abril 30, 2014

O desastre energético anunciado, por Nicole Foss





A pulverização das sociedades está a acontecer neste preciso momento!


Royal Dutch Shell Profit Falls Less Than Expected

Profit Fell 44% From a Year Earlier, but Investors Feared Worse
By Justin Scheck, Wall Street Journal
Updated April 30, 2014 10:21 a.m. ET

LONDON—Royal Dutch Shell PLC said on Wednesday that its first-quarter profit fell 44% from a year earlier on a $2.86 billion asset-impairment charge largely for refineries in Asia and Europe.

However, revenue and profit declines in its energy production and refining businesses were smaller than some investors expected, sending its shares higher following the earnings announcement. They finished up 3% at £2,347 ($3,949).
...

Nesta longa entrevista da fundadora The Automatic Earth, ao Collapse Cafe, Nicole Foss faz uma avaliação realista e muito preocupante da situação energética e financeira mundial.

Depois de ouvi-la, reitero a algumas das minhas recomendações:

Primeira e principal recomendação: abandonar todas as soluções TOP DOWN financeiramente pesadas, complexas e, no fundamental, ilusórias. Apostar em soluções BOTTOM UP, financeiramente sustentáveis, descentralizadas, locais, comunitárias, com base na implementação de sistemas democráticos simples e sem partidos.

Segunda recomendação: aproveitar as redes sociais para cortar caminho no uso de soluções locais experimentadas assistidas pelo poderoso rizoma de inteligência coletiva em rápida expansão e à margem das lógicas burocráticas e predadoras em evidente colapso.

No caso português: TODO O PODER ÀS FREGUESIAS  e formação imediata das cidades-região de Lisboa e do Porto.

Existe algum potencial problema de integridade política do território português? Sim, existe. E poderá tornar-se explosivo se persistir uma lógica centralista e de rapina fiscal e financeira no preciso momento em que os centros deixaram de poder sustentar-se a si próprios, quanto mais as periferias.

Nota preocupante: a desintegração regional da Espanha é praticamente inevitável.


Sopa dos Pobres Fortalece a América!

O descaramento da Propaganda é inimitável

47,3 milhões de americanos na Sopa dos Pobres (em 2013)


Cerca de 15% dos americanos (47,3 milhões de pessoas) receberam em 2013 (1, 2) um cartão de plástico com autorização de gasto em alimentação e alguns outros produtos básicos, acessíveis apenas em algumas grandes cadeias de retalho, como a Wallmart, no valor médio de $133,08/mês. Esta Sopa dos Pobres assenta num sistema de dinheiro virtual criado pelo J P Morgan, o qual opera como um dos muitos contadores imparáveis da astronómica dívida pública americana (3).

Lá como cá —e cá, com a ajuda misericordiosa das irmãs 'socialistas'— a fome e a destruição da classe média são um excelente negócio para alguns.

Ver estes dados impressionantes em Food Stamp Nation. E ainda o vídeo American Dependency.



A completa decadência dos Estados Unidos pode ser ainda percebida através dos dados conhecidos sobre a sua população prisional, a qual, entre presos e condenados em diversos regimes de liberdade condicional, ultrapassa os sete milhões de pessoas:

The US currently [2009] incarcerates 743 people for every 100,000, compared to 800 per 100,000 at its peak under Stalin’s Soviet Union. At current rates of expansion, the United States will surpass the Soviet Union’s world record in 2018. SK
Cinco verdades de chumbo sobre as prisões americanas (4):
  1. por causa das suas prisões, os EUA são o único país do mundo onde há mais homens vítimas de violação sexual do que mulheres;
  2. há mais escravos negros na América contemporânea do que em 1850;
  3. a Solitária, largamente usada como castigo nas prisões americanas, é considerada internacionalmente uma forma de tortura;
  4. a comida servida nas prisões americanas é sub-humana;
  5. muitos prisioneiros são forçados a trabalhar para empresas privadas por preços inferiores aos mais baixos salários pagos na China.

NOTAS
  1. Supplemental Nutrition Assistance Program (Wikipedia)
  2. American Dependency: A Food Stamp Micro-Doc. A Lightning War for Liberty, Posted on September 21, 2013.
  3. AMERICA’S LIABILITIES, Zero Hedge (30/05/2014).
    The budget deficit for the latest fiscal year (which ended on September 30) was reported to be around $700 billion. However, this figure would be many times higher if the government’s unfunded entitlement programs were included. Even before taking into account liabilities stemming from the Affordable Care Act (ACA), which cannot even be calculated yet because so many of its assumptions are either erroneous or outright fabrications, and because many of its provisions keep getting delayed by the Administration for purposes of political advantage, the present value of the future obligations of the federal government is currently around $92 trillion. These obligations have been growing by over 10% per year since 2000, during which time nominal GDP has risen just 3.8% per year. At this rate, the federal government will owe an estimated $200 trillion on the entitlement programs by 2021 (again, excluding the effects of ACA) and $300 trillion by 2025.
  4. Five Stunning Facts About America's Prison System You Haven't Heard, Zero Hedge, 04/29/2014 22:35 -0400.
    Submitted by Sean Kerrigan via SeanKerrigan.com,
    We’ve done several exposés on the prison system in America, including The Prison System Runs Amok, Expands at Frightening Pace (Sept 6, 2012) and Selling the American Dream is the Biggest Market of All (Sept. 30, 2013), but there’s still much more to be said about this topic. America’s massive prison system is creating a long list of unintended consequences, some of which will effect all of us in the coming years. To help explain just how bad things have gotten, we’ve compiled this list of the most stunning facts and statistics on the America’s prison system today.

Cleptocracias

José Eduardo dos Santos negoceia segurança (militar e financeira) e energia com a França - in Élysée

A diferença entre a cleptocracia angolana e a cleptocracia indígena (portuguesa) é que a primeira tem petróleo, a segunda não.

F-16 portugueses na resposta NATO à crise ucraniana

Quatro F-16 portugueses integrados na força de contenção NATO (Zero Hedge)

Já alguém informou os portugueses, ou será só depois das eleições?


Quatro F16 da FAP integrarão força NATO de “contenção” anti-russa no próximo mês de setembro, e até ao fim do ano. Os portugueses sabiam?

Presumivelmente este lote de quatro aviões de combate sairá da esquadrilha de seis F-16 mobilizados, desde 2011-2012, para a base NATO da Islândia. O senhor Passos de Coelho, o senhor Machete e o senhor Aguiar Branco talvez nos pudessem esclarecer.

Em nossa opinião a crise ucraniana é uma provocação americana, e é uma provocação muito perigosa. A União Soviética ruíu, e desde então os Estados Unidos procuraram, quer através de ofensivas financeiras, quer através das chamadas revoluções coloridas em vários dos países da antiga “cortina de ferro”, cercar a Rússia e reduzi-la a uma espécie de vegetal.

Como seria de esperar a Rússia acabaria por reagir, usando a sua principal arma tática: o petróleo (maior exportador mundial, à frente da Arábia Saudita) e o gás natural.

A Alemanha, demasiado ocupada em gerir a pocilga europeia, descurou a questão russa até ao dia em que esta interrompeu pela primeira vez, e por razões políticas, o fornecimento de gás ao centro da Europa.

A União Europeia, em vez de apoiar economicamente a Ucrânia, nomeadamente na questão energética, deixou que esta continuasse dependente dos favores de Moscovo.

A crise estalou e, enquanto os Estados Unidos prosseguiram o seu plano de desestabilização da zona, a Alemanha e o resto da União Europeia exibiram uma vez mais a sua fragilidade política e militar.

A Europa só pode ter a Rússia como aliada, não como inimiga. Ter a Rússia como inimiga é empurrar a Rússia para os braços da China, cumprindo-se assim a grande manobra americana cujo objetivo é encontrar o pretexto adequado para um confronto nuclear contra a China antes de esta se tornar imbatível militarmente.

Os EUA querem desesperadamente recuperar a supremacia ameaçada do dólar. Para isso precisam de fazer rapidamente uma demonstração de força global, e depois reforçar o seu controlo militar e diplomático sobre as principais regiões ricas em petróleo e gás natural: Irão, Iraque, Cáspio e o grosso do continente africano (este também por outras motivações esttratégicas...)

Bruxelas (quer dizer, Berlim, Paris e Londres) e Moscovo devem negociar diretamente esta crise, em vez de serem o eterno pau de cabeleira da NATO, quer dizer, dos Estados Unidos.

Chegou o momento de a Europa perceber que ou ganha juízo ou desaparece do mapa!


Quem ameaça quem?

ÚLTIMA HORA
CIA, FBI agents 'advising Ukraine government': report (AFP, 4/5/2014)

Berlin (AFP) - Dozens of specialists from the US Central Intelligence Agency and Federal Bureau of Investigation are advising the Ukrainian government, a German newspaper reported Sunday.
[...] Last month the White House confirmed that CIA director John Brennan had visited Kiev as part of a routine trip to Europe, in a move condemned by Moscow.
É oficial: a CIA e o governo americano estão envolvidos até ao pescoço na desestabilização da Ucrânia e na guerra civil em curso. Não é a NATO, é a CIA e o FBI. Capiche?!
O governo português deverá deixar bem claro que os F16 estacionados na Islândia estão onde estão para defender a Islândia de qualquer violação do seu espaço aéreo, ou de qualquer ataque a este país. Não para engordar as tropas informais que o senhor Obama colocou na Ucrânia sem pedir licença à NATO ou a qualquer aliado! Que diz a isto o pascácio da Defesa, e o zombie dos negócios estrangeiros?

...

E mais:

Warning: Ukraine Is At A Flashpoint (in ZeroHedge)
O envolvimento americano na guerra civil em curso na Ucrânia é tão evidente quanto ilegal.
O vídeo supostamente espontâneo de uma inocente rapariga ucraniana que se manifestava em Kiev, que correu mundo (Youtube), não é mais do que um sofisticado produto de propaganda viral das Operações Especiais das FFAA americanas. Washington não olha a meios e anda de mãos dadas com extremistas de todo o mundo: dos fundamentalistas islâmicos aos neo-nazis ucranianos. É incrível, mas é verdade :(


REFERÊNCIAS

Última atualização: 5/5/2014 01:23 WET

domingo, abril 27, 2014

O grande coice da Copa do Brasil


Atrasos, corrupção imparável e desconfiança popular comprometem Mundial antes mesmo de começar


Dilma enfrenta protesto contra a Copa em evento no Pará
sexta-feira, 25 de abril de 2014 19:12 BRT - REUTERS BRASIL

25 Abr (Reuters) - Um grupo de manifestantes fez um protesto nesta sexta-feira contra a realização da Copa do Mundo no Brasil e interrompeu o discurso da presidente Dilma Rousseff, que demonstrou irritação com o incidente ocorrido durante cerimônia de entrega de máquinas no Pará.

Gritando "não vai ter Copa" e "da Copa eu abro mão, eu quero mais dinheiro para saúde e educação", os manifestantes chegaram a "duelar" com outra parte da plateia que gritou o nome da presidente.

"É da democracia, gente", disse a presidente, antes de demonstrar irritação com os protestos realizados durante cerimônia de entrega de máquinas para cidades do Pará.

Tivemos o exemplo da Grécia e das suas ruinosas olimpíadas. Esperemos que a Copa do Brasil não gere, em formato ampliado, outra tragédia grega.

Os países emergentes submergem quando os Estados Unidos, o Canadá e a Europa ocidental deixam de crescer e sobretudo de consumir acima dos 2%. O ajustamento mundial exige uma outra lógica de globalização e o fim da monetarização especulativa e burocrática do planeta. O ataque em curso contra as classes médias é o caminho mais curto para destruir as democracias ocidentais, que servem de referência às demais. Destruindo estas, adeus globalização, adeus crescimento, adeus civilização.

No fim do túnel da insolvência global, para onde nos quer empurrar o colete de forças montado pelos piratas banqueiros e pelos paquidermes burocráticos e populistas em que os estados democráticos se transformaram, só encontraremos caos e uma nova Idade das Trevas.

Aviso: só as classes médias estão em condições de estudar e compreender as causas e as dinâmicas deste transe do Capitalismo. Só as classes médias detêm os conhecimentos e a energia democrática suficientes para reformar as decadentes democracias atuais e lançar um movimento articulado de Democracia Mundial, socialmente equilibrada e baseada na cooperação competittiva sustentável.

Temos que começar a pensar na ideia de uma DEMOCRACIA SEM PARTIDOS E AUTOREGULADA.

sábado, abril 26, 2014

A armadilha ucraniana

Vladimir Putin. AP

Uma nova tragédia em nome de Halford Mackinder?


Há uma teoria do mundo que tem conduzido a enormes desastres humanos. É a chamada Heartland Theory de Halford Mackinder, dogma adotado por Hitler, e mais tarde pelos Estados Unidos.

A mente cinzenta desta visão que há décadas influencia a diplomacia norte-americana é Zbigniew Brzezinski, para quem o império americano morrerá no dia em que Lisboa se ligar económica, diplomática e culturalmente a Vladivostok. Para Brzezinski um tal cenário correria o risco de colocar os caucasianos alemães e russos ao leme do mundo, sobretudo se estes conseguirem estabelecer uma aliança forte com a China, que absorveria entretanto o Japão na sua esfera de influência, e forem capazes de acomodar o Médio Oriente e o norte de África, atrair Israel, e travar os radicais islâmicos onde estejam.

A ladainha de Brzezinski retomada de Mackinder é esta:
“Who rules East Europe commands the Heartland;
who rules the Heartland commands the World-Island;
who rules the World-Island controls the world.”
(Mackinder, Democratic Ideals and Reality, p. 194)/ Wikipedia

O mapa estratégico do mundo segundo Halford Mackinder

Um Zona de Comércio Livre de Vladivostok a Lisboa?

É pelo menos isto que ingleses e americanos, ou pelo os americanos, há muito querem impedir. Mário Soares está do lado desta visão, apesar de ter sido ajudado consistentemente pela França e pela Alemanha desde que a ditadura de Salazar começou a ruir. Talvez seja esta a explicação para as manobras insistentes que tem vindo a desenvolver no sentido de reclamar o derrube violento da atual ordem constitucional. Convém a este propósito lembrar que a direita latifundiária e rendeira que suportou o Salazarismo está intacta e reclama entre dentes a saída do euro. Esta, porém, seria a via direta para a expropriação fiscal violenta e em massa dos portugueses. Mas a Mário Soares tal cenário é-lhe indiferente. Ao personagem interessa-lhe sobretudo o poder da tribo que julga todavia comandar, ainda que em nome do prolongamento, cada vez mais problemático, da Pax Americana.

As manobras de Mário Soares, nomeadamente ao envolver alguns restos indigentes do MFA, são mais finas do que parecem, na medida em que o que está em formação sob as suas declarações aparentemente desmioladas é um verdadeiro bloco de interesses de natureza nacionalista e autoritária, pronto a aproveitar qualquer deslize grave na situação financeira, económica e social do país e, ou, o colapso do euro, para desencadear uma Revolução Cor-de-Rosa amplamente financiada pelo Tesouro americano. Até agora o PCP demarcou-se desta armadilha. Vamos observar com minúcia os próximos passos do “animal político” Mário Soares.

Importante: esta dinâmica, já em curso, levará inevitavelmente a uma cisão no PSD, cuja precária unidade interna será intensamente desafiada pelo CDS de Paulo Portas, e pelo PS de Mário Soares, intelectualmente secundados por Adriano Moreira e pela filha deste, Isabel Moreira.

Russian Prime Minister Vladimir Putin would like to see a free trade agreement between the European Union and Russia. In a Thursday editorial for a German newspaper, he describes his vision of "a unified continental market with a capacity worth trillions of euros."

No more tariffs. No more visas. Vastly more economic cooperation between Russia and the European Union. That's the vision presented by Russian Prime Minister Vladimir Putin in an editorial contribution to the German daily Süddeutsche Zeitung on Thursday.

"We propose the creation of a harmonious economic community stretching from Lisbon to Vladivostok," Putin writes. "In the future, we could even consider a free trade zone or even more advanced forms of economic integration. The result would be a unified continental market with a capacity worth trillions of euros."

Spiegel online, November 25, 2010 – 11:44 AM

O corropio do Carmo

Ramalho, Mário Soares e Otelo cantam no Largo do Carmo no dia 25 de abril de 2014
Tiago Miranda/ Expresso, 25/04/2014

Andam todos muito agitados, mas não trazem nada de novo...


Aníbal Cavaco Silva disse no seu discurso de 25 de abril, pela primeira vez, que o regime partidocrata está em causa, pedindo uma reflexão urgente aos partidos.

Como é evidente os partidos do sistema não ouviram.

Mas a discussão sobre a necessidade de uma reforma profunda do regime tem agora uma nova arena de debate e movimentos brownianos mais ou menos estridentes. Uma mão cheia de almas inocentes parecem ter acordado ao mesmo tempo, afiando facas. No CDS-PP, Paulo Portas; no PSD, Rui Rio; e no PS, a reincarnação cubana de Mário Soares.

Para derrubar o atual governo, temos os bonzos da 'esquerda'. Para uma revolução democrática institucional, vimos esta semana Rui Rio substituir Durão Barroso na linha de partida para as presidenciais.

A balbúrdia é, como se vê, enorme e vem desaguar no que há muito vimos descrevendo como o fim de um regime partidocrata populista e corrupto que conduziu Portugal a uma vergonhosa bancarrota.

Os partidos estão a desfazer-se por dentro. PSD, PS e Bloco de Esquerda vão ser duramente abanados pela abstenção crescente do eleitorado e pela politização cada vez mais articulada desta abstenção. A carnagem começou. Os latifundiários de Abril pensam que têm a História no papo. Mas não têm!

Há em Portugal um limite objetivo aos devaneios oportunistas da 'esquerda', que esta nunca entendeu, por ser em regra dirigida por cabeçudos anestesiados com ideologias requentadas, quando não completamente obsoletas.

Em Portugal há, sensivelmente:
  • 10,6 milhões de portugueses
  • 11,7 milhões de prédios rústicos (1)
  • 305 mil explorações agrícolas (36.681,45 Km2; 40% da superfície agrícola útil)
  • 7,9 milhões de prédios urbanos
  • 4,4 milhões de alojamentos (num total de mais de 5,8 milhões) ocupados pelos seus proprietários

Não é preciso saber mais nada sobre a sociologia do país.

Uma parte dos mais de 120 mil portugueses que emigraram desde 2000 para cá fizeram-no para poder honrar os compromissos que assumiram junto da banca na compra das suas casas. Ou seja, nada há de mais importante para a esmagadora maioria dos portugueses do que as suas famílias e as suas propriedades, grandes ou pequenas, urbanas ou rústicas, tanto faz. Quem não entender estas cifras simples não entenderá nunca porque está eleitoralmente acantonado, ou porque o rotativismo no interior do Bloco Central depende exclusivamente do número de lugares que o PS e o PSD são capazes de distribuir e sobretudo manter na administração pública e em geral na órbita do estado.

Como a insolvência do país vai obrigar, esteja quem estiver no governo, a encolher o estado e os partidos, a sorte da presente nomenclatura partidária está mais ou menos traçada.

Podemos imaginar, com muito esforço, que surgiam luminárias novas dos partidos sentados em São Bento, e que da sua luz surgiria, por exemplo, uma frente alargada e pragmática de esquerda integrada pelo PCP, Verdes, BE e uma cisão do PS (2), disponível para formar governos futuros; e que uma parte do PSD se juntaria ao PS depois de este ver partir os fraturantes; nascendo desta recomposição um novo espetro partidário capaz de se apresentar ao eleitorado com algumas ideias arejadas e ajustados à sociologia do país.

Podemos imaginar até que haveria uma revisão constitucional constituinte, através da qual se reduziria o número de deputados centrais, regionais e municipais e se mudariam as respetivas regras de representação; e uma regionalização decente, com a criação das cidades-região de Lisboa e Porto, e o fortalecimento político das juntas de freguesia, enquanto pilares micrológicos reforçados da democracia; e que haveria até uma nova câmara dedicada à representação dos principais interesses corporativos do país, aumentando desta forma a transparência do sistema.

Os receios de que esta utopia não passe disto mesmo, ou seja, de um não lugar, leva-me diretamente ao próximo cenário: preparar Portugal para uma democracia sem partidos!

Nesta democracia por vir predominariam as instâncias de democracia direta, predominariam de forma transparente as instituições cognitivas, profissionais e espirituais do país. Os partidos, talvez muito diferentes dos atuais, continuariam a existir e a contribuir para a definição política da comunidade, mas já sem o poder de dominar (e arruinar) as sociedades.


NOTAS
  1. Census 2011 (web), RCM n.º 56/2012 (DRE), Pordata e O Cadastro e a Propriedade Rústica em Portugal (pdf)
    © Fundação Francisco Manuel dos Santos e Rodrigo Sarmento de Beires, 2013. 
  2. Esta frente é improvável, para não dizer impossível, dada o perfil genético jacobino e sectário comum a todas as formações da dita 'esquerda'. Já ontem vimos, como voltaremos a ver no dia 1 de maio, o PCP, a Intersindical e os pseudo Verdes, numa rua, e o PS, arrastando pela mão alguns testamenteiros oportunistas do MFA, num largo aconchegado qualquer. Convém a este propósito reter um dado importante: na minha opinião, Mário Soares comprou (ou melhor dito, vendeu) a saída do euro aos grandes rendeiros do país, do latifúndio à banca, passando pelos monopólios naturais. Doutro modo seria inimaginável ver um ex-presidente da república apelar à subversão violenta do regime. O que ele está a dizer, uma vez mais, é que, com os 'socialistas' dele, a cleptocracia, os devoristas e as corporações do regime serão, uma vez mais, defendidos. Adivinho ainda, nesta manobra em preparação, a mão da diplomacia americana, a quem interessa ver Portugal regressar ao redil atlantista, e a quem não interessa nada permitir uma extensão e reforço súbito da presença militar da União Europeia (i.e. da Alemanha), do Dniepre até ao Corvo.

sexta-feira, abril 25, 2014

40 anos depois

  

Quarenta anos depois, para os que podem lembrar-se, foi ontem. 


Estamos melhor e estamos pior.

Pela frente teremos, no mínimo, mais sete anos de sofrimento e de crise política, institucional e cultural.

Não importa quem governe.

Até 2026, pelo menos, dependeremos inteiramente dos credores.

Em 2020 perderemos a última rede de proteção especial conferida pela afluência ao nosso país de gigantescos fundos financeiros da União Europeia.

Estaremos em breve fora da casca imperial que nos protegeu durante seiscentos anos (1415-2015).

Como será a casca europeia depois de 2020 é uma incógnita.

Se a Europa vingar, bastará educar os indígenas. Se a Europa voltar a colapsar, faltará saber se seremos ou não capazes de evitar o regresso a um regime autoritário e de pobreza sem solidariedade.

No dia 25 de abril de 1974 fui acordado de madrugada por um comandante da TAP que deu ao meu pai a notícia de que um golpe militar estava em marcha. Era um desfecho esperado há meses.

Levantei-me e fui dar a notícia a um amigo, notável intelectual e comunista. Disse-me que se a coisa era entre militares talvez não desse em tragédia, pois os militares sabem o que é uma guerra e não gostam de morrer estupidamente.

Segui no comboio até ao Cais Sodré. Estava fresco. Chuviscava de vez em quando, mas o Sol acabou por ganhar o dia. Horas depois fugia de uma saraivada de balas da PIDE. Não morri.

Parece que foi ontem.

Claro que valeu a pena!


quarta-feira, abril 23, 2014

Galiza e Guiné Equatorial mais próximos da língua portuguesa



A crise é também uma oportunidade

“A adesão da Guiné Equatorial à CPLP deverá ser realidade já em Julho, na cimeira da organização em Dili, depois de o país ter preenchido os requisitos exigidos” — Macau Hub.

O edifício que vemos em cima foi fotografado em 2006 e situa-se na capital da República Democrática de Timor-Leste, Dili. Este país de pouco mais de um milhão de habitantes e quase quinze mil quilómetros quadrados adquiriu a sua independência total e definitiva de Portugal em 2002, depois de libertar-se de uma ocupação ilegal extremamente violenta por parte da Indonésia na sequência da guerra civil que se seguiu à primeira intervenção militar daquele gigante muçulmano no território — com o objetivo de intersetar e conduzir o processo de independência da então colónia portuguesa, que estava a ser preparada desde 1975 pelo governo de Lisboa.

Trinta e nove anos depois do início do processo de independência partilhado entre portugueses e timorenses, e doze anos depois da consagração e reconhecimento internacionais do novo estado independente, será em Timor que a comunidade de países de língua portuguesa (CPLP) acolherá o seu novo membro, a Guiné Equatorial, e dará as boas-vindas à decisão histórica tornada lei em 24 de março de 2014, e publicada no Diario Oficial de Galicia em 9  de abril (1), de a Galiza se aproximar mais claramente do espaço estratégico, económico, político e cultural da lusofonia.

A importância destes dois eventos e o simbolismo de ocorrerem naquele que foi o último territótio do império colonial português a tornar-se estado independente não foram ainda percebidos no seu profundo significado e desejáveis consequências. Mas a História é isto mesmo: precisa de tempo.

Guiné Equatorial e Galiza reforçam em 76 mil milhões de euros o peso económico dos países de língua portuguesa

Macau Hub, 2014/04/14

“A Guiné Equatorial e Galiza perfilam-se como as duas economias mais avançadas na integração no espaço dos países d língua portuguesa, e poderão dar um impulso de perto de 76 mil milhões de euros ao peso económico do bloco.

Enquanto em Julho a Guiné Equatorial, cuja economia vale 19,7 mil milhões de dólares (14,2 mil milhões de euros), deverá aderir como membro de pleno direito à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a região autónoma espanhola da Galiza, que detém importantes laços históricos e culturais com Portugal, adoptou esta semana uma lei visando reforçar os laços com os “8”.

[...]

Com 2,8 milhões de habitantes, a Galiza tem uma economia de perto de 55,8 mil milhões de euros, com importante indústria automóvel, têxtil, florestal, entre outras.

A adesão da Guiné Equatorial à CPLP deverá ser realidade já em Julho, na cimeira da organização em Dili, depois de o país ter preenchido os requisitos exigidos.

O peso económico da Guiné Equatorial, que resulta de uma importante indústria petrolífera, já se faz sentir em Portugal, onde recentemente um fundo de investimento público chegou a acordo para comprar uma participação no banco Banif.

Segundo o presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP), Salimo Abdula, o PIB conjunto dos países de língua portuguesa representa hoje perto de 4 por cento do total mundial, com tendência de crescimento.

Em recentes declarações, Abdula previa que os países língua portuguesa poderão representar 10% do PIB mundial, dentro de dez ou quinze anos, se os governos se juntarem e apostarem numa verdadeira comunidade económica.”

NOTAS

Da “LEI 1/2014, do 24 de marzo, para o aproveitamento da lingua portuguesa e vínculos coa lusofonía.”

“Artigo 1

Os poderes públicos galegos promoverán o coñecemento da lingua portuguesa e das culturas lusófonas para afondar nos vencellos históricos que unen Galicia cos países e comunidades de lingua portuguesa e polo carácter estratéxico que para Galicia teñen as relacións económicas e sociais no marco da Eurorrexión Galicia-Norte de Portugal.

Artigo 2

O Goberno galego incorporará progresivamente a aprendizaxe da lingua portuguesa no ámbito das competencias en linguas estranxeiras nos centros de ensino da Comunidade Autónoma de Galicia.

Artigo 3

Deberán ser promovidas, así mesmo, as relacións a todos os niveis cos países de lingua oficial portuguesa, constituíndo este un obxectivo estratéxico do Goberno galego. De maneira especial, fomentarase o coñecemento desta lingua por parte dos empregados públicos, a participación das institucións en foros lusófonos de todo tipo –económico, cultural, ambiental, deportivo, etc.–, así como a organización na Comunidade Autónoma galega de eventos con presenza de entidades e persoas de territorios que teñan o portugués como lingua oficial.”

Ler lei completa aqui.

Ségolène Royal penaliza camionistas

A linda e polémica ministra Ségolène Royal bloqueia camionistas

Que diz o pascácio do PS? 

Já investigou internamente se há ou não um fundo de investimento do PS que apostou, e perdeu, em Alcochete?

Por utilização da rede rodoviária
França quer cobrar a transportadores estrangeiros

Transportes, 17-04-2014

O Governo francês está a preparar uma taxa que incide sobre os camiões estrangeiros que utilizem a rede rodoviária do país. Esta medida está a ser equacionada pelo gabinete da ministra da Ecologia, Ségòlene Royal, que, segundo o jornal Oje, terá explicado à comunicação social francesa que existem duas possibilidades em aberto: a aplicação de uma taxa à entrada da fronteira de França, ou a obrigatoriedade do uso das autoestradas (para pagarem portagem). Desta forma, a França adotaria o mesmo sistema já praticado no Reino Unido, que aplica uma taxa similar desde o passado dia 1 de abril.

Enquanto a nomenclatura corrupta do Bloco Central continua a fazer barragens inúteis, sobrecarregando as faturas da energia, e boicota a ligação de Portugal à rede ferroviária europeia para mercadorias e passageiros (alta velocidade), com a complacência bovina de deputados e jornalistas, Espanha segue o seu caminho. Em breve Portugal será uma ilha ferroviária, que nem de comboio, nem de TIR, chegará a Madrid, quanto mais a França e ao resto da Europa!

Portugal está a transformar-se numa ilha ferroviária, cortesia da corja do Bloco Central da Corrupção. Se julga que vai continuar a transportar alegremente as suas exportações em frotas TIR é porque não leu nada, ou é criminosamente irresponsável.

Concluye la construcción del viaducto de alta velocidad de Valdetravieso, en Cáceres
vía líbre—la revista del ferrocarril (23/04/2014)

Adif Alta Velocidad ha concluido la construcción del viaducto de Valdetravieso, perteneciente al tramo Casas de Millán-Cañaveral de la línea de alta velocidad Madrid-Extremadura. Asimismo, se han realizado con éxito las correspondientes pruebas de carga.

PIIGS sem emenda :(

No Reino Unido, como cá, o fascismo fiscal instala-se.

A dívida pública da Eurolândia não pára de crescer desde 2011 


Euro area and EU28 government deficit at 3.0% and 3.3% of GDP respectively
Government debt at 92.6% and 87.1%
In 2013, the government deficit of both the euro area (EA18) and the EU28 decreased in absolute terms compared with 2012, while the government debt rose in both zones. In the euro area the government deficit to GDP ratio decreased from 3.7% in 2012 to 3.0% in 2013, and in the EU28 from 3.9% to 3.3%. In the euro area the government debt to GDP ratio increased from 90.7% at t he end of 2012 to 92.6% at the end of 2013, and in the EU28 from 85.2% to 87.1%.
Eurostat, 23/03/2014 (pdf)

2011: 87,4%; 2012: 90,7%; 2013: 92,6%. Segundo Reinhart e Rogoff, acima dos 80% a dívida pública torna-se um fator de perturbação estrutural das economias. Por sua vez, e apesar de toda a brutal austeridade, a dívida pública dos PIIGS continua a crescer em % do PIB e nominalmente. Em grande medida, isto acontece porque a austeridade salarial e a seca do crédito à economia, e o desemprego e falta de emprego subsequentes, trouxeram recessão, e a recessão trouxe menos PIB, e portanto menos receitas fiscais, e portanto maiores necessidades de endividamento, e portanto maior peso do serviço da dívida nos orçamentos públicos, e portanto mais défice e mais dívida — aqui, sobretudo, porque nada se fez em matéria de reforma estrutural da burocracia instalada.

O PS teria feito o mesmo ou parecido, porque quem dita a macroeconomia portuguesa são os credores, ou seja, o FMI, Bruxelas e o BCE. Os governos indígenas não passam de teatros de fantoches rodeados de cagarras parlamentares e de um coro de corporações e sindicalistas aflitos. Ainda assim, o que o governo cada vez mais esfrangalhado de Passos Coelho se recusou a fazer, apesar das insistentes recomendações formais da Troika, foi sempre em prejuízo da população, da economia e da classe média. Exemplos: não atacou as rendas excessivas da EDP, não suspendeu o ruinoso plano nacional de barragens, não renegociou a sério dezenas de PPP, não avançou na nova rede ferroviária europeia para mercadorias e passageiros (tendo deixado em Bruxelas e Londres mais de 800 milhões de euros que nos eram destinados a custo zero) e não acabou com a subsidio dependência dos rendeiros e devoristas protegidos do regime. A nomenclatura partidária e suas organizações semi clandestinas (bancos e banksters, Opus Dei, Maçonaria, União das Misericórdias, fundações obscuras, etc.) prevaleceram contra o interesse público.


Eurostat: informação sobre défices na UE em 2013, 23-03-2014.


Resultado: aproximam-se tensões sociais enormes, pois é de prever que a 'democracia' populista, neo-corporativa e cleptocrata instalada volte a preferir atacar pela via da criação e subida de mais impostos, e em cortes diretos e indiretos na massa salarial (1), pensões, reformas e subsídios de desemprego, em vez de travar os rendeiros do regime ou fazer uma reforma estrutural do estado, mantendo e reforçando o essencial, entregando à iniciativa privada e comunitária independente o acessório e o que não sabe fazer sem gerar ineficiência e corrupção.

A crise continua: mais austeridade e sofrimento a caminho.

Explosões sociais e graves crises políticas adivinham-se no horizonte. A extrema direita sobe na Europa.

E as alternativas democráticas à partidocracia liberal e social-democrata instalada, onde estão?


Há gráficos que falam verdade, sem qualquer sofisme. O das vendas da CAT é um deles. Esqueçam a propaganda dos governos e dos bancos!


NOTAS
  1. A deflação, que é uma consequência da queda da procura agregada mundial e o resultado do fim da longa era de crescimento inflacionário —artificialmente estimulado nas últimas décadas (Quantitative Easing, "Whatever It Takes", etc.)— da oferta agregada de bens e serviços (PIB, comércio mundial, etc.), em larga medida estimulado pela disponibilidade de energia fóssil barata (petróleo, gás natural e carvão) prejudica gravemente os devedores, e sobretudo os grandes e muito grandes devedores: bancos, gigantes e carteis sobre alavancados em modelos de capital intensivo, e ainda... governos de todo o mundo!

    Os bancos e os governos precisam de inflação (até inventaram um novo monstro semântico chamado "reinflação") como de pão para a boca, pois é a única forma, para além de uma deriva pelo fascismo fiscal declarado, que conhecem para diminuirem o peso das suas crescentes responsabilidades financeiras, e nomeadamente os gigantescos serviços de dívida que pesam como cutelos sobre estes monstros de ganância e burocracia.

    No entanto, inflação e reinflação, associados à destruição das taxas de juro (coisa que a 'esquerda' imbecil adora promover) significa uma coisa simples: expropriação da poupança sob a doce ilusão do facilitismo financeiro.

    Em suma, a chuva dourada que conduziu ao endividamento global, público e privado, das economias e das pessoas, ao longo dos últimos vinte anos (foi em 1994 que surgiram os famosos CDS—credit default swaps), e depois ao colapso do sistema financeiro mundial, que se mantém na Unidade de Cuidados Intensivos conhecida por Quantitative Easing e Whatever It Takes, perdeu a pica. Por mais papel de Monopólio e zeros que acrescentem à massa monetária, as economais não arrancam porque não podem arrancar), e o buraco negro dos derivados financeiros OTC e do endividamento bancário e soberano continuam a ampliar-se, tal como o seu potencial destrutivo.

    Esta é, aliás, a única explicação para a última e desesperada recomendação do FMI: roubem diretamente nos salários o que não podem roubar através do teatro da inflação! Nos rendimentos de capitalas taxas já são negativas...

segunda-feira, abril 21, 2014

Benfica agradece a Jesus

Boneco bem disposto sobre a vitória do Benfica. Autor desconhecido.

O futebol é o circo de gladiadores dos tempos modernos. Nada mudou.


Sou benfiquista, mas não pedi fogos de artifício depois da meia-noite no centro da capital (foi o Costa que pediu?), nem me reconheço no hooliganismo futebolístico dominante e apaparicado pela generalidade da corja partidária e do betão. Quanto mais futebol, telenovelas e concursos desmiolados preenchem o tempo livre dos indígenas, maior a miséria, a desigualdade social e a falta de futuro. Mas os partidos desta democracia populista parecem adorar. E o povo também. Pois então não se queixem.

Sociologia da crise à parte, Viva o Benfica que há quatro anos que não comia!

sábado, abril 19, 2014

Carcavelos, a nova pérola da Linha?

Memória de uma presença civilizada

A Quinta dos Ingleses merece mais do que abandono e entulho a céu aberto


Vivo em Carcavelos há mais de quatro décadas. Vim de Macau, cresci alguns anos nos corredores do Convento de Mafra, vivi em Lisboa, no Porto, no Mindelo de São Vicente de Cabo Verde, parti várias vezes para outros lugares, vivi sob a chuva miudinha da Corunha, não resisto a ver o Porto e o mar da Foz do alto do Monte Cativo ao entardecer, pisar a terra que o meu avô deixou ao meu pai e o meu pai me deixou, em Cinfães do Douro, com o magnífico e temeroso rio sempre no mesmo lugar, é uma obrigação da memória. Mas depois, depois destas intermináveis andanças, acabo sempre por voltar à avenida dos meus passeios filosóficos e à praia que corre dentro de mim.

Vi arder por mais de uma vez os pinheiros, que já não existem, da metade poente da quinta, ao descer e subir a Avenida Jorge V. Ouvi por três ou quatro vezes a algazarra local dos partidos em volta da urbanização há muito prevista no lugar que os ingleses um dia compraram, porque quinta de vinho deixara de ser (1), e era então lugar propício para ali amarrar o cabo submarino de telecomunicações que ligaria em 1870 o Reino Unido à Índia, passando por Portugal, naturalmente!

Os ingleses nunca chegaram a deixar a Quinta dos Ingleses, nem o primeiro campo de football que Portugal teve. A antiga casa senhorial do século 18, que a Eastern Telegraph Company usara como centro de operações, transformar-se-ia mais tarde no St Julian's School, também conhecido como o colégio inglês, notável, caro quando tínhamos o escudo, caríssimo agora que temos o euro, pequeno para as encomendas que abrem espaço à concorrência para mais de uma réplica. A gente culta da era Salazarista, incluindo os intelectuais comunistas, só se não pudessem deixariam de colocar os seus filhos no Colégio Inglês. E continua a ser assim. Um lugar com tão notável passado foi, no entanto, queimado e abandonado à sua sorte. As guerras partidárias populistas contra os donos do terreno foram degradando paulatinamente aquela mancha verde, metade da qual foi reduzida a mato, a local de despejos ilegais de entulho, incluindo por parte de entidades públicas (!), e de parquemanto grátis para a malta. Grátis a que propósito?! Será poventura grátis estacionar junto à Câmara Municipal de Cascais, ou nas imediações da Junta de Freguesia de Carcavelos?

Antevisão do arquiteto José Adrião (ver proposta)



Antevisão do arquiteto José Adrião (ver proposta)

O Plano de Pormenor (PP)

Não tenho já qualquer paciência para partidos políticos, sobretudo quando as suas guerras intestinas e os seus torneios florais giram à volta do mesmo: comissões por baixo da mesa e empregos para dar e vender. E também tenho cada vez menos paciência para os penduras da partidocracia, ou para as corporações e sinecuras que de tempos a tempos agitam a populaça em nome dos direitos e da democracia, acenando sempre com alguns tremoços grátis. Será que este povo bronco, indolente e oportunista terá percebido desta vez que o que o Estado lhe dá é para ser pago, mais cedo ou mais tarde, pelo próprio ou pelos seus filhos e netos? Será que esta crise lhe ensinará alguma coisa nova, ou continuará alarvemente a abrir esplanadas ilegais a que os burocratas municipais e polícias fecham os olhos apesar das sucessivas queixas? Continuará estupidamente a estacionar nas curvas, em cima dos passeios, dos canteiros e diante das entradas de garagem, como se tudo fosse seu e de borla? Até quando? Até ficar sem carro, suponho.

A contestação ao novo plano de pormenor para a Quinta dos Ingleses, que li, é em geral superficial e oportunista. Da discussão pública que teve lugar, e que pode ser consultada de fio a pavio no sítio da Câmara Municipal de Cascais (pdf) percebe-se que houve regras e foram respeitadas as leis vigentes. Ou seja, os proprietários têm à sua disposição uma superfície de construção idêntica à área da sua propriedade e, por seu lado, a comunidade e a vila de Carcavelos disporão de mais de 50% do terreno para usos públicos, urbanos e sociais. Ninguém perde e todos ganham, suponho.

Salvo se houver uma coligação oportunista na Assembleia Municipal de Cascais que boicote, uma vez mais, a resolução deste problema, teremos em breve aprovado o Plano de Pormenor do Espaço de Reestruturação Urbanística de Carcavelos Sul (PPERUCS; abrev.: PP) Outra coisa, muito diferente, é saber o que farão os promotores com tal aprovação, e o grau de empenhamento e exigência posto no desenvolvimento da obra pela mesma Câmara Municipal que lhe deu luz verde.

A futura Quinta dos Ingleses urbanizada, acomodando um parque urbano e um magnífico espaço verde, a par de um estacionamento decente junto à praia (barato, mas pago, espero, pois há sempre a alternativa do comboio e outros transportes coletivos, e ainda a partilha do automóvel para diminuir a intensidade energética da nossa miserável economia), atraindo alguns milhares de novos residentes de classe média a Carcavelos, para aqui viver, ou estudar, trabalhar, montar negócio, ou tudo em um, é uma oportunidade que deve ser agarrada com todas as mãos e sobretudo com a cabeça.

Os índices de ocupação, corrigidos de 2001 para cá (de 1450 para 939 fogos) e as volumetrias parecem-me em geral razoáveis. Mais piso recuado, menos piso recuado (uma cedência da CMC às críticas sem fundamento e à demagogia populista que se traduzirá na obtenção das mesmas áreas noutros sítios), não vejo nada nesta proposta que possa assemelhar-se aos verdadeiros monstros urbanísticos que o famoso Judas deixou alegremente construir, nomeadamente em São Pedro do Estoril e à entrada de Cascais.

Tudo depende, isso sim, da qualidade dos arquitetos que vierem a ser chamados a desenhar em concreto todo aquele espaço, e todos os edifícios previstos. Nós temos hoje em Portugal arquitetos, paisagistas e designers de elevadíssima qualidade e mérito reconhecido dentro e fora de portas, e nem sequer é preciso recorrer aos de sempre, nem muito menos aos que marcam ponto nos corredores partidários do poder. Faça-se um concurso público, como se a Quinta dos Ingleses fosse, que o é, património municipal, e até património nacional. Dali se fez parte da rota das Índias das telecomunicações, em 1870. Ali continua, pronto a crescer, um dos mais prestigiados colégios do país. Em frente está a praia onde nasceu o Surf português. E ali se bateu a terra do primeiro campo de futebol que Portugal teve, caramba! Só neste ponto dou inteira razão a quem afirmou ao Público: ... o direito de propriedade “não se pode confundir com o direito de construir”— sem cultura (acrescento eu).

Os construtores da futura Quinta dos Ingleses têm perante si próprios e perante a comunidade um dever de qualidade e um dever de carinho pelo génio do lugar. A Câmara Municipal de Cascais, por sua vez, tem o dever de aproveitar com a máxima energia e sabedoria uma das poucas pérolas que lhe restam na frente marítima do concelho. Por fim, os carcavelenses, sabem que uma vila capaz de atrair no curto prazo vários milhares de residentes e fregueses à Quinta dos Ingleses, à requalificada Praia de Carcavelos, ao novo polo académico da Universidade Nova, ao futuro El Corte Inglés, e ao centro da vila, é um autêntico maná nos tempos dificílimos que temos e ainda teremos pela frente. A maioria dos carcavelenses que gostam da sua vila sem dela nada esperar salvo que continue pelos tempos fora, sabe também que os notáveis da sua rua nem sempre são os melhores conselheiros.

Precisamos de sarar esta ferida!

O populismo fala de uma mancha verde. Onde está? Imagem: José Adrião Arquitetos

FICHA PARA CONSULTAR O PROJETO E A DISCUSSÂO PÚBLICA

Cascais
Quinta dos Ingleses (proprietários: St Julian's School e Alves Ribeiro)
Plano de Pormenor do Espaço de Reestruturação Urbanística de Carcavelos Sul (PPERUCS; abrev.: PP)
Área de intervenção: 54,11ha
Área de Solos em domínio privado do Município e a integrar em domínio público: 31,00ha
Área de implantação (edifícios): 14,37ha
Impermeabilização de solos: 27,34ha (50,53%/ índice limpo: 47,51%)
Área Total de Construção (edifícios): 61,79ha (100,21%)
Número de fogos: 939 (1450 no plano rejeitado em 2001)

Documentos de consulta no sítio da CMC (pdf)
Planta de Implantação II - Modelo de Ocupação (pdf)

Relatório de ponderação do período de discussão pública das propostas de Plano de Pormenor do espaço de reestruturação urbanística de Carcavelos sul (pdf)

Discussão
  • 91 participações escritas: reclamações/ observações/ sugestões (Nota: há participações idênticas subscritas por mais de uma pessoa)
  • 35 opiniões favoráveis ao PP
  • 7 opiniões contrárias ao PP
  • 48 participações críticas objeto de ponderação
  • a participação 84, apresentada pelo Movimento Fórum por Carcavelos, é um abaixo-assinado com 3.723 subscritores.

Ponderação
  • Área de intervenção: 50 hectares
  • 25% da área de intervenção do PP é Parque Urbano (incluindo áreas verdes, ribeira, rede de mobilidade interna e equipamentos desportivos)
  • 40% da área é composta por Parque Urbano e outros espaços verdes, público e privados
  • A área verde nuclear do Parque Urbano, incluindo a ribeira abrande cerca de 10ha, correspondente a 1/5 da área de intervenção do PP
  • 50% da área total passa a domínio municipal

Entulho asfáltico vertido na Quinta dos Ingleses

RECORTES DE IMPRENSA
Moradores protestam no domingo contra mega-urbanização em Carcavelos - PÚBLICO e Lusa, 04/04/2014 - 15:51

A representante do grupo Forum de Carcavelos, que junta mais de 3000 pessoas, considera que os blocos de betão previstos - dois edifícios de seis pisos e outro de quatro pisos, um hotel de cinco pisos, um condomínio privado e espaços residenciais e comerciais - são “inadmissíveis”.

Urbanização em Carcavelos sem impactos no surf e na praia, diz estudo - PÚBLICO, Marisa Soares, 02/04/2014 - 07:50

Durante o período de discussão pública, que terminou a 17 de Fevereiro, a autarquia recebeu 91 contributos e aceitou algumas das alterações propostas: a urbanização não pode incluir condomínios fechados e três dos prédios mais próximos da Avenida Marginal terão seis e não sete pisos, retirando cerca de 30 fogos aos 939 previstos.

Mega-urbanização reacende polémica sob ameaça judicial de 264 milhões de euros - PÚBLICO, José António Cerejo, 14/02/2014 - 12:49

A discussão pública do novo plano de pormenor de Carcavelos Sul, que abrange uma área de 54 hectares no interior da qual se situa o colégio inglês (St. Julian’s), termina na segunda-feira. Ao longo de quase dois meses os argumentos dos defensores e dos críticos do projecto voltaram a ser esgrimidos sem grandes novidades em relação a 2001.
Entulho asfáltico vertido na Quinta dos Ingleses

NOTAS
  1. Quinta do Cabo Submarino em Carcavelos. José Morais
Entulho de obras vertido na Quinta dos Ingleses

Edifício degradadao com a inscrição "G S CARCAVELOS"




Atualizado: 21-03-2014 13:18 WET

sexta-feira, abril 18, 2014

Vegetal argelino eleito com 81,53% dos votos e uma abstenção de 48,3% (números oficiais)

Presidente argelino, Abdelaziz Bouteflika, vota na sua reeleição. Abril, 2014.

Um retrato fiel da decadência das democracias


Argélia: Bouteflika vota em cadeira de rodasEuronews, 18-03-2014.

Numa eleição onde a única incógnita parece mesmo ser a taxa de participação, Abdelaziz Bouteflika, o presidente cessante da Argélia – e presumível vencedor do escrutínio – compareceu na mesa de voto em cadeira de rodas.

Esta é a primeira aparição pública de Bouteflika desde que sofreu um acidente vascular-cerebral que lhe causou problemas de fala e de mobilidade.

Mourad Boukhelifa. Ancien candidat à la présidentielleAbdelaziz Bouteflika IV : les réactions — Écrit par  El Watan 2014, 18/04/2014 19:06.

« C'est juste une grande plaisanterie ! Il y a eu fraude, c'est ce qui nous fait douter des chiffres avancés. J'ai personnellement remarqué que les gens ne se sont pas rendus en masse pour aller voter, et on nous annonce des chiffres improbables qui nous laissent frustrés. J'ai moi-même remarqué des anomalies sur les bulletins de Benflis. C'est la raison pour laquelle que je dis que la fraude est incontestable ».

A criatura há quase um ano que não aparecia em público. Sofreu um AVC que lhe tolheu, nomeadamente, a fala. Esteve internado 80 dias. E no entanto, foi de novo candidato à presidência da república argelina e ganhou com 81,53% dos votos (os números oficiais são, no entanto postos em dúvida por vários candidatos, podendo a abstenção ter superado em muito os 50%). Ninguém contestou o que anunciou a comissão eleitoral deste país que apenas interessa ao Ocidente por causa das suas enormes reservas de gás natural. A nossa condescendência e hipocriaia estão, pois explicadas.




Este episódio degradante apenas nos deve levar a refletir sobre o que inquinou de forma tão miserável o projeto democrático que o Ocidente não se tem cansado de promover e abastardar.

Tal como nos casos vegetativos de Salazar e Franco, e antes destes, de muitos outros ditadores, o que mantém os seus cadáveres adiados no topo do poder não os corpos algaleados e amarrados às Unidades de Cuidados Intensivos, mas a corja que os rodeia e teme o colapso que sempre ocorre nos regimes aurocráticos incapazes de aceitar verdadeiramente a lógica democrática.

Podemos, no entanto, olhar para as democracias da Europa e da América neste findar de era como perversões institucionais análogas à de Salazar, Franco e Bouteflika. De democracia, têm ainda a forma e sobretudo a propaganda e os instrumentos legais fortemente controlados pelas partidocracias vigentes. Mas de miolo, já quase nada. Pior ainda: tal como Bouteflika, o estado vegetativo das democracias ocidentais é incapaz de mudar pelos seus prórpios.

A sorte destes regime falidos e sem moral, imagino qual seja. É tudo uma questão de tempo.

Atualizado: 18/04/2014 22:53 WET

Por uma democracia sem partidos - 1

Estado das obras da barragem do Tua em abril de 2014.


Com esta corja não vamos a parte alguma


Portugal não tem partidos de direita, de esquerda, de nada, tem um bando de salafrários que se reúnem para roubar juntos" (José Saramago)

Enquanto for assim, votar é legitimar a cleptocracia que temos e condenar Portugal à extinção. Não votar, pelo contrário, é uma condição necessária à preparação de um DEMOCRACIA SEM PARTIDOS — quer dizer, uma democracia onde os partidos tenham o seu lugar, mas não o execrável monopólio do país que uma vez mais nos conduziu à ruína, à emigração e à tristeza coletiva.

Peixes mortos na barragem (em construção) do rio Sabor, abril, 2014


Mais sobre este mesmo tema:

POST SCRIPTUM

Recebi este email, que vale a pena ler...

Caros
Por enquanto são os peixes, depois seremos nós!!!!
Para produzirem alguns euros, porque o contra embalse transfere e energia barata das eólicas para a hora de ponta com uma perda de 30%.
Para dizerem que têm energia, muita e barata, para fazer não se sabe o quê!!!
Destroem os recursos, solo, água, praias, para não falar da biodiversidade, para não falar da segurança alimentar etc.
Se não alterarmos o rumo (e não é por aumentarmos as pensões e reformas) os nossos netos vão ser uma cambada de velhos caquéticos, a viver em cidades fantasma, vazias de gente, a morrerem de fome e sede, no meio de catástrofes mas cheios de energias renováveis.
Já temos cerca de 1.800.000 casas vazias e somos 10.000.000. Como vêm no jornal estão todos contentes porqe o imobiliário está a renascer e quando formos só 6.000.000 quantas casas teremos.
Os Fluvissolos (para os ignorantes os solos de aluviões e coluviões) nas baixas, os Cambissolos profundos, os Luvissolos e Vertissolos ainda não degradados estão a ficar debaixo de água nas barragens e nas mini-hídricas, debaixo das estradas e das fábricas  (são menos de 5% do território) e depois os que ficarem, os velhos, vão comer voltes e wats???? E o que vão beber com a redução da chuva e a degradação das águas subterrâneas e com as chuvas cada vez menores e com mais intensidade?
E estas ... todas contentes
Um abraço de um velho farto desta gente
Eugénio

Atualizado: 19-03-2014 10:26 WET

quinta-feira, abril 17, 2014

Bruxelas põe Mexia e Passos em sentido. E nós?

Serra de Montemuro, terra queimada nas imediações de um grande parque eólico

 

Nunca se mentiu tanto sobre números e estatísticas


Bruxelas dita diminuição de subsídios às energias renováveis

Euronews, 09/04 19:16 CET

Quando está ao rubro a discussão sobre a dependência da União Europeia (UE) da importação de gás, carvão e petróleo; Bruxelas decide avançar com a diminuição gradual dos subsídios estatais às energias renováveis, tais como a eólica e a solar.
As eólicas e a biomassa
Luís Mira Amaral, Expresso dia 5 de Abril

Segundo a ERSE, em 2013, Portugal consumiu a mesma eletricidade que em 2006, enquanto que nesse ano os famosos Custos de Interesse Económico Geral (CIEG) eram apenas de 500 milhões de euros e em 2013 foram de 2500 milhões de euros! 

Se mais de 150 mil pessoas fogem do país, o desemprego logicamente cai. Se os portugueses diminuem o consumo de gasolina, de gasóleo e de eletricidade, a balança energética logicamente melhora. Não é, pois, por causa das ventoinhas e da propaganda da EDP, da Endesa ou da Iberdrola, que o país vê melhorar a sua autonomia energética. Pelo contrário, o que aconteceu nestes últimos anos foi que, apesar do consumo de energia ter caído e continuar a cair, a fatura elétrica que chega a casa das pessoas e das empresas aumentou, e aumentou acima da inflação!

As renováveis intermitentes (sobretudo as ventoinhas americanas impingidas pela Goldman Sachs ao Mexia a ao Pinóquio, e que nós pagamos em rendas excessivas e ilegítimas) não trouxeram nenhuma diminuição à nossa dependência energética face ao exterior. A melhoria da nossa balança energética só tem uma explicação: importámos menos petróleo e exportámos mais derivados do petróleo importado. As barragens são, pois, um embuste a que este governo indigente não deu ainda a necessária resposta. Se emigrarem mais 150 mil pessoas nos próximos dois a três anos, que tenciona Passos Coelho fazer aos piratas da energia? Continuar a deixá-los sugar a economia e as pessoas em nome das suas aventura financeiras? Permitir que a dívida descomunal da EDP, contraída no casino da bolha eólica americana, seja paga pelos portugueses? Que tal umas lições de História de Portugal no período que se seguiu à perda da teta brasileira... até à subida de Salazar ao poder?

Como um entendido na matéria escrevia hoje:

“A dependência energética de Portugal (saldo importador de energia —importações-exportações— a dividir pela soma do consumo total de energia primária + consumo de energia das bancas marítimas e aéreas) é das mais elevadas da Europa. Analisemos a sua evolução nos últimos anos, segundo a DGEG com valores em percentagem:

Clique para aumentar

Verificamos que a dependência energética tem variado desde 1998, atingindo um pico em 2005, decrescendo depois até 2012, último ano em que existem balanços energéticos disponíveis.

Analisemos então mais em detalhe estes três anos, para poder calcular quais as razões por detrás destas evoluções segundo os dados dos balanços energéticos disponíveis na DGEG, em toneladas equivalentes de petróleo (tep), e mais em particular a diferença entre 2005 e 2012, período em que decorreu o maior investimento nas renováveis intermitentes:

Clique para aumentar

O que resulta desta análise é que as afirmações de António Mexia:

“Ao desenvolver as energias renováveis, a dependência energética em Portugal desceu mais de dez pontos percentuais, de 85% para 75%, de 2005 a 2012”, e “Portugal deixou de importar 4,3 mil milhões de euros de combustíveis fósseis” (Jornal de Negócios-26.3.14)

são totalmente desprovidas de sentido e contrariadas pelos números do balanço energético.

O que acontece é que a diminuição da dependência energética verificada neste período se deve quase exclusivamente à drástica redução do consumo de combustíveis líquidos derivados de petróleo nos transportes, devido ao aumento dos preços, o qual teve uma quebra de 20,7%, conduzindo a uma redução das importações de ramas e derivados em 25,2 % conjugada com o aumento das exportações de produtos refinado em 80,3%, permitida pela margem deixada em capacidade de refinação não usada para o consumo interno.

Se olharmos agora para a fatura energética entre estes dois anos de referência usados pelo CEO da EDP, os números aparecem assim, em milhões de euros:

Clique para aumentar

Na queda da dependência energética de Portugal em 9,4 pontos percentuais, de 88,8% para 79,4%, entre 2005 e 2012, não se constata qualquer redução, nem em valor nem em volume, ligado ao apoio às energias renováveis dados naquele período. Houve sim uma redução substancial do consumo de gasóleo e gasolina devido ao aumento dos seus preços, e só isso justificou a melhoria da dependência energética e o espetacular aumento das exportações de energia.

Quanto aos combustíveis fósseis usados para a geração elétrica – o carvão e o gás natural – houve nesse período um aumento de importações em volume para o gás natural e uma pequena redução para o carvão. Também nesse período se verificou um aumento das importações de eletricidade.  Os 4 mil milhões de euros que Portugal deixou de importar naquele período nada têm que ver com as renováveis, mas sim com a diminuição de importação de ramas e derivados de petróleo para o sector dos transportes. Agora a política de apoio às renováveis intermitentes originou um sobrecusto dessa ordem que não foi absorvido pelos consumidores, e que se acumulou numa dívida tarifária a crescer em bola de neve.”

Bruxelas põe Mexia e Passos em sentido. E nós?

quarta-feira, abril 16, 2014

China prepara globalização do Renminbi




A China precisa de aumentar as suas reservas de ouro para poder lançar o Yuan como moeda de reserva mundial

Temos insistido regularmente nesta tecla. A questão é simples: a China tonou-se o maior importador de petróleo do planeta... Se e quando o dólar cair a pique, o Yuan irá surgir inevitavelmente como uma das principais moedas de reserva mundiais... O ouro é essencial como garantia de uma moeda chinesa de reserva.

Reservas de ouro, 2013 (ton.) - Wikipedia
  • Eurolândia (est. mínima): 10.990,4
  • EUA (supostamente): 8.972,6
  • China: 1.054,1
  • Rússia: 1.041,9 
ÚLTIMA HORA

BRICS countries to set up their own IMF
April 14, 2014 Olga Samofalova, Vzglyad

Very soon, the IMF will cease to be the world's only organization capable of rendering international financial assistance. The BRICS countries are setting up alternative institutions, including a currency reserve pool and a development bank.

Source: Russia Beyond the Headlines

Atualizado: 17/04/2014 01:21 WET

Instituto Camões

Portugal deveria fechar uma dúzia e meia de embaixadas na União Europeia, e potenciar a sério o Instituto Camões, abrindo institutos de língua e cultura portuguesas em Xangai, Pequim, Luanda, Maputo, Casablanca, Caracas, Boston, Londres e Berlim. 

Precisamos de gente com visão neste país!

União Bancária Europeia avança

A escassas semanas das eleições europeias...


Le Parlement européen entérine l'accord sur l'Union bancaire

A menos de um mês da eleições europeias o Parlamento Europeu vota e aprova o segundo pilar da União Bancária: serão os bancos que terão que responder, em primeiro lugar, pelos seus erros, e não os estados e os contribuintes, como ocorreu desde 2008 até hoje. Mais de um banco irá fundir-se ou desaparecer nos próximos anos. Ainda bem!

Por outro lado...

Le Parlement européen approuve le compte bancaire universel

58 milhões de europeus não têm conta bancária, mas a partir de ontem ficou decidido que vão ter direito a ela com custos mínimos garantidos e maior transparência no mercado de comissões e taxas de juro. Um sítio europeu na Web passará a informar quem cobra o quê pelo negócio bancário.

Tordesilhas 2.0



Coisas que estão em marcha e outras que deveriam, mas tardam...


  • Este mapa Google é uma carta onde tenho registado informações que ajudam a pensar o estado do mundo. 
  • A eurocidade Elvas-Badajoz é uma projeção de intenções que fazem sentido numa Península Ibérica em processo avançado de integração económica. Há até uma proposta de itinerário e metamorfose museológicos para a futura eurocidade.
  • As linhas cinzentas assinalam com razoável precisão a nova rede ferroviária de Alta Velocidade da Eurásia (que os Estados Unidos muito gostariam de sabotar).
  • As linhas azuis assinalam algumas das principais rotas intercontinentais do transporte do petróleo e outros recursos vitais.
  • A linha vermelha é uma linha de fratura geoestratégica em formação a que chamo Tordesilhas 2.0.

domingo, abril 13, 2014

Próximo PM: Luís Amado?

Luís Amado, o senhor que se segue no PS?

Alea jacta est


O atual CEO do BANIF e ex-ministro dos negócios estrangeiros do PS, Luís Amado, acaba de explicar às criancinhas porque motivo o PS terá que caminhar para uma grande coligação com o PSD se ganhar as próximas eleições legislativas. António José Seguro, enquanto líder prisioneiro da estouvada Isabel Moreira, tem os dias contados.

Próximo Governo terá de ser de maioria, diz Amado

Em entrevista hoje à Antena 1 e ao Diário Económico, o atual presidente do Conselho Administração do Banif considera que “o país aprendeu com os erros”.

“Tivemos durante muitos anos governos minoritários, que tiveram dificuldade em imprimir a ação governativa, uma linha de estabilidade e de coerência programática e política que pudessem resolver alguns problemas estruturais do país”, sublinha. Por isso, o próximo executivo poderá ser “outra coligação, mas tem que haver um governo de maioria”.

“Creio que ninguém duvida hoje que não haverá condições, nem nenhum Presidente da República dará posse a um governo minoritário no atual contexto. Portanto, terá de haver um entendimento”, sustenta.

DN Política, 12/04/2014

O senhor Seguro esqueceu-se de fazer o seu seguro de vida como SGPS. Ou seja, está a prazo e a prazo muito curto. Aliás, o CEO sombra da Mota-Engil já está no lugar certo para o golpe de coelho quando for preciso dá-lo. Quem será o sucessor de Seguro? António Costa? Prefiro pensar em Luís Amado. A entrevista que acaba de dar à Antena 1, revela que já é mais do que uma hipótese.

Sem maioria, com quem irá o PS coligar-se? Com o PCP? A probabilidade de tal acontecer anda muito próxima de zero. Com o resto do Bloco? Risível. Sendo assim, só restam duas hipóteses: ou ganha as eleições, mas não forma governo, ou então terá que aceitar o grande abraço atlântico de José Manuel Durão Barroso. É assim tão difícil de entender?

Os rendeiros da fome

Propaganda do Banco Alimentar Contra a Fome

Risco de pobreza: o limiar em Portugal diminuiu para 421 euros
A taxa de risco de pobreza antes e após as transferências sociais em Portugal tem vindo a diminuir desde 2001, embora de forma não linear. Observatório das Desigualdades, 2010
O alarmismo sobre a pobreza e a fome em Portugal serve sobretudo os interesses da corja devorista que não sabe fazer nada sem o dinheiro dos contribuintes. As mais de 5000 IPSS deste país cresceram como cogumelos nos anos da crise e, no entanto, o risco de pobreza no nosso país anda pela média europeia —ligeiramente abaixo dessa média antes das transferências sociais, e ligeiramente acima depois das transferências. Mas o mais surpreendente é que não há praticamente variação destas estatísticas entre 2001 e 2010, por muito que os populistas do PS, do PCP e do Bloco gritem. Ou muito me engano, ou os números não só não pioraram, como melhoraram em 2012 e 2013 — nomeadamente pelo efeito induzido da emigração. A quem serve, pois, o alarido sobre a fome? A resposta é simples: a quem mais beneficia do dinheiro público distribuído para mitigar as carências sociais do país, e que não são certamente os beneficiários do Rendimento Social de Inserção; e ainda aos partidos políticos que compram votos vendendo ilusões sobre improváveis lotarias futuras.

Eurostat, 2011

Em 2012 escrevemos:
...as transferências correntes, subsídios e transferências de capital para as instituições sem fins lucrativos (IPSS) que o Orçamento de Estado para 2013 prevê é da ordem dos dois mil milhões de euros. Se somarmos a este valor as verbas previstas para o RSI (303.900.000€) teremos um resultado de despesa orçamental de natureza social na ordem dos 2.303.900.000€ — ou seja, mais do que a totalidade das transferências do orçamento de 2013 para o poder local!

Se o valor apurado for distribuído pelas 280 mil pessoas que supostamente passam fome, o seu rendimento mensal instantâneo seria de 685,68€. Alguém me explica como pode esta gente passar fome?!

Se há zonas de penumbra na sociedade portuguesa são as fundações mendicantes, as fundações que ajudam os seus beneméritos a fugir ao fisco, e a Caridade!

46% das receitas das IPSS provêm de transferências do estado: ou seja, este terceiro sector já vale no nosso país mais de 4.000 milhões de euros, e praticamente não paga impostos, nomeadamente em sede de IMI, IMT, IRS e IVA.

in Qual fome?

Menos de €1,50 é o preço por refeição praticado por muitas empresas que fornecem escolas e IPSS.

No entanto, sabe-se que algumas destas empresas são 'convidadas' a comprar parte da matéria prima das refeições às próprias IPSS que fornecem, matéria prima essa que foi entregue gratuitamente às mesmas IPSS por grandes superfícies comerciais e pelos ditos bancos alimentares contra a fome. Este é um caso óbvio de corrupção descarada. Resta conhecer a extensão do fenómeno.

As operações dos bancos alimentares junto das grandes superfícies traduzem-se em receitas extraordinárias para estas últimas, as quais já fornecem gratuitamente alimentos (cujos prazos de validade se aproximam do termo) às IPSS, ao abrigo de isenções fiscais associadas.

Façamos, por fim, uma conta simples, para contestar de uma vez por todas o alarido sobre a fome em Portugal: admitamos que existem neste momento 330 mil beneficiários do RSI (em 2012, segundo números oficiais, eram 329.274), e que cada um toma três refeições por dia, fornecidas pelas mesmas empresas comerciais que hoje praticam preços na ordem dos €1,50 por refeição.

O custo para o contribuinte que subsidia o RSI com impostos saídos do seu bolso seria então este:

330.000 beneficiários do RSI x €1,50 x 3 refeições x 365 dias = €542.025.000,00

Se acrescermos a esta transferência, que deveria ser adjudicada exclusivamente a fornecedores profissionais certificados, o valor do RSI previsto no OE2013 (303.900.000€), teríamos uma despesa pública total com as 330 mil pessoas mais desfavorecidas do país na ordem dos €845.925.000, ou seja, menos de mil milhões de euros.

No entanto, os subsídios e outras transferências do estado previstos para as organizações sem fins lucrativos em 2013 custarão aos contribuintes €2.008.768.424,00. Dirão que não computei as verbas que vão para os lares de idosos e acamados. É verdade, mas lá iremos assim que a informação escondida vier ao de cima.

Só nas faturas da eletricidade pagámos em 2013, para além do custo da energia, em rendas excessivas à EDP, RTP, autarquias e regiões autónomas, três vezes mais —2.500 milhões de euros (1)— do que a verba necessária para acabar com a demagogia sobre a fome e o risco de pobreza em Portugal.


NOTAS
  1.  Como escreveu recentemente no Expresso Luís Mira Amaral:
“Segundo a ERSE, em 2013, Portugal consumiu a mesma eletricidade que em 2006, enquanto que nesse ano os famosos Custos de Interesse Económico Geral (CIEG) eram apenas de 500 milhões de euros e em 2013 foram de 2500 milhões de euros! Eis o monstro elétrico em todo o seu esplendor! Contra factos não há argumentos!”