quinta-feira, novembro 29, 2007

Venezuela

Hugo Chavez
Hugo Chávez, vítima de provocação da CNN? CIA envolvida em novo golpe?

¿QUIÉN LO MATÓ? ("Operação Tenaz")

A edição em Espanhol da CNN transmitiu no dia 27-11 uma imagem de Hugo Chávez com a seguinte legenda: "¿Quién lo Mató?". A imagem e a legenda estiveram no ar durante 7 segundos. Mais tarde, a CNN desculpou-se face ao que considerou ter sido um infeliz incidente técnico. Segundo a CNN, a legenda dizia respeito a uma notícia publicada depois, no alinhamento das notícias, sobre a misteriosa morte de um desportista. O certo é que Chávez não gostou e pondera processar a CNN por incitamento subliminar ao magnicídio do presidente eleito da Venezuela. Depois do "¿Por qué no te callas?", proferido pelo bourbónico rei de Espanha, a gaffe de um dos principais órgãos de propaganda do governo Bush, dá para pensar que o homem tem mesmo inimigos de peso!

Entretanto, coisa mais séria, para não dizer grave, o canal governamental Venezolana de Televisión, divulgou parte de um Memorandum secreto, datado de 20 de Novembro último, obtido pelos serviços de contra-espionagem venezuelanos, dando conta de um plano da CIA para destabilizar o regime de Chávez antes do referendo constitucional de 2 de Dezembro próximo. Este suposto plano será brevemente divulgado na íntegra, para conhecimento público e verificação da sua autenticidade.

O Memorandum, muito preocupante pelos seus declarados objectivos, chega a mencionar a "execução de acções militares de apoio a mobilizações da oposição e ocupações propagandisticas"! Imagine-se que algum país montava semelhante operação contra os EUA, ou contra o Reino Unido, ou contra a França, ou mesmo contra a Espanha, como seria visto? Que lhe aconteceria? Como reagiriam os média, i.e., os meios de propaganda oficiais? Ouviram alguma referência a este assunto na imprensa portuguesa ou espanhola? Pois não!

O chamado Ocidente empobrece dia a dia, mas não perde os maus hábitos imperiais. Se não se emendar, vai acabar por aprender da pior maneira. Isto é pagando o petróleo e o gás natural muito caros!

CIA Operation "Pliers" Uncovered in Venezuela

Last night CNN en Español aired the above image, which captions at the bottom "Who Killed him?" by "accident". The image of President Chavez with the caption about killing him below, which some could say subliminally incites to assassination, was a "production error" mistakenly made in the CNN en Español newsroom. The news anchor had been narrarating a story about the situation between Colombia and Venezuela and then switched to a story about an unsolved homicide but - oops - someone forgot to change the screen image and President Chavez was left with the killing statement below. Today they apologized and admitted it was a rather "unfortunate" and "regrettable" mistake. Yes, it was.

On a scarier note, an internal CIA memorandum has been obtained by Venezuelan counterintelligence from the US Embassy in Caracas that reveals a very sinister - almost fantastical, were it not true - plan to destabilize Venezuela during the coming days. The plan, titled "OPERATION PLIERS" was authored by CIA Officer Michael Middleton Steere and was addressed to CIA Director General Michael Hayden in Washington. Steere is stationed at the US Embassy in Caracas under the guise of a Regional Affairs Officer. The internal memorandum, dated November 20, 2007, references the "Advances of the Final Stage of Operation Pliers", and confirms that the operation is coordinated by the team of Human Intelligence (HUMINT) in Venezuela. The memo summarizes the different scenarios that the CIA has been working on in Venezuela for the upcoming referendum vote on December 2nd. The Electoral Scenario, as it's phrased, confirms that the voting tendencies will not change substantially before Sunday, December 2nd, and that the SI (YES) vote in favor of the constitutional reform has an advantage of about 10-13 points over the NO vote. The CIA estimates abstention around 60% and states in the memo that this voting tendency is irreversible before the elections. -- in Global Research.




"La Abogada y escritora Venezolana-Estadounidense Eva Golinger, denunció en el programa La Hojilla que conduce Mario Silva, el nuevo intervencionismo del imperio gringo en Venezuela, mediante ONGs financiadas con miles de dólares procedentes de la CIA, NED, USAI entre otras, penetrando en esta ocasión a organizaciones comunitarias en el interior del país, especialmente en los Estados Sucre, Aragua, Mérida y Tachira."

Venezuela, Operación Tenaza: Informe confidencial de la CIA devela plan de saboteo al referéndum del 2 de diciembre

27/11/07. A continuación presentamos el informe completo de la operación que tiene la Agencia Central de Inteligencia (CIA) en nuestro país dirigido a evitar la Victoria del SÍ en el Referendum de la Reforma Constitucional del próximo 2 de Diciembre. -- Aporrea.org

Este informe confidencial, fue leído parcialmente en la edición del programa La Hojilla en TV por Venezolana de Televisión del día 26 de Noviembre. -- in Aporrea.org.


OAM 284, 29-11-2007, 23:27

segunda-feira, novembro 26, 2007

Aeroportos 44


Airbus A350, Cockpit
Cockpit do A350, o avião escolhido pela TAP para voos de Longo Curso a partir de 2014.

Laissez faire, laissez passer Montijo!

Esquadra 601 será transferida para a Base de Beja em 2008
26-11-2007. A Esquadra 601 «Lobos», sedeada na Base Aérea nº 6 (Montijo), será transferida em 2008 para a Base Aérea nº 11 (Beja), que ficará com quatro esquadras, disse hoje à agência Lusa fonte da Força Aérea Portuguesa (FAP) -- SOL. RTP.

Presidente da TAP já aceita discutir solução Portela + 1
26-11-2007. O presidente da TAP já aceita discutir a solução Portela + 1 caso o aeroporto da capital seja inteiramente direccionado para a operação da trasportadora nacional. -- Jornal de Negócios.

TAP vai comprar mais oito A320
A TAP vai assinar hoje em Toulouse um contrato para a compra de oito Airbus A320 e vai ainda tomar firme a compra de doze A350, cujo primeiro será recebido em 2014. A companhia aérea fica ainda com a opção de adquirir mais três A350. -- Jornal de Negócios.

Ou sou muito burro, ou a consigna que há muito circula entre internautas, sobre o futuro da indústria aeroportuária nacional -- "TUDO A BATER CERTO!" -- teve hoje a sua confirmação. A data prevista para o Novo Aeroporto de Lisboa e a sua cidade aeroportuária, 2015-2016, é incompatível com a necessidade de responder imediatamente ao desafio lançado pelas companhias Low Cost ao sector da aviação comercial de passageiros na Europa.

A TAP está a perder, ao ritmo actual dos cancelamentos, mais de mil voos por ano! Por outro lado, as companhias de Low Cost são o principal factor do aumento acentuado de visitas ao nosso país, tanto no Algarve, como em Lisboa e no Porto. Sob pena de um completo descalabro, a TAP (ou melhor o Governo) percebeu finalmente que é do seu interesse colocar as Low Cost, as Charter e a maioria das companhias de bandeira no Montijo, o mais depressa possível, reservando para si e para os voos de ligação, o aeroporto da Portela, assim que devidamente ampliado e melhorado.

O Terminal 2 é uma vergonha e deve ser remodelado (à custa de quem o desenhou!) A ampliação do terminal 1 deve iniciar-se o mais rapidamente possível, transformando-o numa coisa decente e funcional. O taxi-way da Portela deve ser ampliado, por forma a evitar o cruzamento de pistas. A pista 03/21 deve ser aumentada por forma a permitir que os aviões sobrevoem a maior altitude a zona de Entre-campos e Universidade quando descolam para Sul. O sistema de gestão de bagagens deve ser automatizado. A actual gerência do aeroporto deve ir para a rua!

Entretanto, Beja dará uma boa infraestrutura para a Base Aérea nº6 (Montijo), e o campo de tiro de Alcochete ficará melhor acomodado nos arredores de Serpa. Assim, em vez do projectado aeromoscas anunciado por José Sócrates, teremos um aeroporto remodelado, que até pode ser misto, servindo simultaneamente necessidades militares e civis, como a de alguns Corporate Jets captados pelas novas indústrias turísticas de luxo previstas para o distrito (estou a pensar nos sonhos de José Roquete.) Entretanto, manda a prudência que Alcochete fique a aguardar em banho-maria, isto é, sem desperdiçar muito mais dinheiro em estudos.

Bem vistas as coisas, os euros de Bruxelas dão para tanto, mas não para mais!

OAM 283, 26-11-2007, 21:59

sábado, novembro 24, 2007

Espanha 3

Menos mal que nos queda Portugal

"El lehendakari Juan José Ibarretxe ha convocado a los ciudadanos vascos a una consulta popular para el 25 de octubre de 2008. La elección de la fecha no es casual, ya que coincide con el aniversario del Estatuto de Gernika." -- PÚBLICO / AGENCIAS - VITORIA - 28/09/2007 10:45.


"Serbian Prime Minister Vojislav Kostunica said on Saturday that the government has been preparing measures and action plans to reject ethnic Albanians unilateral declaring Kosovo's independence.

"The entire Serbia must strongly and unequivocally show that it does not recognize that illegal entity and that the province of Kosovo and Metohija is an integral and inalienable part of Serbia," Kostunica said in a statement.

Kosovo, which legally remains a Serbian province, has been under U.N. administration since 1999. The predominantly Albanians of the 2 million population demand outright independence instead of maximum autonomy offered by Serbia." -- BELGRADE, Nov. 24 (Xinhua) -- Xinhuanet, 2007-11-25.


What kind of Europe are we likely to see in 2057? There are three major elements in any response to this question. First of all, given the precipitate geopolitical decline of the United States, we are living amidst the creation of a truly multipolar world-system. The question for Europe is whether it can compete - economically, politically, culturally - not with the United States but with East Asia. This depends in part on whether or not East Asia (China, Japan, and Korea) will come together in a meaningful way. But it also depends on whether Europe is able to create a more politically cohesive structure and, on top of that, will be one that includes both Russia and Turkey. -- Immanuel Wallerstein, "Europe, 2057".

Um dos desígnios estratégicos do Reino de Espanha desde a união entre Castela e Aragão, em 1469, tem sido sempre reunir os territórios e povos ibéricos sob um poder único. Nunca tal foi possível, salvo no período de 60 anos (1580-1640) em que foi estabelecida a união com Portugal, na sequência da crise dinástica provocada pela morte do rei português de então (Sebastião) na batalha dos Três Reis, em Alcácer Quibir (Marrocos). Em rigor, nem sequer durante aquele período houve uma completa união ibérica (e portanto uma Espanha única propriamente dita), pois persistiram formalmente duas coroas em funções, com os seus territórios bem delimitados, moedas próprias e fronteiras aduaneiras: a união entre Castela-Aragão e Portugal, e Navarra. O fim definitivo do reino de Navarra e consequente submissão ao "Reino de Espanha" (designação que aparece após a união entre Castela-Aragão e Portugal) só viria a ocorrer em 1841, na sequência de uma guerra civil. As guerras civis dentro do Reino de Espanha foram, aliás, menos esporádicas do que se pensa -- 1702-1744, 1833-1840, 1872-1876, 1936-1939 --, tendo invariavelmente como pano de fundo a unidade estratégica projectada pelos Reis Católicos. Em suma, o uso da expressão Reino de Espanha ("Espanha", no singular) como denominação oficial de Estado, só é fixada no século XIX, em 1868, na sequência da Revolución de 1868, ou La Gloriosa (1).

Sempre que Portugal atravessou crises graves de sucessão ou foi ameaçado por potências estrangeiras, a Espanha Castelhana aproveitou ou tentou aproveitar a oportunidade. Foi assim durante a crise dinástica de 1383-1385 (ainda antes, portanto, da existência da união Castela-Aragão). Foi assim com a crise dinástica aberta pela morte do rei Sebastião em Marrocos (que levaria o duque de Alba a conquistar pela força, em 1580, o reino português, para a coroa castelhana-aragonesa). Foi assim por ocasião da restauração da independência portuguesa, em 1640-1668, com a perda de Ceuta para os Reis Católicos. Foi assim durante as Invasões Francesas, com a tentativa de retalhar Portugal entre a França e o Reino Católico de Espanha, de que resultaria a usurpação de Olivença (cuja devolução a Portugal, acordada em 1814-1815, no Congresso de Viena, ainda está por cumprir.) Foi assim com o pacto secreto entre Hitler e Franco, que previa a anexação de Portugal pela Espanha Franquista, no rescaldo da vitória alemã, que felizmente não ocorreu. E parece estar a ser outra vez assim com a Espanha pós-Franquista, aproveitando-se esta da persistente crise de liderança política em Portugal, para o controlo progressivo de alguns sectores estratégicos da nossa economia -- energia, banca (Totta, BPI, BCP), telecomunicações (PT), transportes e redes viárias (Alta Velocidade ferroviária e Brisa), produção agro-alimentar --, e ainda para a propaganda intelectual duma espécie de Iberismo recauchutado e neo-liberal, encabeçada pelo El País, socorrendo-se para tal de escritores sofríveis (Saramago e Grass), cujas intuições ideológicas e apostas históricas inspiram os maiores cuidados!

As movimentações de Madrid têm, porém, no actual momento, um aspecto contraditório: enquanto pressionam paulatinamente o nosso país no sentido de uma maior integração subordinada ao contexto ibérico, por outro, parecem cada vez mais incapazes de segurar a unidade interna do próprio Reino de Espanha. As autonomias do País Vasco e da Catalunha dirigem-se inexoravelmente para a independência, legitimadas aliás pelos exemplos da Irlanda e da Escócia, de várias repúblicas centro-europeias recentemente libertas ou em fase de libertação de antigas potências, e sobretudo do Kosovo. Não é outra a lógica da União Europeia!

O Reino de Espanha, que sofreu recentemente dois enormes revezes diplomáticos -- o primeiro, em Marrocos, e o segundo, num conjunto de países da América Latina (Venezuela, Argentina, Bolívia e Equador) -- caminha, no seu próprio território, para uma conjuntura particularmente crítica, alimentada pelas tensões independentistas e pela contaminação do abalo financeiro mundial actualmente em curso e que poderá ocorrer a qualquer momento. A direita e a extrema direita espanholistas estiveram até agora adormecidas por uma abundância superficial, mas as suas cabeças venenosas e violentas começam a assomar à varanda da crise que se avista no horizonte. Daí que o desejo madrileno por Lisboa me pareça mais um reflexo defensivo, do que a mera prossecução do desígnio estratégico, originalmente congeminado por Isabel de Castela e Fernando de Aragão, que permitiu à península ser o berço de dois imensos impérios coloniais.

Mas se é assim, teremos que trabalhar todos em plena e franca colaboração de vontades e inteligências para uma nova acomodação das várias antropologias e culturas ibéricas, prudente, negociada, equilibrada, sem centros radiais, referendária sempre que se justificar, e tendo um horizonte suficientemente generoso para tão complexa transição. O ano de 2057 parece-me justo! A Ibéria de Unamuno e Antero de Quental, se for tratada com muito carinho e bom senso, poderá um dia ser uma das malhas apertadas de nações de uma rede maior, a Eurásia, sem que ninguém perca nada, e todos ganhem alguma coisa. Se foi possível fazer avançar os eternos rivais europeus para a grande União que hoje somos, porque motivo não poderemos sonhar com uma Confederação Ibérica dentro da primeira?

O que será sempre intolerável é confundirmos a razão democrática com agendas secretas e insidiosas que, em nome dos bons princípios, pretendem prosseguir ambições deslocadas do espaço-tempo da humanidade.

Para dar, neste sentido, um sinal de visão estratégica inconfundível, bastaria elevar a Língua Portuguesa e o Castelhano ao patamar de idiomas oficiais da Ibéria, ensinados em toda a península desde a mais tenra idade. A decisão é racional e pragmática. Sem entendermos isto, que é básico, dificilmente iremos a alguma parte.


Post scriptum -- Alguém me questionou sobre o lugar do Catalão e do Basco na "minha política linguística". Respondo assim: enquanto os idiomas português e castelhano seriam adoptados à escala de uma futura Confederação Ibérica, basicamente por causa da sua origem, estatuto actual e expressão internacional, as línguas catalã e basca deveriam ser oficiais nas respectivas nações e opcionais no resto da península. O Galego, por razões históricas e propriamente linguísticas, deveria integrar-se na corrente geral do Português, enriquecendo-o com as suas variantes vernaculares.

NOTAS
  1. ERRO MEU! Ao contrário do que escrevi acima, verifiquei no passado mês de março de 2013, que a expressão 'Reyes de españa' aparece inscrita no planisfério do português Diogo Ribeiro (assina Diego Ribero), desenhado em Sevilha no ano de 1529, e no qual aparece claramente delimitado o Tratado de Tordesilhas, assinado em 1494. É ainda curioso notar que num globo chinês construído por Manuel Dias e Niccolo Longobardo, em 1623, e exibido com o planisfério acima referido na exposição 360º (Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2mar-2jun, 2013) a Austrália continua a não aparecer representada.

OAM 282, 25-11-2007, 03:54 

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 8 abr 2013 - 17:20 WET

quinta-feira, novembro 22, 2007

Aeroportos 43

TGV
A União Europeia decidiu privilegiar, como prevíramos, a Alta Velocidade ferroviária
em detrimento dos aviões nos trajecto até 800Km.

Pato-bravo Lusitano (espécie em vias de extinção)


CIP: sector da construção admite abandonar confederação
Construtores fazem ultimato a Van Zeller

A 'guerra' está instalada entre os patrões. A falta de uma reacção firme às declarações do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Amaral Tomaz, sobre as empresas envolvidas em fraudes fiscais, e o estudo realizado sobre a localização do novo aeroporto revoltaram os empresários da construção civil, que ameaçam deixar a Confederação da Indústria Portuguesa (CIP) se Francisco Van Zeller não abandonar a presidência da CIP. -- Correio da Manhã, 22-11-2007 00:00.

O confraria bancário-betoneira está desesperada! Montou uma armadilha ao patrão da CIP e espera agora, depois da carambola iniciada pelas declarações do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Amaral Tomaz, arrumar com o projecto de Alcochete e retomar o embuste da Ota. É certo que a CIP e o Prof Viegas se puseram a jeito. Mas nada justifica a opereta em curso.

A crise financeira mundial, que teve origem no rebentamento da monumental borbulha imobiliária criada pelo consórcio bancário-betoneiro americano e europeu, ainda vai no adro. A rede de casinos que se dedica à emissão de dinheiro virtual e a transaccionar dívidas públicas e privadas como se de matérias primas, ou transformadas, se tratasse, destruindo paulatinamente a verdadeira actividade produtiva dos povos, ainda nos reserva muitas e desagradáveis surpresas. Entre estas, poderemos certamente esperar pelas falências estrondosas de alguns bancos e seguradoras em ambas as margens do Atlântico. No momento preciso desta crónica, rumores sobre aberturas eminentes de falência cruzam o éter da rede a velocidades estonteantes!

Ora bem, manda a prudência que não se assinem quaisquer contratos de médio ou longo prazo com nenhum banco, seguradora ou construtora civil (nomeadamente OPAs, fusões e Parcerias Público Privadas), nem muito menos se façam aplicações financeiras fora de algumas zonas de confiança muito restritas (petróleo, metais preciosos, ...) enquanto persistir o actual grau de elevadíssima contaminação dos mercados financeiros mundiais. A falência do dólar está neste momento a funcionar como um buraco negro para o qual boa parte da liquidez virtual criada nas últimas décadas se precipita a velocidade estonteante. Assim sendo, no que se refere a grandes projectos em estudo, só há uma atitude certa a tomar: parar para ver!


Ferrovia: 557M-euros; aeroportos: 69M-euros

A Comissão Europeia decidiu atribuir a Portugal financiamentos de 556,8 milhões de euros para o projecto ferroviário de alta velocidade, e 69 milhões de euros para o futuro aeroporto de Lisboa, revelou hoje em Bruxelas o executivo comunitário.

A Comissão anunciou hoje a distribuição entre os Estados-membros de um orçamento de mais de 5 mil milhões de euros (para o período 2007-2013), entre 30 grandes projectos prioritários de transporte a ligar a Europa, tendo os projectos ferroviários absorvido a grande fatia destes fundos (3,9 mil milhões de euros, ou seja, 74,2 por cento), e Portugal visto correspondidas as suas pretensões. -- Diário Digital / Lusa; 21-11-2007 14:00:00

O recado da Comissão Europeia é bem claro. Portugal é demasiado pequeno para aventuras fora de moda em matéria de transporte aéreo! Por um lado, não temos nem massa crítica nem mercado para nos lançarmos em Hubs intercontinentais, e por outro, 82% das ligações aéreas que partem ou chegam a Portugal ocorrem num raio de 2300 Km (i.e, na Europa!), ou seja, situações ideais para transportes aéreos em regime de eficiência Low Cost, ou para viajar de comboio, em Velocidade Elevada ou em Alta Velocidade. Que precisa o Presidente da República, já que o governo não liga se não à confraria bancário-betoneira, e aos rapazes de Macau, para explicar-nos a todos a sua visão sobre este tema e as medidas que estará disposto a tomar para fazer o governo regressar aos carris da responsabilidade e da transparência democráticas?


"Problema com bagagens é uma questão do aeroporto"
(Paulo Campos dixit)

O secretário de Estado das Obras Públicas, Paulo Campos, considera que o problema de gestão de bagagens existente no aeroporto de Lisboa prende-se, essencialmente, com questões relacionadas com a infraestrutura aeroportuária e não com a gestão da maior operadora da Portugal, Groundforce. -- Jornal de Negócios, 20-11-2007
Imaginem que as caixas dos supermercados voltavam a funcionar com o lápis atrás da orelha. Pois é isso que acontece com a manipulação das bagagens no aeroporto da Portela! Por culpa de quem? Pois da administração do aeroporto, isto é da ANA, do Governo e de todos aqueles que pretendem demonstrar que o actual aeroporto internacional de Lisboa está gasto e ultrapassado. Este sound bite não passa de uma ideia-feita muito longe da verdade, apesar da vergonha que foi até ao momento a operação Terminal 2 -- mais uma manobra de diversão destinada a demonstrar que a Portela não serve... os interesses do bando bancário-betoneiro!

OAM 281, 22-11-2007, 16:59

quarta-feira, novembro 21, 2007

Aeroportos 42

Michael O'Leary, patrão da Ryanair
Michael O'Leary, patrão da Ryanair

Ryanair acusa ANA de atrapalhar "Sá Carneiro"

Presstur 20-11-2007 (12h30). O CEO da Ryanair, Michael O'Leary, afirmou hoje no Porto que a low cost quer abrir uma base no aeroporto da segunda maior cidade do País, mas que os custos "são muitos altos" e falta "as autoridades de Lisboa" terem uma "atitude mais comercial".

Com a abertura dessa base, argumentou, a Ryanair poderia triplicar o número de passageiros de e para o Porto, passando de um milhão para três milhões.
"As autoridades em Lisboa estão a condicionar esse aumento", acusou O'Leary, depois de dizer que "têm que ter uma atitude mais comercial e dar ao Porto a liberdade para dar as mesmas condições que os aeroportos espanhóis".

Há muito que sabemos que os planos do dromedário do MOPTC é privatizar a ANA (Aeroportos e Navegação Aérea), um monopólio de Estado, fazendo deste monopólio público um monopólio privado, para depois o oferecer, de mão beijada, ao consórcio bancário-betoneiro que vier a ganhar o concurso internacional para a construção do Novo Aeroporto de Lisboa (NAL). Como se esta enormidade fosse insuficiente, o dromedário do MOPTC prepara-se ainda para leiloar os terrenos da Portela (que são de Lisboa!) com a intenção de entregar a massa resultante ao mesmo consórcio. Para culminar tamanho esbulho patrimonial, e à semelhança da tramóia esgalhada para as Estradas de Portugal, a criatura do cachimbo também deve ter preparado uma concessão de 90 anos ao consórcio bandido candidato à destruição do sistema de transportes do país. Pergunta: se o que é bom para o Porto e norte de Portugal é mau para a ANA, em que ficamos? Quem tem precedência? O país e a economia, ou a vigarice de Estado?

Seria bom que José Sócrates aproveitasse a visita-relâmpago de Hugo Chávez a São Bento, para meditar um pouco sobre o que acontece aos países onde os líderes se confundem com a escumalha. Os sinais de impaciência na Europa (Dinamarca, França, Espanha...) multiplicam-se. Por todas as razões e mais algumas temos que impedir o esvaimento dos Estados às mãos do gangsterismo financeiro. A economia não está para brincadeiras, e duvido que as democracias europeias aturem por muito mais tempo a incompetência, imbecilidade e fragilidade moral das suas cada vez mais cínicas, decadentes e corruptas elites. Para já, senhor Sócrates, prepare-se para perder as próximas eleições!



POST SCRIPTUM

Vozes do Norte contestam obstáculos da ANA à Ryanair

"O aeroporto do Porto arrisca perder a oportunidade de conseguir atrair, nos próximos sete anos, quatro milhões de passageiros da Ryanair. Tudo porque a ANA (empresa que faz a gestão dos aeroportos) não se tem mostrado receptiva a fazer algumas cedências que permitam a criação de uma base daquela companhia aérea de baixo custo no Aeroporto Francisco Sá Carneiro. A possibilidade de o Norte estar a 'desperdiçar' uma oportunidade de desenvolvimento está a indignar políticos e empresários. O PSD/Porto vai pedir esclarecimentos ao Ministério das Obras Públicas 'por suspeita de favorecimento do aeroporto de Lisboa'". -- JN, 23-11-2007

Comentário: O Porto tem que se afirmar decididamente como a capital do Noroeste Peninsular, para assim ajudar a fortalecer a cada vez mais estratégica frente atlântica da Península Ibérica (Sines-Setúbal-Lisboa-Figueira da Foz-Aveiro-Porto-Vigo-Corunha). O facto de a Low Cost interessada em contribuir para esta dinâmica ser de nacionalidade Irlandesa é mais um argumento a favor de um protagonismo que só o Porto deve assumir, e que os lóbis saloios (há anos que vivem entre a Quinta da Marinha e Sintra) deveriam acolher de braços abertos, se não estivessem, neste preciso momento, prisioneiros duma cáfila bancário-betoneira e da tríade macaense.

Que o senhor Juan Carlos de Bourbon e o governo de Madrid não estejam nada interessados num maior protagonismo do aeroporto Sá Carneiro, e em geral do Porto, entende-se. E até percebo que a sua diplomacia (muito desastrada ultimamente) pressione Lisboa com o papão dos nacionalismos ibéricos, como sempre fizeram, e vêm repetindo ultimamente, ecoando "sound bites" de escritores com grande tendência para apostas historicamente desastrosas. Mas que haja indecisos e imbecis, em Belém e no Terreiro do Paço, que não estejam a ver o filme, já me parece uma desgraça. Seja como for, para já, cumpre às elites Nortenhas saírem dos seus Ferraris de uma vez por todas e dizerem claramente o que querem, como querem e o que estão dispostos a fazer para obterem o bem do país. Falem claro, e serão ouvidos!

O futuro não passa mais pela construção civil, mas pelos portos, pelo mar, pela ferrovia, pela agricultura biológica de alto rendimento, por indústrias de conhecimento estrategicamente especializadas, pelo turismo residencial de luxo e por transformar Lisboa e Porto em duas grandes metrópoles viradas para um novo cosmopolitismo sustentável. É toda uma aventura pela frente, no mar encapelado da transição energética em curso. P'ra frente é que é o caminho! -- OAM

A insofismável ANA: taxas estão na média europeia...

Lisboa, 21 Nov (Lusa) - "O presidente do Aeroporto de Lisboa negou hoje que as taxa aeroportuárias praticadas pela gestora aeroportuária ANA impeçam a expansão da companhia aérea de baixo custo Ryanair, sublinhando que os valores cobrados 'estão dentro da média' europeia."

Comentário (recuperado de RMVS): o problema não está na média europeia, mas nos preços praticados pelos aeroportos espanhóis: 1/3 dos preços aplicados pela ANA!

O monopólio lusitano que ameaça rebentar com a estratégia aeroportuária mais favorável a Portugal, empurrando as Bases Low Cost, nomeadamente da Ryanair, para Vigo, Badajós e Jerez de la Frontera, não age pela sua própria cabeça, que não tem. Assim sendo, se o pior acontecer, será antes do Verão de 2008. Se o pior acontecer, será insuficiente despedir os imbecis da ANA e a criatura do cachimbo. Se o pior acontecer, é José Sócrates que deverá levar um ajustado coice eleitoral!

O futuro da aviação europeia chama-se Low Cost, sendo que o conceito aeroportuário deste novo modelo de negócio e de transporte, não é o famoso embuste da OTA, nem as Cidades Aeroportuárias do ex-ministro consultor Augusto Mateus, mas as chamadas Bases Low Cost, ou seja, aeroportos de dimensão suficiente, frequentemente secundários, sem desnecessárias infraestruturas de apoio e com taxas muito competitivas, não necessariamente próximos das grandes cidades, inseridos em boas redes de transportes rodo e sobretudo ferroviárias. Quer dizer, o contrário da única coisa que o corrupto lóbi bancário-betoneiro sabe fazer. Quer dizer, o contrário daquilo que o Banco Central Europeu acaba de recomendar à Eslovénia: não sigam Portugal! Sigam a Irlanda!!

Como diz Manuel Alegre, o país está a regressar à Idade Média em matéria de transportes e circulação cidadã. E eu insisto: o actual sistema partidário faliu. Tornou-se num monstro ineficiente, corrupto, imbecil, abrupto e traiçoeiro. É preciso refundar urgentemente a Política Democrática no Mundo, na Europa e em Portugal. -- OAM


O centralismo da ANA
"Este conflito entre Michael O'Leary e a ANA só acontece porque a ANA é uma empresa pública monopolista tutelada pelo poder central. Acumula todos os factores que podem reduzir significativamente a capacidade de uma empresa para servir decentemente os seus clientes. Se não fosse monopolista, faria tudo para conseguir um contrato com a Ryanair antes dos concorrentes. Se não fosse uma empresa pública, estaria preocupada em rentabilizar o mais rapidamente possível um aeroporto sub-utilizado. Se em vez de ser tutelada pelo Governo central fosse tutelada por um governo regional, seria forçada a por esse governo a promover os interesses económicos da região que o aeroporto deveria servir. Como a ANA é tutelada pelo Estado central, reflecte uma visão centralista do país. Está mais preocupada com os interesses estratégicos da TAP e com a viabilização do futuro grande aeroporto de Lisboa do que com os seus próprios lucros ou com o desenvolvimento das regiões onde se localizam os seus aeroportos." -- João Miranda, DN, 24-11-2007.


Comentário: Até que enfim que o jornalismo cada vez mais amarelo que temos começa a revelar opiniões diversas da Propaganda das agências, paga pelo Governo com o dinheiro dos contribuintes! João Miranda escreveu um texto certeiro sobre a pouca vergonha da ANA. Vale a pena lê-lo na íntegra.
O grande problema das empresas públicas e demais organismos tutelados pelo Estado é que têm vindo a ser paulatinamente entregues a imbecis geneticamente modificados na piscina endogâmica do Bloco Central. Resultado: estão a conduzir o país à ruína e à perda de autonomia face, nomeadamente, a Espanha. Mas como vai haver menos deputados a voar entre Lisboa e Bruxelas, cada vemos empresas públicas para estuporar, e a Dívida Pública está fora de controlo, os "Boys&Girls" do PS, do PSD e do PP (mas também do PCP e do BE) vão começar a andar à chapada todos os dias. É só esperar pela opereta de faca e alguidar que aí vem! -- OAM


OAM 280, 20-11-2007, 02:45

segunda-feira, novembro 19, 2007

Espanha 2

Cimeira dos Açores title =
Cimeira dos Açores, 16 de Março de 2003.

Hummmm... Passa-se algo de estranho!

Durão Barroso transformou-se no alvo de protestos dos internautas espanhóis, por ter afirmado que Portugal acolheu a Cimeira dos Açores, prévia à invasão do Iraque, para satisfazer um pedido dos seus «aliados e amigos, sobretudo Espanha». -- Durão atacado em Espanha por causa da Cimeira dos Açores, Sol, 19-11-2007.

Hoje de manhã interrogava-me, durante uma conversa telefónica com um amigo, sobre o motivo que teria levado José Manuel Durão Barroso a denunciar o logro em que teria caído durante a cimeira de guerra que antecedeu a segunda invasão do Iraque por uma coligação internacional comandada pelos Estados Unidos.

Segundo afirmou Barroso à TSF/DN, foram-lhe mostrados documentos que evidenciavam a existência de Armas de Destruição Maciça no Iraque. Veio a saber-se depois que as fotografias exibidas eram falsas. Ou seja, Portugal comportou-se como um aliado, mas foi levado ao engano. O reparo é tardio, mas ainda assim necessário, sobretudo quando se tornou evidente aos olhos de todo o mundo o atoleiro em que se transformou o Médio Oriente depois das invasões aliadas do Afeganistão e do Iraque.

Só não entendi porque motivo resolveu Durão Barroso adiantar que a realização da cimeira na Ilha Terceira dos Açores resultara da aceitação de um pedido expresso da Espanha (ou seja, de Aznar) para que a reunião tivesse lugar em Portugal. Fugir de responsabilidades? Parece-me pouco e seria demasiado amador uma tal escapatória retórica semanas depois do desaire diplomático constituído pela visita do rei de Espanha a Ceuta (abrindo deste modo caminho ao projecto de União Mediterrânica proposto por Sarkozy) e dias depois do incidente, ainda não terminado, entre o rei de Espanha e o presidente da Venezuela, do qual resultou a ameaça, proferida por Hugo Chávez, de transferir para Portugal a sua agência de negócios com a Europa, e o provável fim das cimeiras ibero-americanas (uma figura neo-colonialista fora de prazo, que deverá ser substituída por um outro tipo de cimeiras diplomáticas entre a União Europeia e a América Latina.)

Há outras possibilidades de interpretação: avisar Dick Cheney e Bush sobre a indisponibilidade das Lages para um ataque ao Irão, ou ainda legitimar a visita de Chávez a Lisboa, demonstrando em ambas as situações que há sintonia total entre o governo socialista, o principal partido da oposição e o Presidente da Comissão Europeia no que se refere à diplomacia atlântica portuguesa, com especial incidência no fortalecimento das relações económicas e diplomáticas entre Lisboa, Brasília e Caracas.

Entretanto, os serviços de contra-informação espanhóis, presumidamente sob ordem de Zapatero (pelo vistos, cada vez mais sensível aos actos políticos do seu antecessor), montaram sem demora uma campanha nacional mediática, com forte recurso à Internet, sobre a "provocação" de Durão Barroso, insistindo na continuação da histeria nacionalista montada em torno do episódio "TU, POR QUÉ NO TE CALLAS!" Que estranho! Quando teve lugar a famosa Cimeira dos Açores, eu estava em Madrid, e recordo-me perfeitamente do modo cirúrgico como a imprensa e a televisão espanholas apagaram Durão Barroso de todas as "fotos de família" (ver El País 1 e El País 2).

Aqui há gato!

Os movimentos tectónicos das placas diplomáticas mundiais têm vindo a acelerar de forma surda à medida que o dólar emagrece e a economia americana cai numa "recessão sistémica", ameaçando infectar boa parte dos mercados mundiais, com especial impacto na Europa e no Japão. Se os países produtores de petróleo abandonarem a moeda americana, que sucederá às montanhas de dinheiro virtual acumuladas pelos bancos, governos e sociedades de investimento? É isso mesmo: cairemos numa recessão mundial, da qual estarão possivelmente a salvo poucos, mas importantes países: a China, a Rússia, os Árabes com petróleo, o Brasil, a Venezuela...

A Espanha, segundo vários observadores internacionais, poderá ser uma das grandes vítimas da crise financeira mundial em curso, por causa da dimensão da sua bolha imobiliária e do tamanho da sua bolha financeira. De quem é a culpa? Não é certamente do povo espanhol. Mas talvez seja de quem montou e mantém uma das maiores máquinas de lavagem de dinheiro negro e magia financeira da Europa. Quando ocorrer o trambolhão, talvez venhamos a saber quem são.

Por outro lado, a Espanha poderá entrar muito em breve numa profunda convulsão interna, por causa dos movimentos independentistas do País Basco e da Catalunha. Pretextos não faltam: a mais do que provável auto-proclamação independentista do Kosovo, a possível cisão do reino Belga, a epidemia financeira mundial, a crise climática (a que está associada a polémica em volta do desvio de grandes rios espanhóis, como o Ebro) e ainda o facto de a Espanha ter vindo a vender grandes quantidades de ouro para segurar a sua pesada dívida externa: 1,45 biliões de euros, ou seja 145% do PIB (Cotizalia, 10-10-2007). Desviar a atenção pública para incidentes potencialmente geradores de sentimentos patrióticos, pode ser uma explicação para o que está a ocorrer. Se for, é mau presságio.

Madrid tem vindo a pressionar Portugal no sentido de lhe ser dado acesso mais rápido aos nossos mercados urbanos e aos nossos portos, ao mesmo tempo que incentiva, com apoios económicos vários, o investimento espanhol no nosso país, com particular ênfase nos sectores financeiro, energético, imobiliário e agro-alimentar. A porta atlântica tornou-se uma necessidade estratégica de primeira ordem para Madrid. O Uruguai adoptou o Português como segunda língua de ensino obrigatório no país. O novo jogo euro-atlântico já começou e passará por triangulações estratégicas entre Washington, Londres e Lisboa; e entre Brasília, Caracas, Luanda e Lisboa. Que lugar terá a Espanha neste jogo? Se continuar a ter uma presença relevante na América Latina, será seguramente um rival de Portugal neste jogo; se provocar sentimentos de rejeição nas suas antigas colónias, o seu protagonismo poderá ser posto em causa a prazo. Escaldante, não?

Como se tudo isto não fosse suficiente para precipitar uma pequena fricção entre Madrid e Lisboa (que poderá, se não for acalmada, colocar em causa a XXIII cimeira Luso-Espanhola, prevista para o terceiro trimestre de 2007, e entretanto adiada), haveria que considerar também a evolução da situação diplomática no Médio Oriente. Está presentemente em curso uma mudança da maior importância na estratégia anglo-americana para o conflito entre Israel e a Palestina, traduzida já na elevação deste último estado ao patamar de novo aliado estratégico do Ocidente, como há muito preconizam vários dirigentes europeus, nomeadamente alemães. Ou seja, Bush vai sair da Casa Branca, Aznar já saíu e não vai voltar, Blair transformou-se no obreiro da nova aliança entre judeus, cristãos e muçulmanos, e Barroso pretende escovar, antes que seja tarde, as suas responsabilidades na sujeira dos Açores. Ah!... agora compreendo o recado sacana do precoce político lusitano!

Em suma, a declaração do ex-primeiro ministro português e actual presidente da Comissão Europeia (que, à semelhança de Tony Blair, pretende continuar politicamente activo,) não foi um acto falhado, mas um passo de dança.


OAM 279, 19-11-2007, 21:16

domingo, novembro 18, 2007

Subprime black hole

Liberty Dollar
Liberty Dollar: a resposta popular anti-inflaccionista à implosão da moeda americana pôs o FBI em estado de choque.


US Dollar: Gone With The Wind

Welcome the Liberty Dollar!

"Foreign tourists to many of India's most famous landmarks will no longer be able to pay the entrance fee in dollars, the government says.

"The ruling is aimed at safeguarding tourism revenues following the recent falls in the dollar." -- Dollars no good for Taj Mahal, 16-11-2007, BBC.

O buraco negro para o qual a economia norte-americana está a ser atraída, podendo arrastar consigo, ao longo de 2008, a Europa e o Japão, causará um enorme tsunami financeiro mundial. O epicentro desta crise foi a implosão dos créditos de alto risco no sector imobiliário norte-americano -- os chamados subprime mortgages --, mas temos vindo a descobrir, com o passar das semanas, que a economia mundial está toda ela infectada por uma monumental bolha de liquidez virtual puramente especulativa, cujo estouro já ninguém parece conseguir deixar de prever (1). A Europa, atingida no sector bancário, nomeadamente suiço (Crédit Suisse), alemão (IKB, SachsenLB), inglês (Nothern Rock, HSBC), holandês (NIBC) e francês (BNP Paribas), ainda não sofreu todo o impacto potencial da crise em curso. Os rumores mais insistentes continuam a apontar a Espanha como a próxima vítima da loucura imobiliária que tem vindo a desfigurar a sua paisagem e tornou economicamente inacessíveis cidades como Barcelona e Madrid.

O que está a acontecer diante dos nossos olhos, e nos nosso bolsos (!), é o princípio do fim da hegemonia económico-política do Ocidente, representada ao longo dos últimos 192 anos pelo domínio anglo-saxónico (Inglaterra e Estados Unidos), mas que vem do século 15, quando os Portugueses começaram a circum-navegar a África e depois o planeta inteiro. Os Americanos ricos do Norte e os Europeus do Ocidente habituaram-se a níveis de riqueza e de distribuição social nunca antes experimentados pela humanidade, cujo financiamento teria sido inviável sem a extensão dos seus impérios coloniais, que exploraram intensamente enquanto puderam.

Durante o período colonial e neo-colonial, que se estende do século 15 até ao final da década de 90 do século 20, o Ocidente cristão dedicou-se, em África e nas Américas, ao genocídio parcial das populações indígenas, à expoliação do ouro e riquezas acumuladas pelos civilizações locais, à extracção das matérias primas e à escravatura. Na Ásia, devido à densidade demográfica e maior estruturação social e militar dos respectivos povos, a alternativa passou sobretudo pela imposição militar de regimes de troca desigual entre as potências ocidentais dominantes e os países do Extremo Oriente. O controlo do Médio Oriente, para o que foi necessário destruir o Império Otomano, figura como derradeiro capítulo do longo ciclo imperial europeu, e dele dependeu a transição da era industrial a vapor para a explosiva era contemporânea, movida a petróleo, em nome da qual a Europa e o resto do mundo se envolveram nas duas maiores carnificinas humanas de sempre: a I e a II guerras mundiais. Para balizar com dois marcos histórico-simbólicos precisos este longo ciclo civilizacional, o da Europa Moderna e Contemporânea, podemos curiosamente tomar a própria duração do império português (o mais longo de sempre na Europa Ocidental) como referência: da conquista de Ceuta, em 1415, à devolução de Macau à China, em 1999.

Confunde-se frequentemente a ideia de internacionalização dos mercados resultante da existência e afirmação mundial dos impérios coloniais europeus e norte-americano com a ideia de globalização, como se o problema fosse o da circulação das pessoas e mercadorias à volta da Terra. Não é.

O período imperial, que simbolicamente termina com a troca de bandeiras entre a República Popular da China e Portugal, na cidade onde nasci, caracterizou-se pela existência de centros civilizacionais (Europa, e depois EUA) com uma extraordinária capacidade de projecção militar, cuja rápida evolução ideológica, tecnológica e científica se ficou em grande parte a dever aos recursos materiais subtraídos aos vastíssimos territórios, civilizações e povos que foi capaz de explorar. Na fase colonial dos impérios houve quase sempre dominação militar, política e religiosa das regiões colonizadas. Na fase neo-colonial que se lhe seguiu, primeiro nas Américas, depois no Extremo Oriente e em África, e que se encontra agora muito perto do fim, a dominação exerce-se sobretudo pela via indirecta do controlo financeiro e manipulação mais ou menos subtil dos velhos e novos países independentes. O objectivo em ambos os cenários é sempre o mesmo: acesso e controlo das matérias primas e recursos energéticos baratos e abundantes onde estejam, sem o que será inviável alimentar uma civilização (a Ocidental) cada vez mais energética, voraz, intelectual, egoísta, mas careca de recursos naturais a que se habituou, envelhecida e a caminho da extinção demográfica!

O que a globalização trouxe de novo, e que viria a revelar-se como um fatal boomerang económico para o ciclo imperial europeu e estado-unidense, são duas coisas: a liberalização radical dos mercados económicos e financeiros à escala mundial e a instantaneidade electrónica das transacções num novo espaço virtual interactivo global chamado Internet. É a coincidência temporal e articulação operacional destes dois acontecimentos, desencadeados pela constituição da Organização Mundial de Comércio, em 1995, e pelo lançamento público, dois anos antes, do primeiro navegador internáutico com capacidades gráficas (o Mosaic, de onde nasceria, em 1994, o célebre browser Netscape), que irá propiciar a maior transferência de tecnologia jamais efectivada entre distintas regiões planetárias. Em apenas uma década a Europa e os Estados Unidos fizeram voar literalmente milhares de fábricas e sucursais de empresas suas, e transferiram electronicamente dezenas de biliões de dólares, para a China, India e Coreia do Sul, não se apercebendo que estavam, na realidade, a enervar literalmente as suas próprias sociedades.

A Reserva Federal Americana, uma sociedade de bancos centrais e banqueiros privados que ninguém conhece, a não ser pelo seu presidente em exercício, deixou de publicar em 2006 o agregado financeiro conhecido pela sigla M3, o qual costumava computar a quantidade de dólares em circulação no planeta. Foi o sinal definitivo de que os Estados Unidos tinham começado a falsificar o seu próprio dinheiro como forma de compensar a inflação crescente resultante da perda inexorável de competitividade da sua economia quando comparada com os novos regime de sobre-exploração capitalista em curso nos países emergentes, para os quais o acesso aos financiamentos deixara de ser um problema, assim como a exportação dos seus produtos para todo o mundo (excepto o Japão...) Daqui ao buraco negro que há meses atrai o dólar em direcção à sua completa nulidade fiduciária, foi um passo, rápido e catastrófico! Ainda que criasse outro Dólar, como os brasileiros fizeram com o falido Cruzeiro, os EUA não conseguiriam inverter a actual situação, pois, ao contrário do Brasil, os EUA deixaram que o seu dinheiro, as suas empresas e as suas universidades (!) emigrassem simultaneamente para onde o trabalho barato se encontra, sem poderem sequer, sob pena de realizarem um verdadeiro hara-kiri, interromper o fluxo de mercadorias que aflui até ao cada vez mais aflito e impotente consumidor americano. Ao permitir-se que norte-americanos e europeus se transformassem em consumidores líquidos compulsivos, hedonistas e a caminho da extinção genética, exportando ao mesmo tempo a economia real para países com inesgotáveis bases produtivas, abriu-se uma Caixa de Pandora. Não será um ataque nuclear contra o Irão que a fechará, podendo mesmo agravar os seus imprevisíveis efeitos.

O equilíbrio conseguido, na sequência e consciência do terrível holocausto Nazi e nuclear da Segunda Guerra Mundial, entre a lógica única e alienante do capital e a vontade de construir democracias humanas dignas e livres, consubstanciada em contratos sociais baseados na ideia de bem-estar, foi literalmente destruído pela propaganda da produtividade. Os partidos democráticos do Ocidente, com especial incidência nos diversos blocos centrais formados pelos partidos moderados, da direita tradicional à esquerda socialista, promoveram a libertinagem dos promotores económicos e financeiros, privatizaram e continuam a privatizar os activos essenciais dos Estados (constituídos, por vezes, ao longo de gerações sucessivas), pulverizaram sistematicamente os benefícios sociais das suas democracias e caminham para uma completa subserviência face aos poderes fáticos globais, que desconhecem em absoluto, mas em direcção aos quais caminham como insectos encadeados por uma estranha luz virtual.

Num certo sentido, pode dizer-se que o capital acumulado pelos impérios do Ocidente já não precisa, nem das suas bases territoriais, nem das suas raízes humanas, sociais e espirituais, ambas, de certa maneira, esgotadas e envelhecidas. Basta-lhes, por isso, e como sempre, recursos e mão de obra jovem e barata. Onde estes estiverem estará o capital! Mas a que preço? Uma hipótese, plausível, é a do fim abrupto da hegemonia americana, seguida de um declínio prolongado, na doce companhia da Europa, ambos clamando no deserto contra o aquecimento global. Outra hipótese, de uma gravidade extrema, é ocorrer um ataque nuclear contra o Irão, do qual resulte a III Guerra Mundial. Gostaria de acreditar que existe ainda uma terceira hipótese: a da cooperação internacional para o desenho de uma humanidade solidária e mais consciente dos tremendos desafios energéticos e ecológicos que ameaçam, por culpa própria, a própria continuidade, se não da espécie humana, seguramente, das civilizações que conseguiu erigir nos últimos dez mil anos.

Na América, onde o espírito democrático e de iniciativa cidadã continuam felizmente muito vivos e criativos, há quem contraponha à falida nota verde o retorno a moedas de confiança. Uma dessas moedas fiáveis chama-se Liberty Dollar, e outra, cuja fama cresce rapidamente, chama-se Ron Paul Dollar, em homenagem a um dos mais controversos senadores republicanos actuais. Ron Paul é contra a guerra movida pelos EUA contra o Iraque e defende o fim da Reserva Federal americana, em nome do regresso à moeda dura e do fim da moeda mole ("fiat currency"). Estas iniciativas têm um valor pedagógico evidente. A ira que desencadearam junto das autoridades monetárias locais é uma prova de que estão a fazer efeito. Um sinal de que nem tudo está perdido.

FBI Raid on the Liberty Dollar

"Friday, November 16, 2007: Make no mistake, the FBI and Secret Service raid on the Liberty Dollar at 8:00 AM on Wednesday, was a direct assault against the US Constitution and your right to own and use gold and silver in any way you chose.

"I personally spoke to FBI agent Andrew Romagnuolo shortly after he and his gang invaded the peaceful home of the Liberty Dollar. He told me that the raid was related to the US Mint's warning and the beginning of a criminal investigation. This is the first battle of a long war that I intend to win!" -- Bernard von NotHaus, Monetary Architect.



NOTAS
  1. Sobre a história do dinheiro vale a pena ler esta síntese maravilhosa escrita por Elaine Meine Supkis no seu blog Culture of Life News:

    "When the Forex markets were first engineered, no one involved imagined it would lead to utter chaos. Of course, throughout history, when an empire is strong and powerful and patrols the Seven Seas with impunity, all currencies are judged relative to the currency issued by the Emperor or Empress. Of course, these empires had to issue currency in a form that had 'intrinsic value.' In other words, for the last 3000 years, this was of several metals. Gold, silver and copper for the most part.

    "All empires use their fleets and troops to seize and loot and one of the top items they seek restlessly is gold, silver and copper. Using this, they can issue coins which are used to buy luxury items, for the most part. This is because most of the economy until the 1600s was mainly barter. One thing all kings and emperors figured out was, if they controlled the mint, they could debase the coin by mixing the metals with baser metals. Often, it is either zinc or copper. To hide this, they had many laws. These laws still stand.

    "For example, a merchant could melt the gold coins which separates the minerals and then resell the pure gold with a guild certificate of purity. Holding gold has an overhead cost, of course. Everyone wants to steal it. Including the Emperors and kings hovering nearby. During the Middle Ages, the Church and Islam both forbade charging interest so holding gold brought no wealth. It cost the holder dearly. One had to hire guards and install expensive iron security systems and this is when many forms of locks we see in modern form today, were invented. Before this, people simply buried the gold in hidden places.

    "Literally, in the ground. Even in the 1600s, pirates continued this tradition. There are many fairy tales of young men or princes going forth with a purse filled with gold ducats only to be robbed on the road or in an inn. Ducats, by the way, were first issued by the Venetians during the Crusades. For money had vanished during the longest depression to hit Europe, the Dark Ages. Ducats were mostly the result of these wars. Gold was looted first from Jerusalem and the surrounding countryside. Then, from the great Empire of Byzantia. This was minted and used as trade tokens.

    "And what trade was this? Easy: trade with CHINA. One could not buy the fabulous manufactured wares of China unless one paid in gold. For 1,000 years, China slowly accumulated much of the gold in circulation this way. And it was a one-way street which meant, Europe was always having currency problems. The only cure for this was to find gold.

    "Over the centuries, bankers have discovered many ways of dealing with the contradictory nature of currency versus trade. If someone finds a lot of gold or conquers a kingdom with lots of gold to loot, the currency crisis is eased but this also causes the relative value of gold to drop. In a nutshell, everyone wants more gold but if more gold appears in circulation, the value of the gold in relation to everything else, drops.

    "Many an Emperor has torn out his hair after expending huge sums of money on armadas and troops only to find the looting expedition is causing the currency to collapse due to too much gold flooding markets. As expenses on the military eats up the budget, he is forced to go to banker/merchants for loans. And to pay for this, the Emperor issues IOUs to these merchants. Who, in turn, use these as...MONEY. For they love to trade things and a writ of promise for future tax revenues has value! Unlike gold, tax money is paid in yearly installments. So if the banker/merchants forward to the Emperor the equivalent of 3 years of taxes and the Emperor then promises to pay them with 4 years of taxes, everyone is happy except for the tax paying public.

    "But early on, the Emperor of Spain discovered he could keep doing this and he did until he ran up debts based on over 100 years of future taxes! And the foolish Emperor wasted all of this on trying to invade a land that has virtually no gold at all: England. And on top of this, the Armada sank. Within 100 years of this, due to the forward sale of future tax revenues, Spain collapsed as a world power and France replaced them only to fall in to the exact same trap of selling future tax revenues. This led to the King losing his head.

    "England, the next up at bat as World Ruler tried to avoid these fates. But after defeating Napoleon, England went on a classic looting expedition and the top two holders of world gold that hadn't already been looted by the Spanish was India and China.

    "Both were looted ruthlessly. But instead of using this loot to build a huge army, the Brits used it to build the first Industrialist capitalist society. And then the eternal problem of how to conduct business while not having to deal with the insecurities and restrictions of using metal coins reared its ugly head. The solution was always to issue gold certificates rather then bonds of joint purpose like the South Sea Bubble bonds. I have a collection of 19th century gold and silver certificates. These were issued by banks that supposedly had the coins stashed in safes that were called 'safes' because they were supposedly secure. Only the banks never bothered to issue these certificates on a one-to-one basis. They always issued as many certificates as they dared.

    "Periodically, people would suddenly think, a bank was lying about this and would rush the banks to demand their gold or silver certificates be honored. Banks never run out of paper IOUs. Germany showed how their great printing skills could keep up with near-infinite demand. The problem was if people wanted gold or silver.

    "Today, all the world's currencies operate on the dangerous fiat value method. This works ONLY if the top imperial currency is still connected with gold and silver. But ever since the US, imitating all previous Empires, decided to pay for a lousy war via issuing irresponsible paper IOUs, there is NO CURRENCY ON EARTH that is connected to any tangibles. There are stocks and bonds which are attached to either future tax revenues or people paying back loans. These are very unstable due to the possibility of bankruptcy.

    "The news that Bündchen, the great-great granddaughter of German immigrants to Brazil back when the rubber plantation boom attracted many Germans, won't accept US dollars anymore due to it losing too much value when it is part of a contract which stipulates payment in the future, so it is with many operations now. The Indian government can't issue daily currency value changes at museums and public monuments! This is very much a reminder of Germany in 1923. The complications of the premier currency dying rapidly is, it destabilizes RELATIONSHIPS. And this is where POWER lies: not in declarations of friendship but in honoring and writing CONTRACTS that spell out financial and business dealings IN THE FUTURE.

    "We are losing very significant powers here. I would venture to say, our USS Even Keel is keeling over. And I want to keelhaul the idiots causing this." (Link)

OAM 278, 19-11-2007, 02:58

quinta-feira, novembro 15, 2007

Espanha

Año horribilis, eso dicen...



Ao contrário do que afirmou um locutor ligeiro da SIC (canal privado da televisão portuguesa), não foram elementos da extrema-direita espanhola que queimaram retratos do rei de Espanha, mas sim jovens universitários, na sua maioria autonomistas convictos, republicanos e tendencialmente de esquerda. O tema é muito mais sério do que parece e a ele me referi em texto anterior. Por outro lado, a recente visita dos reis espanhóis a Ceuta e Melilla pode ser justamente acusada de provocatória com base nos princípios descolonizadores aprovados pela ONU na sua declaração de 14 de Dezembro de 1960 (PDF). Finalmente, o disparate bourbónico em volta das diatribes políticas de Hugo Chávez -- tratando o presidente venezuelano como se fosse um índio do século XVII -- ameaça interromper o ciclo de prosperidade de um país (a Espanha), cujo enriquecimento nas últimas três décadas, embora assente em bases pouco sólidas (segundo alguns, demasiado especulativas), muito deve às intensíssimas relações comerciais e político-económicas que tem mantido com a América Latina ao longo dos últimos vinte ou trinta anos. Não sei se tudo isto foi pensado para ser assim, mas que a figura do rei espanhol entrou, apesar de alguma histeria em torno do macho ibérico, num plano inclinado irreversível, parece-me óbvio. Pior é impossível!



Depois da Cimeira dos Açores, que conduziu à invasão do Iraque, a Espanha proclamou de alguma forma a necessidade de se virar de novo para o Atlântico, depois de perceber que a parte oriental da Eurásia será sempre o resultado dinâmico, frequentemente instável, das triangulações estratégicas entre Paris, Berlim, Moscovo e Istambul, e que a França, por outro lado, não largará de mão a sua especial influência no Norte de África, incluindo, obviamente, Marrocos. Acontece que este movimento da antiga potência imperial, hoje sem a menor possibilidade de recuperar o poder económico e militar que outrora foi seu, encontra inevitavelmente quatro obstáculos pela frente: Portugal e Marrocos, o Brasil (uma das quatro potências emergentes do BRIC) e a contestação cada vez mais visível dos países "ibero-americanos" ao ex-colonizador. A monarquia espanhola, à semelhança da inglesa, mas ao contrário das holandesa e dinamarquesa, entre outras, não é transparente, nem presta contas dos seus rendimentos. O que em democracia é fraco argumento para manifestações de superioridade relativamente seja a quem for.

A única vez que cumprimentei Letizia, em Praga, pareceu-me uma criatura ausente. Antecipação de um reinado improvável?

Ou muito me engano, ou o incidente que marcou a XVII Cumbre Iberoamericana - Chile 2007, vai transformar-se paulatinamente num distanciamento claro da Venezuela, Nicarágua, Bolívia, Cuba, e mais alguns países ibero-americanos, da antiga potência colonial. Na realidade, esta não lhes pode oferecer grande coisa, e mostrou ser capaz, nas últimas décadas, de controlar recursos e empresas estratégicas desses países, apoiando ao mesmo as corruptas e decadentes elites que há séculos se comportam como "burguesias compradoras", insensíveis e autoritárias, principais responsáveis pelo atraso económico, político e cultural da América Latina.

A criação de um mercado comum na América do Sul, iniciando um processo estratégico de longo prazo, semelhante ao da União Europeia, do que menos precisa é de permitir que os recursos estratégicos daquele vasto e riquíssimo sub-continente fiquem à mão de semear de antigas potências coloniais, como a Espanha e a Inglaterra (e em geral a Europa.) A âncora que faltava para este novo projecto de libertação já existe e chama-se Brasil. Por outro lado, a protecção de que a nova América Latina precisa, no grande jogo da estratégia global em curso, até agora imposta de modo hegemónico pela aliança anglo-americana, tem vindo a encontrar na China uma interessada e promissora alternativa. A China precisa da América do Sul e esta precisa da China (1). O noivado vai muito adiantado, e é por aqui que devemos descodificar a cena canalha que acabou com as cimeiras ibero-americanas. Nós, europeus, temos que reaprender o caminho difícil da humildade.



NOTAS
  1. 15-11-2007 22:40. VENEZUELA Y CHINA TIENEN APRECIACIONES COINCIDENTES RESPECTO DE LOS GRANDES TEMAS DE ESTOS TIEMPOS. Beijíng, 15 de noviembre de 2007 (Prensa-MPPRE ).

    Al concluir una Visita de Trabajo de tres días a la República Popular China, el Ministro venezolano del Poder Popular para Relaciones Exteriores, Nicolás Maduro Moros, destacó que ambos países tienen apreciaciones coincidentes en cuanto a lo que considera los grandes temas de estos tiempos.

    Durante su permanencia en China, el Canciller venezolano se entrevistó con altos representantes del gobierno del país asiático, incluyendo a su homólogo Yang Jiechi; el director de Relaciones Internacionales del partido Comunista Chino, Wang Jia Rui; el Viceministro del Consejo de Estado para la lucha contra la pobreza, Wang Guoliang, y Li Changchun, miembro del Poliburó del PCCh.

    En una conferencia de prensa que ofreció al final de su visita, expresó su complacencia por los resultados de los acuerdos de cooperación suscritos entre Venezuela y China, como parte de la alianza estratégica que han conformado ambos países.

OAM 277, 15-11-2007, 14:05

Aeroportos 41

Aeroporto Campo Real, Madrid
Aeroporto de carga e Hub de passageiros, 780 ha. Inaugura até 2025.
Alcochete inevitável
Una empresa pública desarrollará los dos nuevos aeropuertos madrileños

"El consejero de Transportes e Infraestructuras, Manuel Lamela, ha presentado hoy el Plan de Infraestructuras Aeroportuarias de la Comunidad de Madrid 2007-2025, en cuyo marco se construirán los dos nuevos aeropuertos de la región, situados en Campo Real y en los municipios de El Álamo-Navalcarnero, este último con el fin de sustituir al actual aeródromo de Cuatro Vientos, que el Gobierno regional quiere desmantelar. Para desarrollar los aeródromos y participar en la gestión de Barajas, el Ejecutivo autonómico creará una nueva empresa pública, denominada Aeropuertos de Madrid, S.A. y dependiente de Lamela. El primero en construirse será el aeropuerto del suroeste en El Alamo-Navalcarnero, previsto para 2016."

-- ELPAIS.com - Madrid - 12/11/2007

O dromedário do MOPTC (que pena não ser um burro mesmo, teimoso, mas inteligente e sério) procura manifestamente emprego, atropelando pelo caminho o próprio governo, numa manobra tão desesperada que até o Sócratintas se viu forçado a explicar que o que "é bom para o País" não deve estar sujeito a pressões... do seu ministro! Posso estar enganado, mas a calinada do dromedário, desta vez foi fatal, embora deva esperar alguma contrapartida do lóbi da Ota, por bom comportamento.

O sniper encarregue das operações especiais destinadas a resgatar in extremis o embuste da Ota, é o mesmo imbecil, Carlos Fernandes (1), que vendeu ao ingénuo Cravinho a miraculosa solução das SCUT, que supostamente elevaria o PIB lusitano às alturas celestiais da Europa desenvolvida, garantindo que as novas autovias, à semelhança das espanholas sem portagens, se pagariam pela riqueza induzida no país. Não foi assim, temos que pagar, só em 2008, 704 milhões de euros pelas ditas autoestradas sem custos para o utilizador, parte dos quais vai afinal transitar, sob a forma de portagens, para os automobilistas, e lá se vai assim o crescimento induzido do PIB, e o gajo que inventou a aldrabice e a vendeu ao despistado ministro de Guterres deveria estar preso, e não ao serviço da RAVE, armado em comando especial do dromedário-mor do reino!

O País não pode com uma gata pelo rabo (gasta 95% das receitas fiscais em salários e prestações de serviços de funcionários públicos e contratados, mordomias para o pessoal político-partidário, segurança social e juros à banca), e a prova disto mesmo é que o Governo quer vender o Estado a patacas. Quer privatizar as estradas, quer privatizar as águas, quer privatizar a energia, quer privatizar os aeroportos, quer privatizar os portos, anda a rebentar com Reserva Ecológica Nacional (apesar dos salamaleques beija-empresários do ministro do ambiente), tem deixado os espanhóis comprar meio Alentejo (boa parte da zona de regadio do Alqueva), em suma, só falta fazer um Parceria Público Privada com o Rei de Espanha para gerir as nossas tropas!

Numa altura em que já se percebeu que a globalização vai fazer marcha-atrás em aspectos que ferem especialmente as soberanias nacionais (Bush impediu o controlo dos portos norte-americanos pelos árabes em 2006), e quando crescem os sintomas de proteccionismo nos sectores estratégicos da economia, com especial ênfase na energia, na segurança alimentar, nas infraestruturas sensíveis dos transportes (portos, aeroportos, etc.) e, muito em breve, no dinheiro, depois de controlado o maremoto de especulação e corrupção que atingiu as finanças norte-americanas e europeias (ver declarações proferidas ontem por Bern Bernanke; "Fed Plans to Increase Forecasts to Once a Quarter", Last update November 14, 2007 14:41 EST, Bloomberg), a classe política portuguesa com assento parlamentar, sem excepção, anda a brincar ao monopólio com o país. A forma é de um ridículo crescentemente atroz, mas a substância, isto é, a eminente perda de autonomia económica do país, raia a traição.

Para financiar o novo aeroporto (2), de que não precisamos, mas que a precisarmos, deveria ser na Margem Sul do Tejo e nunca na Ota, o governo propõe-se alienar terrenos que não são seus (os da Portela) e privatizar um monopólio estatal, entregando-o a um monopólio privado! Para privatizar a ANA, no entanto, terá que se proceder a uma aprovação por maioria de 2/3 na Assembleia da República, a qual só será possível com a conivência de Filipe Menezes-Santana Lopes. Será a isto que se refere o autarca da falida Gaia quando propôs um pacto de empreiteiros a José Sócrates?

Enquanto aguardamos pelo douto parecer do LNEC (não é o dromedário que lhe paga?) Madrid soma e segue na sua estratégia aeroportuária: o novo aeroporto, privado, de Ciudad Real, "Madrid Sur", inaugura em 2008, e os dois novos aeroportos daquela Comunidad Autónoma, agora decididos, deverão inaugurar entre 2016 e 2025. Em 2009, por sua vez, o ampliado e modernizado aeroporto de Badajoz afundará de vez o aeromoscas de Beja. E o AVE (3) chega ao Caia em 2015. Que lindo serviço!

Há quem diga que a cimeira espanhola que aí vem, vai ser um peditório português, do género, querem o AVE em Lisboa? Então paguem! Quando pensa o Sr. Cavaco Silva dar um murro na mesa? Não se atrase! Não se atrase!!



NOTAS
  1. Carlos Fernandes (o sniper da RAVE), "eleito" ou "nomeado"? Um lapso sintomático na sua melodramática pose no Fórum dos Transportes e Mobilidade, promovido pelo Diário Económico (15/11/2007). Vale a pena espreitar o vídeo-SAPO.

  2. Manuela Ferreira Leite diz que não há dinheiro para tais folias.
    15-11-2007. "A antiga ministra da Finanças, Manuela Ferreira Leite, duvidou ontem em Coimbra que os projectos do novo aeroporto e da linha ferroviária de alta velocidade se venham a concretizar.
    Para a social-democrata, 'não há recursos financeiros para concretizar os dois projectos'. Manuela Ferreira Leite reconheceu que, a serem feitas as duas obras, serão as piores soluções para o futuro do país, podendo levar a que nos próximos anos 'não haja margem para a diminuição da carga fiscal'. 'A curto prazo, o país vai crescer, mas não tenho dúvidas que daqui a 10 anos estaremos pior do que estamos agora', afirmou. A economista recordou que, em Espanha, o crescimento da economia está a ser feito com base na construção e no investimento público, o que leva alguns analistas a considerá-lo bastante 'frágil'". -- Diário das Beiras.

  3. E como se chamarão os comboios internacionais que ligam Espanha a Portugal? AVE? Mas AVE quer dizer Alta Velocidade Espanhola! Eu chamar-lhe-ia TRANSIBÉRICO (não precisa de sigla.)

OAM 277, 14-11-2007, 01:25

domingo, novembro 11, 2007

Aeroportos 40

World Aviation Forecasts, 2008-2026, under three scenarios
"World Aviation Forecasts, 2008-2026, under three scenarios. Roger H. Bezdek".
Previsão corrente do crescimento mundial da aviação e previsões pessimista e optimista
dessa mesma evolução sob o impacto do Pico Petrolífero.

Manter a Portela, adaptar o Montijo, conservar Alcochete

Sonhar com o Novo Aeroporto de Lisboa (NAL), ainda que fosse em Alcochete, com uma importante cidade aeroportuária na margem esquerda do rio Tejo, faria parte de um desejo natural se pudéssemos continuar a planear o futuro segundo o paradigma "business as usual", isto é, tomando decisões e alocando recursos em função apenas das tendências sectoriais de mercado. Mas a verdade é que não podemos. E a razão desta impossibilidade, totalmente fora dos radares empregues por todos os gabinetes que estudaram até hoje as hipóteses da Ota, Rio Frio e Alcochete, chama-se Pico Petrolífero (Peak Oil, na expressão original.)

Metade do petróleo disponível a baixo custo foi já praticamente consumido. A descoberta de grandes reservas no futuro é cada vez mais improvável e custosa. Entretanto, o consumo continua a crescer e os preços entraram numa espiral inflacionista. A combinação é fatal.

Vale a pena, a este propósito, meditar na esclarecedora sequência de quadros sobre o impacto do Pico Petrolífero na evolução da indústria aeronáutica e do transporte aéreo em geral, apresentado por Roger H. Bezdek à World Oil Conference, promovida pela ASPO em Outubro deste ano. A conclusão do PDF AVIATION AND PEAK OIL, Why the Conventional Wisdom is Wrong, é que a maioria dos actores continua a comportar-se como se o petróleo, a 100 dólares (em 2008) ou a 156 dólares (em 2030), correspondendo a 25-30% dos custos operacionais da nova geração de companhias aéreas eficientes, fosse por si só incapaz de inibir o desenvolvimento da actividade. O transporte aéreo, nos cenários convencionais previstos para o período 2006-2026, deverá crescer anualmente, em todos os seus segmentos -- passageiros (+4,5%), receitas (+5%) e carga (+6%) --, bem acima do crescimento médio anual do PIB mundial (+3%).

Este cálculo reflecte, porém, uma análise incompleta da situação, pois esquece um factor crucial: o impacto da subida dos preços do crude na economia geral, isto é, no PIB.

Perante a evidência crescente de que 2008 será o ano do Pico Petrolífero à escala planetária, calcula-se que a impossibilidade de satisfazer a procura crescente de petróleo e gás natural corresponderá, mesmo na ausência de cenários catastróficos de natureza climatérica ou bélica (ambos prováveis), a um declínio anual da oferta na ordem dos 2%, e que o PIB mundial decrescerá na mesma proporção! De acordo com o modelo de previsão do Management Information Services, Inc., de que Roger H. Bezdek é presidente, será nesta paragem seguida de inversão dos ciclos de crescimento do PIB, na maioria dos países, alguns dos quais entraram já na categoria dos denominados "Estados falhados" (failed states), que a curva de expansão do transporte aéreo esbarrará inexoravelmente, começando a regredir, já a partir de meados de 2008, até chegar aos valores do segundo semestre de 2005, entre 2013 e o segundo semestre de 2017.

Como o intervalo onde tudo isto ocorre coincide com o calendário do NAL, a rentabilidade económica deste projecto parece-me irremediavelmente comprometida, sendo necessário começar imediatamente a estudar cenários alternativos. Um deles, parece-me óbvio: conservar a Portela, fazendo as obras de ampliação, correcção e modernização adequadas, activar a Base Aérea do Montijo para os voos domésticos e Low Cost, melhorar substancialmente o aeródromo de Tires para os Corporate Jets e para o Air Share, aumentar o número de comboios na Ponte 25 de Abril, trazer a Alta Velocidade de Madrid até Lisboa/Pinhal Novo (a nova ponte, ou o túnel ferroviário Montijo-Beato, é uma hipótese forçosamente adiada), e optimizar as condições de operação aeronáutica no aeroporto Sá Carneiro.

Chegou-me entretanto às mãos a pré-publicação de Plan B 3.0, versão actualizada do célebre Plano B, de Lester R. Brown, que Reah Janise Kauffman me propõe que traduza e divulgue à semelhança do que foi feito com Plano B 2.0, sob os auspícios da Câmara Municipal de Trancoso.

Sobre os sistemas de transportes, o livro aposta na Alta Velocidade ferroviária em todo o mundo tecnologicamente desenvolvido, como principal alternativa ao automóvel e ao avião. Na Europa, escreve Lester Brown, "as emissões de carbono dos comboios de Alta Velocidade, por passageiro quilómetro, são um terço das produzidas pelo automóvel e um quarto das produzidas pelos aviões." Numa economia de Plano B, escreve, "as emissões de CO2 oriundas dos comboios serão reduzidas praticamente a zero, uma vez que estes serão alimentados com electricidade verde. Além de ser confortável e conveniente, estas ligações ferroviárias reduzem a poluição, a congestão, o ruído e os acidentes. Ao mesmo tempo que libertam os viajantes da frustração dos engarrafamentos permanentes e das longas esperas causadas pelos controlos de segurança nos aeroportos."

Dois documentos que vão na mesma direcção e que deviam ser atentamente estudados pelo governo de José Sócrates, bem como pelas demais forças partidárias. Como tenho escrito insistentemente, a Portela pode e deve manter-se como principal aeroporto de Lisboa. O sonho de uma grande cidade aeroportuária defendida por consultores profissionais, não passa de uma miragem patética. A prioridade absoluta, do ponto de vista das necessidades, das limitações e da criação de trabalho e riqueza, é só uma: a renovação em força de toda a rede ferroviária do país, a começar pela modernização integral da ligação vertical entre Valença e Faro, e pelas ligações de Alta Velocidade entre Lisboa e Madrid, e de Velocidade Elevada, entre Porto e Vigo, Aveiro e Salamanca e Faro e Huelva.


Post scriptum
(12-11-2007 18:59) -- Meu caro José Manuel Fernandes, parabéns pelo seu editorial de hoje no Público, sobre a manobra de contra-informação do Mário Lino, desempenhada pela mãozinha do azelha que vendeu as SCUDs ao Cravinho, e sob os auspícios, não nos esqueçamos, da pandilha de Macau, que tomou de assalto o pobre PS.

O dromedário do MOPTC (quem nos dera ter por lá uns burros teimosos, mas inteligentes e sérios) ainda não percebeu que tem que mandar calar a matilha de Macau, por uma simples razão: aqueles imbecis, não só não entendem nada do que se passa neste mundo, nomeadamente no sector dos transportes, como parecem definitivamente apostados em vender o país a patacos a qualquer espanhol que lhes ofereça um Monte Cristo!

As realidades são, no entanto, simples de perceber:
  1. 82% do tráfego aéreo da Portela opera num raio de 2300 Km, isto é, na Europa (1); ou seja, fazer um Hub com os restantes 18% do tráfego, a partir de uma única companhia, com aviões pouco eficientes, a sucata escandalosa da PGA, excesso de pessoal e a caminho da falência, chamada TAP, mais do que uma miragem, é pura idiotia ou descarada corrupção!
  2. a Espanha é o principal destino aéreo da Portela e sê-lo-à em breve do aeroporto Sá Carneiro. Madrid já é o terceiro destino da Portela e caminha rapidamente para o primeiro lugar.
  3. a Espanha reformulou radicalmente a sua política de transportes, passando por uma articulação crucial entre o transporte aéreo e o transporte ferroviário de Alta Velocidade e/ou Velocidade Elevada.
  4. o novo paradigma do transporte aéreo à escala de cada continente chama-se Low Cost, i.e. ligações ponto-a-ponto; é por isso que a TAP cancela, "por motivos técnicos", uma centena de voos por mês; nada de Hubs portanto!
  5. o novo paradigma do transporte ferroviário ibérico chama-se Bitola Europeia, Alta Velocidade e Velocidade Elevada; a Espanha vai ter a maior rede de Alta Velocidade do mundo até 2020, ligando, já em 2008, 13 das suas principais cidades!
  6. Olhando para os movimentos de passageiros entre Madrid e a Portela, com um crescimento na ordem dos dois dígitos (17,7% no que vai de 2007), mais do dobro dos movimentos entre Lisboa e Porto (!), percebe-se perfeitamente que a ligação ferroviária entre as duas capitais ibéricas não apenas será rentável, como irá atenuar a actual pressão sobre os movimentos aéreos entre Barajas e a Portela.
  7. António Costa disputou e ganhou as eleições autárquicas de Lisboa com um único objectivo: viabilizar a venda dos terrenos da Portela e a aplicação do respectivo encaixe no financiamento do aeroporto da Ota. Para tal, teve que meter um vereador no bolso. Chama-se José Sá Fernandes (curioso...) Há, porém, dois contratempos: por um lado, a Alta de Lisboa está às moscas e tudo aponta para que o mesmo venha a ocorrer numa futura Portela urbanizada; por outro, ainda vai correr muita tinta por baixo das pontes do consenso municipal em torno da Operação Ota.
  8. A pretendida privatização da ANA, destinada igualmente a financiar e sustentar o putativo monstro da Ota, terá como consequência inevitável a destruição a prazo do aeroporto Sá Carneiro (compare-se este caso com as acções deletérias actualmente em curso por parte do Grupo Pestana contra as pousadas do Marão e de Alcácer do Sal, relativamente às quais deixou de haver qualquer responsabilidade pública...)
  9. O aeromoscas de Beja, para o qual nenhuma companhia manifestou até agora interesse, com custos anunciados três vezes superiores ao da modernização do aeroporto de Badajós (onde será instalada uma base da Ryanair), é a prova da natureza extravagante e ruinosa da indústria de estudos inúteis alimentada avidamente pelo actual governo. O ex-ministro PS, Augusto Mateus, bem poderia dedicar-se a outros assuntos!
  10. Finalmente: o país encontra-se virtualmente falido e sem estratégia de futuro, apesar das falácias e falsetes de José Sócrates. Deitar dinheiro à rua, a pretexto de engordar consultores cabotinos e parasitas económicos de toda a espécie, vai dar inevitavelmente um péssimo resultado. O Luís Filipe Menezes, que tenha juízo!



NOTAS
  1. Se a TAP precisa de crescer, que cresça à sua custa!

    O Turismo de Lisboa tem muito maiores benefícios económicos com as "ligações ponto a ponto" do que com os "voos de ligação". Convém lembrar que o Turismo de Lisboa gera quase 120 mil empregos, a variável mais importante a ter em linha de conta em qualquer decisão que afecte a actual localização do Aeroporto Internacional de Lisboa.

    No ano de 2006, a Portela teve um tráfego de 12,3 milhões de passageiros. Portugal, ilhas dos Açores e Madeira e Europa representam quase 82% do mercado da Portela. A América do Sul representa 8%, África, 6%, e América do Norte, 3%. Os voos de ligação para a América do Sul e África são apenas uma parte dos valores anteriormente referidos. Sendo que os voos de ligação com o Brasil representam cerca de 55% do total dos voos intercontinentais a cargo da TAP. Mas os voos intercontinentais, no seu conjunto, repito, não representam mais do que 17% do movimento total de passageiros na Portela!

    Os voos de ligação na Portela representam, como se vê pelas estatísticas, uma pequena percentagem dos 12,3 milhões registados em 2006. É pois elementar concluir que nada justifica um novo aeroporto por este motivo (voos de ligação da TAP), tanto mais que não vai ser a TAP a pagar as despesas! Por outro lado, seria escandaloso fazer depender o futuro da principal infraestrutura aeroportuária portuguesa de uma única empresa, ainda por cima em dificuldades crescentes, com um vago futuro pela frente e destinada a ser privatizada em 2008 ou 2009!

    Imagine-se que a futura TAP privada passa a ser maioritariamente espanhola, russa, ou angolana? Faria algum sentido estarmos todos nós, portugueses, a pagar, durante 90 anos, um novo aeroporto desenhado à medida de tão incerta empresa?! Não seria decisão tão desastrosa, que acarretaria a venda da ANA e dos terrenos da Portela como condição prévia de exequibilidade, e a destruição do aeroporto Sá Carneiro, numa segunda etapa (para gáudio de Madrid), uma vergonhosa capitulação estratégica do país? Não se poderia falar a propósito de tal desenlace, sabendo-se já, como se sabe, as consequências previsíveis de uma decisão tão obtusa, de um acto de traição nacional? Para já, estamos apenas na presença de lóbis gananciosos e corruptos que não sabem o que fazem. Mas amanhã, se os deixarmos prosseguir com as suas intenções idiotas, teremos uma gravíssima crise de regime pela frente. E não será o facto de os metermos todos na cadeia que evitará o embaraço de termos que desfazer pactos e contratos internacionais em nome da soberania nacional.

    Mais vale prevenir que remediar!

OAM 276, 11-11-2007, 21:41

Petroleo 12

Petroleiro fumegante
Petroleiro solitário

A quimera carbónica de Tupi

Ao ritmo actual, as reservas de petróleo e gás natural descobertas no campo submarino de Tupi, na Bacia de Santos (Brasil), estimadas entre 5 e 8 mil milhões de barris, dariam para satisfazer a procura mundial durante... três meses.

Admitindo que a GALP traria para Portugal 10% das citadas reservas, as mesmas chegariam para satisfazer o nosso apetite por petróleo e gás natural durante pouco mais, ou pouco menos, de seis anos.

O valor estimado do negócio, com elevadíssimos custos associados, andará entre os 25 e os 60 mil milhões de USD, correspondendo à GALP, na melhor das hipóteses, um quinhão entre 2,5 e 6 mil milhões de USD. É certo que a descoberta indicia a forte possibilidade de a província petrolífera (Bacias do Espírito Santo, Campos e Santos), com cerca de 800 Km de extensão, e profundidades oscilando entre os 5 e o 7 mil metros, esconder novas jazidas por debaixo de espessas camadas de areia, rocha e sal. Mas, para já, nada autoriza mais do que uma satisfação contida pelo achado (1), e nenhuma demagogia governamental.

O problema fundamental que continuamos a ter pela frente não mudou com esta boa notícia. Chama-se Pico Petrolífero e aponta para uma procura mundial de petróleo na ordem dos 100 milhões de barris/dia (116 Mb/d em 2030). Não se provou ainda ser possível produzir mais de 85 Mb/d (2) (3). O preço do barril está no momento deste post a US$96,32, estima-se que pode chegar aos 100 dólares antes do fim deste ano, e a valores entre 156 e 300 dólares por volta de 2030!

A subida dos combustíveis induziu este ano a subida dos preços do milho e do trigo para mais do dobro, e não vai ficar por aqui! Por outro lado, os Estados Unidos, que importam 9 milhões de barris de petróleo por dia, terão que pagar, no fim de 2008, uma factura na ordem dos 328.500.000.000 US$, a qual agravará ainda mais a sua já insuportável dívida externa. O dólar continua a cair a pique, e esta queda vai acabar por cair em cima dos europeus e do resto do mundo!

Post scriptum (12-11-2007 17:08) -- Na Sexta Feira passada, dia 9, Do Portugal Profundo escrevia esta oportuna nota sobre a notícia (requentada de 2005!) sobre descoberta das grandes jazidas submarinas de petróleo na costa brasileira:
"(...) as acções da Galp subiram hoje 25% (e no Brasil a Petrobrás, 10%, com base [na] descoberta que colocaria a empresa brasileira no lugar de nona maior produtora mundial de petróleo...) e os especuladores já fizeram os seus lucros na operação. Num país onde as instituições do Estado funcionassem, os grandes compradores de acções da Galp de ontem (8-11-2007) e de hoje de manhã (9-11-2007) - e seus vendedores na tarde de hoje (9-11-2007)... - teriam de explicar muito bem à entidade de fiscalização do mercado de capitais (em Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários - CMVM) se o fizeram por palpite de que hoje cairia uma notícia bombástica ou por inside information, e veriam analisados os seus padrões de comportamento em bolsa..." -- in Do Portugal Profundo.
As acções da GALP começaram a cotar em bolsa em 11 de Janeiro deste ano. O seu valor era então de 6,29 euros por acção. Foi subindo paulatinamente numa conjuntura altamente favorável às chamadas commodities (ouro e demais metais preciosos e não preciosos, cereais, petróleo, gás natural, carvão, etc.) até chegar, na passada Sexta Feira, dia 8 de Novembro, aos 12,35 euros. No dia anterior, Quinta, as acções da GALP valiam 10,86 euros e o volume de transacções fora tão só de 907 034 títulos. A notícia sobre Tupi soube-se em Lisboa provavelmente ao princípio da tarde do dia 8 (ainda não localizei a hora exacta da comunicação televisiva feita pela putativa candidata presidencial promovida por Lula da Silva, Dilma Rousseff). Ao fim da sessão tinham já sido transaccionados 12 987 160 títulos! O valor por acção tinha subido para os 12,35 euros. No dia seguinte, a euforia prosseguiu com o título a atingir um máximo de 15,43 euros, para um volume de negócios de 20 561 020 acções!! Se isto não é especulação pura e dura, com uma mais do que provável troca de informações privilegiadas entre os principais insiders do negócio, ficaria muito admirado. A digestão saborosa do spin especulativo durou tipicamente um fim de semana. Hoje, à hora que escrevo este post, o título está a corrigir, cotando-se a 14,14 euros. QUE TAL EXIGIR À CMVM UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE ESTA BRINCADEIRA?



Notas
  1. OLYMPIC DAM (Austrália): CONTRATOS COM CHINESES E RUSSOS EM RISCO!

    Sobre a necessidade de restringir o optimismo sobre avaliações mineralógicas, vale a pena ler a mais recente investigação sobre o iminente e monumental flop que ameaça a ampliação da exploração da famosa mina australiana de ouro, prata e urânio, Olympic Dam. As reservas estimadas foram sobrestimadas, verificando-se agora que a pobreza relativa do minério, as dificuldades técnicas e morosidade da extracção, bem como os excessivos custos de produção (agravados pelo preço do diesel necessário ao trabalho das máquinas envolvidas na actividade mineira), irão provavelmente determinar a suspensão deste tão badalado e aguardado projecto. A bronca rebentará no dia em que a companhia BHP Billiton, anunciar que não poderá satisfazer os pedidos e compras firmes já negociados, nomeadamente com a China, a India e a Rússia! Artigo original: An even bigger hole, by John Busby.

  2. IS WORLD OIL PRODUCTION PEAKING?

    According to data published by the International Energy Agency, world oil production of 84.80 million barrels per day (mb/d) in 2006 has dropped to 84.62 mb/d during the first ten months of 2007. One year does not make a trend, but evidence suggests that oil production is nearing its historical peak. To begin with, the world's 20 largest oil fields were all discovered between 1917 and 1979, and they are aging fast. Another key is Saudi Arabia. Long the world's leading oil producer, Saudi production dropped from 9.15 mb/d in 2006 to 8.62 mb/d in 2007.

    If world production is peaking, it will be a seismic event in world history. If production begins to decline while demand continues to climb, oil prices will rise further. Cheap airfares will become history. Rising oil prices mean even higher food prices. The automobile industry will suffer as demand for inefficient vehicles plummets.

    Since options for expanding supply are limited, efforts to prevent oil prices from rising well beyond $100 per barrel in the years ahead depend on reducing demand, and largely within the transportation sector. The United States, where 88 percent of the workforce commutes by car, is particularly vulnerable to rising oil prices. And because it consumes more gasoline than the next 20 countries combined, it will necessarily have to play a lead role in cutting oil use.

    An effort to quickly reduce oil use might best be launched at an emergency meeting of the G-8, since its members dominate world oil consumption. If governments fail to act quickly and decisively to reduce oil use, oil prices will continue to rise as demand outruns supply, leading to a global recession, or, in a worst case scenario, a 1930s type global depression. -- Lester Brown, author of the coming "Plan B 3.0: Mobilizing to Save Civilization".

  3. OPINIONS OF OIL COMPANY EXECUTIVES ON PEAK OIL
    By Sohbet Karbuz - Energy Bulletin

    Nov/14/2007. The views of the oil industry on Peak Oil are divided, ranging from a non-event to getting there fast. Here I try to give the opinions of oil company executives about Peak Oil and related issues. The list is certainly not complete. For example, I omitted opinions expressed by the executives after they are retired. After each quote I list the name of the executive, his position at the time and the link (where possible) to the original source. At the end of the article I make some remarks. (LINK).
Referências:

OAM 275, 11-11-2007, 02:51