quarta-feira, abril 26, 2006

Crise Iraniana 2

Topol M e silo nuclear

A globalização do terror termo-nuclear


O que acontecerá se os Estados Unidos atacarem o Irão sob o pretexto de que este país tenciona fabricar armas de destruição maciça (WMD)? A hipótese não está completamente fora de agenda, a julgar pelo nervosismo exibido por algumas alas do Pentágono e da CIA. A desacreditada América de hoje, que já nem sequer cumpre as regras da OMC, por si criada (1), com uma dívida imparável e abraços com uma insustentável crise de imigração(2), é comandada por um fundamentalista evangélico(3) em volta do qual fervilha uma turma de neo-Clausewitzianos (Donald Rumsfeld, Paul Wolfowitz, Dick Cheney), cujo pragmatismo sibilino defende a urgência de atacar o regime iraniano, repetindo descaradamente a fábula do lobo e do cordeiro que usaram contra o Iraque. O seu objectivo é levar a cabo mais uma campanha do grande desenho estratégico que assegurará a supremacia norte-americana durante o século 21. O verdadeiro inimigo, a quinze anos de distância, chama-se, na realidade, República Popular da China(4), e o caso que contra ela terá que ser pacientemente montado, exige uma série de mediações e escaramuças intermédias: Afeganistão, Iraque, Irão, Síria... O facto de nenhum destes estados ter ou ter tido armas de destruição maciça, ao contrário de Israel (que tem umas 200 ogivas nucleares e recusa qualquer inspecção da ONU!), do Paquistão, da India, da URSS, da China, do Reino Unido, da França, e da Coreia do Norte, mostra até que ponto os Estados Unidos se colocaram numa posição patética. Talvez por isso se agarram à famosa guerra contra o terrorismo, na qual eu próprio cheguei a crer, mas que os factos têm vindo a demonstrar ser sobretudo um elemento da própria guerra assimétrica activamente promovida pela Administração Bush, sob a pressão teórica dos ultra-liberais aninhados na Casa Branca (e agora também no Banco Mundial) e do think tank de estratégia militar da RAND Corporation. Bin Laden e o “muito procurado” Al Zarkawi, foram criações da CIA e talvez continuem a servir a grande estratégia estado-unidense(5). Bush diz que está em guerra com o “Eixo do Mal”. A desculpa tem pelo menos servido para colocar a sua acção à margem do direito internacional e das leis do seu próprio país. Aplicar a lógica da carnificina em vez de ouvir a comunidade internacional, conduz a coisas tão feias como a mentira, a instrumentalização da CNN e de outros grandes meios de comunicação, a provocação, a sabotagem, a tortura, o assassinato selectivo, a destruição militar das economias e a eleição das populações civis como alvos privilegiados de uma acção bélica sistemática, promovida por militares, serviços secretos e mercenários, num teatro global de guerra informal. Os executantes destes actos não se livrarão mais cedo ou mais tarde (quando tudo se souber...) de ser chamados a tribunal(6). Aos seus mandantes esperam inevitavelmente tempos difíceis. Não é por acaso que algumas elites note-americanas começam a falar de “impeachment” relativamente ao seu presidente, e que altas patentes militares ameaçam um pronunciamento contra o actual curso das acontecimentos. É tempo de pôr as barbas de molho...

Os povos (e as elites) do Médio Oriente, mas também da Rússia, da China, de Cuba, Venezuela, México, Argentina, Chile e Brasil, já para não falar da Europa, estão fartos de aturar o Império. Não vejo como poderão os falcões americanos remediar este imparável fenómeno de rejeição cultural sem provocar uma reacção em cadeia de que o seu país seria, porventura, a primeira vítima. É evidente que o Irão quer transformar-se numa potência nuclear sub-regional, e que esta vontade atenta contra a hegemonia política que americanos e ingleses pretendem continuar a manter em volta do estratégico estado de Israel (congeminado pelos Senhores Lloyd George, Arthur James Balfour e Lord Rothschild na longínqua City londrina de 1917). A questão é o petróleo, estúpido! Mas não só... A inexorável deslocação do centro de gravidade do poder mundial do Ocidente para o Oriente... e a função crucial que a Europa tenderá a desempenhar nesta translação, pode muito bem ser a verdadeira presa em vista pelo actual esforço provocatório da Casa Branca. É por isto que a América de Bush se parece cada vez mais com um estado desesperado, vendo inimigos e eixos do mal por toda a parte. Há muito que os EUA conspiram contra a União Europeia e o Euro. Tentaram destruir a Rússia, até que Putin pôs cobro ao desmando (mostrando aos novos oligarcas russos quem manda no país, enxotando o Banco Mundial e a NATO da zona petrolífera do Mar Cáspio, estabelecendo provocadoras pontes energéticas com a China e o Irão, anunciando ao mundo que os novos mísseis de longo alcance Topol-M são capazes de furar as defesas americanas e... vendendo ao Irão, não apenas tecnologia nuclear, mas sobretudo um moderno e eficiente sistema de defesa aérea anti-mísseis.) Washington ainda não descobriu como sabotar o oleoduto que a Venezuela pretende lançar até Buenos Aires, passando por Brazília, mas tudo fará para o conseguir. Demasiados inimigos, e demasiados fantasmas, mesmo para uma super-potência!
A verdade é que a América está semi-falida, tem boa parte da sua capacidade produtiva avançada deslocalizada (sobretudo na Ásia) e conta com um povo muito pouco motivado para dar a sua vida por um punhado de ladrões e mentirosos. Para além de todas as consequências económicas trágicas que uma intervenção militar causaria aos próprios Estados Unidos, o provável insucesso militar da mesma aceleraria o efeito que o velho Kissinger teme do actual desafio iraniano. Disse ele que se nada se fizer, outros seguirão o exemplo do Irão no que respeita à proliferação nuclear. Presume-se que esses países possam ser o Brasil, a Argentina, a Venezuela, a Nigéria, a África do Sul, a Espanha, a Itália, e a Alemanha... Mas se houver intervenção, como escreveu lucidamente Immanuel Wallerstein(7), a corrida nuclear será ainda mais acelerada (e sincronizada). Pois todos perceberão então que essa seria a única forma de deter, de uma vez por todas, os efeitos cada vez mais perigosos da decadência estado-unidense. Além do mais, na perspectiva quase inevitável de a humanidade se render ao nuclear(8) para fins energéticos, não se vislumbra como alguma potência, por mais poderosa e messiânica que seja, poderá impedir a globalização dos equilíbrios de poder através do terror termo-nuclear.




1 — “US hit by EU over anti-dumping EU trade commissioner Peter Mandelson. Fines will continue as long as the US fails to meet WTO rules US imports have been hit with a further $9.1m (£4.9m; 7.2m euros) in tariffs from the European Union for breaking World Trade Organisation rules.” (BBC, 01/05/2006) [Voltar]
2 — “Hundreds of thousands of immigrants in the United States have joined a day of nationwide action to protest against proposed immigration reform.” (BBC, 01/05/2006) [Voltar]
3 — “They think that President Bush has a "messianic" complex. As we know, people with messianic complexes are dangerous, especially if they have their finger on nuclear weapons and control the strongest military machine in the world.” — Immanuel WALLERSTEIN, “Attack on Iran: Can They Be Serious?”, Commentary No. 183, April 15, 2006 [Voltar]
4 — “In terms of long-wave timing, the new upturn in U.S. military spending since 2001 is worrisome, as it could signal the starting gun for a new long-term upswing of rising military spending, an upswing that could even culminate in another ruinous great-power war in the coming decades.” — Joshua S. GOLDSTEIN, The Predictive Power of Long Wave Theory, 1989-2004 [Voltar]
5 — O melhor mesmo é duvidar metodicamente dos principais média estado-unidenses (TIME, Newsweek, CNN, Fox News), tomando em conta que numa guerra assimétrica como a que decorre entre os EUA e o “Eixo do Mal”, as tácticas de demonização fazem parte das chamadas “Media Operations” e “Pshycological Operations” (PSYOP) de qualquer planeamento bélico. Vale a pena a este propósito ler o que Michel Chossudovsky tem a dizer sobre isto. Who is behind “Al Qaeda in Iraq”? Pentagon acknowledges fabricating a "Zarqawi Legend" by Michel Chossudovsky, April 18, 2006 [Voltar]
6 — “Although not reported in the mainstream American press, a recent Tokyo tribunal, guided by the principles of International Criminal Law and International Humanitarian Law, found President George W. Bush guilty of war crimes. On March 14, 2004, Nao Shimoyachi, reported in The Japan Times that President Bush was found guilty ‘for attacking civilians with indiscriminate weapons and other arms’, and the ‘tribunal also issued recommendations for banning Depleted Uranium shells and other weapons that indiscriminately harm people.’ Although this was a ‘Citizen's Court’ having no legal authority, the participants were sincere in their determination that international laws have been violated and a war crimes conviction is warranted.” — Doug Westerman, “Depleted Uranium — Far Worse Than 9/11. Depleted Uranium Dust — Public Health Disaster For The People Of Iraq and Afghanistan”, in Global Research.ca
Ainda sobre o potencial de destruição maciça e prolongada do urânio empobrecido convem ler o testemunho de Ramsey Clark, antigo Procurador Geral dos EUA: “Depleted-uranium weapons are an unacceptable threat to life, a violation of international law and an assault on human dignity. To safeguard the future of humanity, we call for an unconditional international ban forbidding research, manufacture, testing, transportation, possession and use of DU for military purposes. In addition, we call for the immediate isolation and containment of all DU weapons and waste, the reclassification of DU as a radioactive and hazardous substance, the cleanup of existing DU-contaminated areas, comprehensive efforts to prevent human exposure and medical care for those who have been exposed.” — Depleted Uranium. Education Project
O que é o urânio empobrecido? “Depleted uranium is a waste obtained from producing fuel for nuclear reactors and atomic bombs. The material used in civil and nuclear military industry is uranium U-235, the isotope which can be fissioned. Since this isotope is found in very low proportions in nature, the uranium ore has to be enriched, i.e., its proportion of the U-235 isotope has to be industrially increased. This process produces a large amount of radioactive depleted uranium waste, thus named because it is mainly formed by the other non-fissionable uranium isotope, U-238 and a minimum proportion of U-235.
American military industry has been using depleted uranium to coat conventional weaponry (artillery, tanks and aircraft) since 1977, to protect its own tanks, as a counterweight in aircraft and Tomahawk missiles and as a component for navigation instruments. This is due to depleted uranium having characteristics making it highly attractive for military technology: firstly, it is extremely dense and heavy (1 cm3 weighs almost 19 grammes), such that projectiles with a depleted uranium head can penetrate the armoured steel of military vehicles and buildings; secondly, it is a spontaneous pyrophoric material, i.e., it inflames when reaching its target generating such heat that it explodes.
After more than 50 years producing atomic weapons and nuclear energy, the USA has 500,000 tonnes of depleted uranium stored, according to official data. Depleted uranium is radioactive also and has an average lifetime of 4.5 thousand million years. This is why such waste has to be stored safely for an indefinite period of time, an extremely costly procedure. In order to save money and empty their tanks, the Department of Defence and Energy assigns depleted uranium free of charge to national and foreign armament companies. Apart from the USA, countries like the United Kingdom, France, Canada, Russia, Greece, Turkey, Israel, the Gulf monarchies, Taiwan, South Korea, Pakistan or Japan purchase or manufacture weapons withdepleted uranium.
When a projectile hits a target, 70% of its depleted uranium burns and oxidizes, bursting into highly toxic, radioactive micro particles. Being so tiny, these particles can be ingested or inhaled after being deposited on the ground or carried kilometres away by the wind, the food chain or water. A 1995 technical report issued by the American Army indicates that "if depleted uranium enters the body, it has the potentiality of causing serious medical consequences. The associated risk is both chemical and radiological". Deposited in the lungs or kidneys, uranium 238 and products from its decay (thorium 234, protactinium and other uranium isotopes) give off alpha and beta radiations which cause cell death and genetic mutations causing cancer in exposed individuals and genetic abnormalities in their descendents over the years. In its 110,000 air raids against Iraq, the US A-10 Warthog aircraft launched 940,000 depleted uranium projectiles, and in the land offensive, its M60, M1 and M1A1 tanks fired a further 4,000 larger caliber also uranium projectiles.
It is estimated that there are 300 tonnes of radioactive waste in the area which might have already affected 250,000 Iraqis. After the Gulf War, Iraqi and international epidemiological investigations have enabled the environmental pollution due to using this kind of weapon to be associated with the appearance of new, very difficult to diagnose diseases (serious immunodeficiencies, for instance) and the spectacular increase in congenital malformations and cancer, both in the Iraqi population and amongst several thousands of American and British veterans and in their children, a clinical condition known as Gulf War Syndrome. Similar symptoms to those of the Gulf War have been described amongst a thousand children residing in areas of the former Yugoslavia (Bosnia) where American aviation also used depleted uranium bombs in 1996, the same as in the NATO intervention against the Yugoslavia in 1999.
” — LINK [Voltar]
7 — “First of all, why should we consider it to be a catastrophe if tomorrow Iran has nuclear weapons? (...) Why would not the balance of terror operate equally well in the Middle East?” — Immanuel WALLERSTEIN, “Iran and the Bomb”, Commentary No. 179, Feb. 15, 2006 [Voltar]
8 — Segundo dados de 2004, existem 441 centrais nucleares activas em todo o mundo (104 das quais nos EUA) e 49 em construção ou encomendadas. Destas últimas, apenas 1 no Irão. As principais reservas de urânio com custos de obtenção abaixo dos US$130/Quilo, encontram-se nos seguintes países: Kazaquistão, Austrália, África do Sul, EUA, Canadá, Brasil, Namíbia, Federação Russa, Uzebequistão e Ucrânia. Fonte: Sítio Web do Ministério da Ciência e Tecnologia/ Indústrias Nucleares do Brasil. [Voltar]

OAM #119 26 ABR 2006 [actualizado em 01 MAI 2006]

domingo, abril 16, 2006

Crise Iraniana 1

Dois hemisférios e uma interface energética

Em 1905, o Governo de Sua Majestade, através dos serviços do notório ‘ás dos espiões’, Sidney Reilly, assegurou direitos exclusivos extraordinariamente significativos sobre o que então se acreditava ser uma vasta e inexplorada zona petrolífera do Médio Oriente. Assim, no princípio daquele ano, os serviços secretos Ingleses enviaram Reilly (nascido em Odessa, Rússia, sob o nome de Sigmund Georgjevich Rosenblum) com a missão de sacar os direitos de exploração dos recursos minerais da Pérsia a um excêntrico geólogo amador e engenheiro Australiano chamado William Knox d'Arcy ” — in A Century of War, de William Engdahl.

Estimado Lorde Rothschild,
Tenho o prazer de lhe comunicar, em nome do Governo de Sua Majestade, a seguinte declaração de simpatia pelas aspirações Judaico Sionistas, a qual foi submetida ao Gabinete e aprovada:
‘Sua Majestade vê com agrado o estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o povo Judeu, e dedicará os seus melhores esforços à consecução deste projecto, ficando claramente entendido que nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos de comunidades não-Judias existentes na Palestina, ou os direitos e estatuto político usufruidos por Judeus em qualquer outro país.’ Ficar-lhe-ia agradecido se levasse esta declaração ao conhecimento da Federação Sionista. Com os melhores cumprimentos, Arthur James Balfour (Londres, 2 de Novembro de 1917).

Na mais importante e bela reserva natural Portuguesa existe uma águia solitária. É uma fêmea com vinte anos e perdeu o seu companheiro há algum tempo. Cada Primavera, porém, cumprindo um dever genético que a transcende, faz os seus magestáticos voos nupciais e prepara o ninho para a prole que há-de vir. Ela não sabe, mas é a última águia real da Serra do Gerês. Quando um dia desaparecer, desaparecerá com ela muito mais do que uma águia. Tal como a civilização Maia, ou a população da Ilha da Páscoa, ou tantos outros casos documentados de civilizações e comunidades extintas, houve um desequilíbrio grave na paisagem magnífica de que as águias reais do Gerês faziam parte e ajudaram a construir. A pouco e pouco, a falta de alimentos (nomeadamente coelhos bravos, por efeito da pneumonia viral hemorrágica e outras doenças), o abandono das práticas agro-pecuárias tradicionais, a perseguição humana, a electrocução nos cabos de alta tensão, as estradas, as barragens, os parques eólicos, a extracção de inertes, a produção florestal, a instalação de regadios, a invasão alegre dos todo-o-terreno, o turismo... conduziram em poucas décadas ao declínio demográfico irreversível de uma espécie rara residente num dos poucos e ameaçados santuários ecológicos de Portugal. Aquela última águia real, mostrada recentemente num documentário televisivo da SIC, fez-me meditar sobre os limites do crescimento, e em especial, sobre os limites do crescimento da mais predadora das espécies existente à face da Terra, o Homem.

Ao contrário do que escrevera um antigo secretário de estado da energia Português (1), o conhecido relatório de Donella Meadows, Jorgen Randers e Dennis Meadows, encomendado pelo Clube de Roma e financiado pela Fundação Volkswagen, Limits to Growth (datado de 1972 e de que não conheço nenhuma tradução Portuguesa), nunca foi tão dramaticamente actual como hoje. A trinta e quatro anos de distância, e na linha de um outro relatório igualmente fundamental, embora desconhecido da maioria de nós (refiro-me ao estudo de M. King Hubbert, Nuclear Energy and The Fossil Fuels (2.6 Mb), apresentado em Março de 1956 ao American Petroleum Institute), Limites ao Crescimento (e a sequela Beyond Limits, dos mesmos autores) revelam o modo e o quanto fomos caminhando ao longo do século 20 para um beco sem saída aparente. Com alguma probabilidade, este beco poderá mesmo levar-nos, se não a um processo de extinção, certamente a uma redução catastrófica da actual população mundial. O ex-governante Português deveria ler atentamente estes dois estudos, e corrigir rapidamente o seu optimismo leviano.

Enquanto procurava perceber porque teria o Presidente Francês ameaçado o Irão com a possibilidade de um primeiro ataque nuclear se Ahmanidjad persistir na sua arruaça atómica, tropecei em dois textos especialmente oportunos e actuais. Um deles, mais jornalístico, foi escrito por Jared Diammond para o The New York Times, em 1 de Janeiro de 2005, e chama-se The Ends of the World as We Know Them. O outro, mais antigo e fundamental, foi escrito em 1968 por Garrett Hardin, sob o título The Tragedy of the Commons.
Nos quatro textos que acabo de referir abordam-se os efeitos objectivos e dramáticos das dinâmicas de crescimento exponencial. Citarei neste artigo apenas os últimos dois, porque tive já a oportunidade de me referir em blogues anteriores à importância dos trabalhos de Donella Meadows/Jorgen Randers/Dennis Meadows e de M. King Hubbert.
Assim, e no caso de Jared Diamond, gostaria de vos trazer o sintomático aviso com que começa a sua crónica para o The New York Times:
“Neste ano que agora começa, com os Estados Unidos aparentemente no cume do seu poderio e no começo de um novo mandato presidencial, os Americanos estão cada vez mais preocupados e divididos sobre o caminho a seguir. Até quando poderá a América prosseguir a sua ascensão? Onde estaremos daqui a dez anos, ou mesmo no ano que vem?” (...) “A História ensina-nos que quando as sociedades poderosas colapsam, tendem a fazê-lo rápida e inesperadamente.”

O problema da liberdade associada ao bem comum (quer dizer, à propriedade colectiva, aos baldios, ao domínio público) abordado no polémico ensaio do professor de biologia da Universidade da Califórnia, merece ser recordado no preciso momento em que pretendemos perceber como pode o comportamento de Ahmadinejad ameaçar tão fortemente a economia, a estabilidade política e a segurança mundiais. Tem o temerário líder iraniano a liberdade de ameaçar o status quo energético gerado pelas ‘democracias’ ocidentais ao longo dos séculos 19 e 20 (mesmo invocando os danos que estas produziram)? Estarão estas últimas (quando o entendimento do problema se tornar claro para a generalidade das suas comunidades) dispostas a sacrificar a sua sobrevivência económica, e sobretudo cultural, aos direitos de um conjunto de países que, por junto, não representam mais de 2% da população mundial? O facto de Garrett Hardin analisar o problema do crescimento populacional como um desses problemas que não têm solução técnica à vista... pode muito bem ser a metáfora que nos faltava para entender a complexidade deste momento político angustiante. O grau de generalidade da sua hipótese teórica não poderia ser mais oportuno ao verificarmos como as nossas deficiências analíticas parecem tornar-se óbvias face aos dilemas da confrontação em curso.
“A classe dos ‘problemas sem solução técnica’ tem membros. A minha tese diz que ‘o problema populacional’, tal como é convencionalmente concebido, é um membro dessa classe. O modo como ele tem sido visto merece um comentário. É justo dizer que a maioria das pessoas que se afligem com o problema populacional procuram encontrar uma maneira de fugir aos demónios da sobrepopulação sem abandonar nenhum dos privilégios de que gozam. Pensam que explorar os mares como se fossem quintas, ou desenvolver novas variedades de trigo resolverá os problemas — tecnicamente. Eu procuro mostrar que a solução que procuram não pode ser encontrada. O problema populacional não pode ser resolvido tecnicamente, tal como não podemos vencer um jogo do galo.”

Porque é que a França ameaçou atacar o Irão, enquanto o escol político-militar estado-unidense parece um pára-brisas atingido por um pedaço de brita?
Há que distinguir nesta pergunta duas situações distintas: uma, é a fragilidade actual dos Estados Unidos da América perante a eventualidade da abertura de uma nova frente de guerra, que não pode descartar abertamente, para a qual dispõe de suficiente capacidade de projecção tecnológica, mas não de suficientes meios humanos disponíveis para uma acção prolongada e sangrenta no teatro de operações anunciado. Por outro lado, os Estados Unidos estão a ficar sem petróleo próprio, dependendo cada vez mais de fontes de abastecimento situadas em regiões crescentemente hostis ao seu império. Embora a lista dos seus principais fornecedores de petróleo — Canadá, México, Arábia Saudita, Venezuela, Nigéria e Iraque — não inclua o Irão, a verdade é que as suas recentes manifestações de proteccionismo anti-árabe (caso DPWorld), a criminalização dos imigrantes ilegais, sobretudo mexicanos (que provocou um dos mais massivos e provavelmente duradouros protestos cívicos desde a guerra do Vietnam), o modo desajeitado como vem provocando a Venezuela de Chavez, o atoleiro do Iraque, a sua incontrolável dívida externa e a provável tentativa de monetarização da mesma ($8.421,992.180.187,49 em 17 abr 2006), a recente perda do controlo das reservas energéticas do Mar Cáspio, e o facto de as suas próprias reservas petrolíferas estarem no fim (mais 8 anos de vida se se mantiver o nível de produção actual: 7,6 milhões de barris por dia), têm vindo a reduzir o espaço de manobra global desta super potência militar e tecnológica. Um ataque ao Irão provocaria, muito provavelmente, o caos, como opina um dos mais emblemáticos conservadores estado-unidenses, Patrick Buchanan:
O que é que faria o Irão? Poderia enviar Guardas Revolucionários para o interior do Iraque para tornar aquele país bem pior do que está para os 135 mil soldados norte-americanos. Incitar o Hezbollah a lançar morteiros contra Israel para ampliar a frente de batalha. Atacar os aliados da América no Golfo. Encorajar os Shiitas do Iraque e da Arábia Saudita a atacar os Americanos. Minar o Estreito de Ormuz. Activar as células Islâmicas adormecidas, trazendo o terror ao nosso país. Numa palavra, um ataque norte-americano ao Irão poderia levar a guerra a toda a região e interromper o envio dos 15 milhões de barris de petróleo/dia que nos chegam do Golfo, o que conduziria a economia mundial a uma paragem cardíaca instantânea.” — Is war with Iran inevitable? — por Patrick J. Buchanan. Abril 11, 2006

A outra questão, diz respeito à França, à Alemanha (que alinhou imediatamente com a declaração de Chirac) e em geral a toda a Europa dos 25. Neste caso, o principal problema reside igualmente na situação energética deste outro gigante económico e populacional. A União Europeia precisa diariamente de 15 milhões de barris de petróleo para manter o seu actual estilo de vida. Todavia, apenas produz (via Noruega e Reino Unido) 3,4 milhões de barris diários. Isto é, precisa de importar quase 12 milhões de barris/dia. Grande parte destas importações, ao contrário do que sucede com as importações petrolíferas dos EUA, tem origem precisamente no Golfo Pérsico (45%) e na Rússia (25%). Ocorre ainda que a Rússia de Putin, depois de ter sabido contrariar e finalmente anular o envolvimento do Mar Cáspio por parte dos EUA, estabeleceu acordos estratégicos de grande importância com a China e com... o Irão, sendo assim cada vez mais nebulosas as suas intenções estratégicas relativamente à União Europeia (o tal sonho que ia do Atlântico até aos Urais). É neste contexto que Paris antecipou uma jogada realmente arriscada. Se a França atacar o Irão com mísseis nucleares (esclarecendo que o objectivo da Europa é apenas o de impedir uma corrida nuclear no Médio Oriente), e Israel levar a cabo uma série de operações de assassinato selectivo dirigidas ao coração do actual poder iraniano, que faria a Rússia? Se a situação continuar a deteriorar-se naquela zona vital para a sobrevivência económica de 4/5 da humanidade, a decisão da França (que é na realidade, e neste caso, porta-voz da decisão implícita de todo o hemisfério ocidental) pode vir a revelar-se como a única saída violenta capaz de limitar os estragos e sobretudo de impedir uma reacção nuclear em cadeia (como seria o caso, se a iniciativa pertencesse aos Estados Unidos, ao Reino Unido ou a Israel).

O consumo mundial de energia depende em 86% das reservas fósseis conhecidas.
A produção de electricidade depende em 64% desses mesmos recursos.
A era petrolífera, por sua vez, dificilmente sobreviverá ao ano 2030, ou segundo os mais optimistas, ao ano 2050.
Neste quadro de referência, a lista dos maiores consumidores mundiais de petróleo, (dados de 2003),

  • EUA (20,3 M bpd)
  • União Europeia a 25 (14,59 M bpd)
  • China (6,4 M bpd)
  • Japão (5,6 M bpd)
  • Rússia (2,8 M bpd)
  • India (2,3 M bpd)
  • Mexico (1,7 M bpd)
  • Brasil (1,6 M bpd)
  • Indonesia (1,08 M bpd)
  • Paquistão (365 m bpd)

corresponde à maioria esmagadora da população mundial. Assim sendo, estes países acabarão sempre por exercer o peso das suas decisões sobre a distribuição dos recursos disponíveis. É no âmbito das suas alianças que a tensão em torno da repartição do petróleo remanescente se delineará nas próximas semanas, nos próximos meses e nos próximos anos.
As maiores reservas estratégicas de petróleo conhecidas não se encontram nestes países (à excepção da Rússia e do México). Encontram-se, na realidade, em países e regiões geralmente pouco povoados (neste caso, à excepção da Rússia, México e Nigéria). São estas as principais reservas de petróleo conhecidas em 2005 (em mil milhões de barris):
  • Arabia Saudita = 262,7
  • Canada (inclui areias betuminosas) = 178,9
  • Irão = 133,3
  • Iraque = 112,5
  • Emiratos Árabes Unidos = 97,8
  • Kwait = 96,5
  • Venezuela = 77,2
  • Rússia = 69
  • Líbia = 39
  • México = 33,3
  • Nigeria = 36
  • Casaquistão = 26
  • Angola = 25

Assim sendo, seria totalmente suicida a ideia de deixar evoluir estes países para o estatuto de potências militares sofisticadas. Seria menos perigoso e mais barato negociar um novo Tratado de Tordesilhas entre os grandes aglomerados populacionais e as grandes economias do planeta, que fosse ao mesmo tempo capaz de regular os seus interesses e equilíbrios, mantendo no seu devido lugar boa parte dos produtores líquidos de petróeo e gás natural. De um lado, o Ocidente, ficaria a União Europeia (de Istambul a Lisboa), a metade ocidental de África, o Atlântico e as Américas. Do outro, o Oriente, ficariam a Rússia, a China, a India, a Indonésia, a Austrália, a metade oriental de África e o Japão. As principais interfaces petrolíferas (e de gás natural) ficariam fora desta divisão, mas obrigadas a servir o bem comum! Talvez assim fosse possível ultrapassar o actual jogo do galo, que como sabemos todos, do ponto de vista da guerra, e da tecnologia, não tem solução.
A presente crise de recursos (pois é fundamentalmente disso que se trata) talvez possa ter uma resolução não catastrófica. Pelo menos, deveríamos procurá-la com toda a nossa imaginação. Ganharíamos, se tivéssemos êxito nesta desesperada tentativa de negociação a quente, algum tempo para enfrentar a questão, bem mais radical, da nossa sobrevivência como espécie. De contrário, e bem mais cedo do que seria verosímil crer, estaremos na situação da última águia real que sobrevoa (sem saber o que a espera) a bela serra do Gerês.



Notas
1. Nuno Ribeiro da Silva, “Petróleo A 70 dólares ou mais?”, in DN,5 Set., 2005.

Post Script [18 abr 2006] — Em vez da guerra, sempre possível ao virar da esquina, sempre terrível (autêntica pornografia negra!), sempre desejada por alguns dos mais insuspeitos amantes da beleza e respectivas artes, seria bem mais inteligente optar por uma nova e urgente agenda de cooperação global. Pois a agenda energética que actualmente ameaça lançar o mundo numa recessão económica de proporções dantescas tem um horizonte histórico muito curto (e sobretudo nenhum ciclo expansivo que lhe suceda). Que sentido faz lançar a humanidade numa carnificina planetária por causa de algo que não tem solução, o fim anunciado das energias carbónicas baratas e a ameaça climática global? Não deveríamos, pelo contrário, começar a desenhar planos de contingência bem mais radicais? Por exemplo, para fazer uma revolução social contra o crescimento? À contínua obsessão dos corruptos e bimbas do poder com a liberdade de enriquecer às custas da pobreza crescente das maiorias, à sonolência demonstrada pelos autoproclamados ‘especialistas em energia’ que enchem os écrãs de ilusões, oponho uma recomendação, que me chegou de um amigo: leiam o último livro de James Lovelock, The Revenge of Gaia. Deixo-vos com esta esta aterradora passagem:
Os centros climáticos de todo o mundo, que são o equivalente dos laboratórios de anatomia patológica dos hospitais, enviaram um relatório sobre o estado físico da Terra. Os especialistas climáticos consideram-na gravemente enferma, à beira de entrar num estado de morbidez febril que poderá durar cem mil anos. Tenho que vos dizer, como membros da família terrestre e uma parte íntima dela, que todos vós e em especial a civilização enfrentam um grave perigo.


OAM #118 16 ABR 2006

terça-feira, abril 11, 2006

Petroleo 2

Bingo Project

Enche na GALP!


Recebi um mail propondo mais um boicote em cadeia, desta vez por parte dos consumidores de gasolina e de gasóleo, ao cartel que monopoliza, entre nós, a refinação e distribuição destes preciosos líquidos, sem os quais não sabemos como fazer mover os automóveis privados, os autocarros escolares, as ambulâncias, os tractores agrícolas e algumas centrais eléctricas. A ideia seria deixar de nos abastecermos nas estações da GALP, Repsol e BP durante um certo período de tempo, optando em alternativa pelos operadores minoritários que operam no nosso país: Agip, Cepsa, Elf e Esso, entre outras. Segundo a proposta, a tríade seria levada a baixar ou pelo menos a diminuir os aumentos hoje impostos ao mercado.
Tenho dúvidas sobre a eficácia desta proposta, quer no imediato, quer sobretudo no médio e longo prazo. O problema principal e intransponível de trocar a tríade GALP-BP-Repsol pelas bombas minoritárias é o de saber onde é que estas últimas estão! Não consigo imaginar largas centenas de milhar de carros à procura, nos próximos dias, das marcas que ficaram pelo caminho na corrida concentracionária que determinou a formação da tríade petrolífera que coube ao nosso cabaz de compras. A ideia revela a indignação dos proponentes, certamente comungada pela generalidade dos Portugueses. Mas é, lamento dizê-lo, impraticável. A mantermo-nos no registo da guerra global de classes, então seria preferível boicotar simultaneamente duas das grandes irmãs do cartel que manipula as nossas actuais preocupações energéticas e será seguramente responsável por maiores sofrimentos antes mesmo de esta década terminar. Se conseguíssemos por de pé uma cadeia de cidadania activa, como conseguimos (embora com ajudas...) durante a causa por Timor, em torno desta questão, que será cada vez mais sensível para todos, ela poderia assumir, não a forma de um boicote (coisa feia), mas antes a forma (bem mais simpática!) de uma preferência. Por exemplo, pela gasolineira “nacional” — a GALP! E-mails, blogues e SMS convocando a cidadania ao uso exclusivo de produtos GALP durante o próximo mês de Maio provocaria seguramente uma enorme dor de cabeça à tríade, aos bancos e ao próprio Governo. Isto sim, seria uma bofetada de luva branca numa das piores corjas da globalização. Para reforçar a intensidade política da acção, a mesma deveria ainda conter um ingrediente futurista: reduzir em 20% o consumo de combustível previsto para o mesmo mês (basta dividir as despesas de um ano por 12 e depois multiplicar o resultado por 20, voltando a dividir o último resultado por 100), adiando certas decisões para os meses seguintes e cancelando mesmo pequenos projectos dispensáveis... Experimente, é um exercício de racionalidade económica divertido e muito rentável!
Enquanto esta acção decorresse, deveria elaborar-se um verdadeiro livro branco energético, no qual fosse esclarecido de uma vez por todas:
1 - que o petróleo barato acabou para todos, embora mais depressa para uns do que para outros...;
2 - que a disputa em volta do que resta deste recurso energético precioso, de que as duas guerras contra o Iraque foram testemunhas, será terrível;
3 - que a pandilha Bush-Cheney-Rumsfeld, em grande parte alavancada pelos grandes protagonistas anglo-saxónicos do dinheiro e do petróleo, já começou a tagarelar sobre guerras nucleares preventivas (para já contra o Irão), o que implica o dever de civilização de reclassificar política e eticamente a natureza actual dos poderes que operam a partir de Londres e de Washington;
4 - que precisamos urgentemente de energias alternativas; elas existem, mas não podem, em caso algum, vir a ser apropriadas pelos mesmos ladrões que ao longo de todo o século 20 manipularam criminosamente o seu mais decisivo recurso energético; podemos opor à globalização da ladroagem uma interminável rede de criatividade global e de solidariedade efectiva;
5 - que teremos que consumir menos e melhor, sobretudo muito menos lixo sólido, líquido e cultural;
6- que perante a iminente implosão dos subúrbios, é inadiável redesenhar o território e as cidades, abandonando radicalmente a centralidade que, desde o Senhor Ford, foi conferida ao automóvel privado — numa fase transitória, criando em todas as cidades zonas de circulação automóvel interdita, condicionada e comunitária (1);
7 - que perante as catástrofes económicas que se avizinham, é impreterível devolver o poder aos cidadãos, aumentando a transparência do Estado, conferindo maiores poderes e autonomia às autarquias locais, limitando de forma muito clara os poderes invisíveis mas virtualmente incontroláveis das grandes corporações globais, sobretudo energéticas e financeiras.

Este livro pensaria seriamente nestas questões e responderia com factos e modelos estratégicos que todos poderíamos discutir. A imagem que ilustra este comentário faz parte e um projecto em rede para desenvolvimento de motores de combustão alimentados por uma mistura de combustíveis carbónicos e ... água. Nalguns casos, a poupança de combustíveis fósseis chega aos 75%!

O mais provável é que este apelo, em resposta a uma inciativa ingénua, mas justa, também fique pelo caminho. Mas de uma coisa estou certo: vamos ter muitas oportunidades para retomar os grandes problemas que nos afligem e afligem grande parte da humanidade nesta perigosa hora de incerteza. A tese de que é preciso sacrificar um ou mesmo dois terços da humanidade, submetendo-a à privação de energia, à fome, à doença, ao crime e finalmente à eliminação pela guerra, convencional, assimétrica, nuclear, química e biológica, é um cenário dantesco contra o qual a dignidade humana tem que se erguer sem hesitações.


Notas
1 — Uma boa solução para reduzir o número de automóveis, sobretudo nas cidades, seria adoptar em certas zonas urbanas um sistema de transporte individual, ou particular, baseado no uso partilhado de automóveis comunitários não poluentes, de grande duração e altamente recicláveis. Estes veículos seriam adquiridos pela cidade, em número suficiente para cada zona onde fosse aplicado o sistema, e o seu uso seria regulado por cartões de utilizador electronicamente validados, aplicando-se aos seus utentes todos os dispositivos legais que actualmente regulam os detentores de cartas de condução.


OAM #117 12 ABR 2006

quinta-feira, abril 06, 2006

Tamiflu

Uma nova forma de guerra preventiva: a biológica!

Cada dia que passa fico mais atónito com o que alguns dos mais refinados FdP deste planeta são capazes. Escrevi num blog anterior que temo muito ver a guerra biológica como uma das possibilidades mais sinistras da guerra do futuro. Na realidade, a guerra do futuro, que já chegou, e tem sido amplamente teorizada pelas luminárias da RAND CORPORATION (1), nomeadamente em volta do que chamam a guerra preventiva contra o terrorismo —um eufemismo para defender o controlo das principais regiões energéticas do planeta à base de ameaças e intervenções militares cada vez mais cínicas e sinistras—, está sendo e vai continuar a ser uma guerra assimétrica apoiada no uso intensivo dos média, de tácticas de guerrilha hiper-tecnológica, e da chantagem, se não mesmo do uso secreto de armas nucleares miniaturizadas (mini NUKES) e... de armas biológicas. O panorama é aterrador. Mas tem que ser friamente estudado e denunciado sem hesitações. É neste quadro que o artigo que reproduzimos parcialmente (mas que vale a pena ler na íntegra) se insere.

Todos os dados da citação que se segue foram devidamente comprovados. Mas o melhor mesmo é tirar as teimas e pesquisar os dados a partir dos próprios sítios web das entidades mencionadas no artigo de Antonio Campoy, publicado há dias na revista espanhola DSALUD.

Extracto do Editorial do número 81 (abril-2006) da revista "DSALUD" (espanhola)— por José Antonio Campoy

— Sabias que o virus da gripe das aves foi descoberto há 9 anos no Vietnam?
— Sabias que desde essa altura morreram apenas 100 pessoas em TODO O MUNDO com essa doença?
— Sabias que os EUA foi quem alertou para a eficácia do medicamento TAMIFLU (antiviral humano) como agente preventivo?
— Sabias que o TAMIFLU apenas alivia alguns dos sintomas da gripe comum?
— Sabias que a sua eficácia contra a gripe comum está a ser questionada por grande parte da comunidade científica?
— Sabias que perante um SUPOSTO virus mutante como o H5N1, o TAMIFLU apenas aliviaria a doença?
— Sabes quem comercializa o TAMIFLU?
— Os LABORATÓRIOS ROCHE
— Sabes a quem comprou a ROCHE a patente do TAMIFLU em 1996?
— À GILEAD SCIENCES INC.
— Sabes quem era o presidente da GILEAD SCIENCES INC. e ainda hoje um dos seus principais accionistas?
— DONALD RUMSFELD, actual Secretário da Defesa dos EUA.
— Sabias que a base do TAMIFLU é a árvore do Anis?
— Sabes quem ficou com 90% da produção mundial desta árvore?
— A ROCHE.
— Sabias que as vendas do TAMIFLU passaram de 254 milhões de dólares em 2004 para 1000 milhões em 2005?
— Sabes quantos milhões mais pode ganhar a ROCHE nos próximos meses se continuar este negócio de medo???

Os amigos de George W. Bush decidem que um fármaco como o TAMIFLU é a solução para uma pandemia que ainda não se verificou e que causou apenas 100 mortes em todo o mundo nos últimos 9 anos. Este fármaco não cura sequer a gripe comun. O virus não afecta o homem em condições normais. Donald Rumsfeld vendeu a patente do TAMIFLU à ROCHE e estes pagaram-lhe uma fortuna. A Roche adquire 90% da produção da árvore de anis, base do antivírico. Os Governos de todo o Mundo, com medo da especulada pandemia, compram à ROCHE quantidades industriais do produto e nós acabamos pagando o medicamento, e Rumsfeld, Cheney e Bush é que fazem o negócio....



Actualização [10 Abril 2006] Risk of human flu outbreak ‘low’

1 — John Arquilla e David Ronfeldt escreveram dois elucidativos ensaios sobre a natureza do que chamam a próxima guerra: The Advent of Netwar (1996) e Networks and Netwars (2001), ambos publicados pela RAND corporation para o Gabinete do Secretário de Estado da Defesa dos EUA.

OAM #116 06 ABR 2006

terça-feira, abril 04, 2006

H5N1

Indústria, na origem da gripe aviária
Porquê culpar as aves selvagens?

por ASHOK B SHARMA (Finantial Express, Bombaím), 06 mar 2006.


Não é só na India, que as aves de criação industrial são a causa da disseminação mundial da gripe aviária.

Vários estudos mostram que a indústria aviária transnacional está na origem do problema. A expansão da produção industrial de aves para abate e das respectivas redes de comércio criaram as condições ideais para a emergência e transmissão de vírus letais tais como a variante H5N1 do vírus responsável pela gripe aviária.

No interior das explorações aviárias os vírus tornam-se letais e multiplicam-se. O ar carregado de concentrações virais oriundas de explorações infectadas espalha-se a quilómetros de distância, ao mesmo tempo que as redes integradas de distribuição chrome://foxytunes-public/content/signatures/signature-button.pngdisseminam a doença através de múltiplos portadores, tais como as aves vivas e o respectivo estrume.

Em termos relativos, pode dizer-se que não são as aves de capoeira que estão a potenciar a actual vaga de surtos epidémicos que atinge grandes zonas do globo. O epicentro destes surtos são os aviários da China e Sudeste Asiático. Segundo estudos recentes, ainda que as aves selvagens possam transportar os vírus, pelo menos a pequenas distâncias, estes são na realidade espalhados pela falta de higiene das explorações aviárias industriais.

Isto é especialmente verdadeiro no caso do recente surto da gripe aviária na India. O epicentro do surto foram 18 explorações industriais em e à volta de Navapur, em Maharashtra, onde não existe nenhum santuário de aves migratórias por perto.

A Organização para a Alimentação e a Agricultura das Nações Unidas referiu em Novembro de 2005, que "Até à data, os testes extensivos realizados em aves migratórias clinicamente sãs, nos países infectados, não produziram quaisquer resultados positivos relativamente ao H5N1." Mesmo nos casos conhecidos de H5N1 em aves selvagens na Europa, os especialistas concordam que tais aves terão sido provavelmente infectadas na região do Mar Negro, onde o H5N1 se encontra fortemente disseminado entre as aves de criação, vindo a morrer enquanto se dirigiam para oeste, fugindo às inusitadas baixas temperaturas.

A causa da disseminação do H5N1, atribuída aos gansos do Lago Qinghai no norte da China, foi negada pela BirdLife International, apontando o facto de aquele lago estar rodeado de explorações pecuárias. Estas explorações integram unidades de piscicultura onde as fezes dos galináceos são comummente utilizadas como alimento e adubo. Além disso, as redes ferroviárias ligam esta região às áreas onde se deram os surtos de gripe aviária, nomeadamente Lanzhou.

As aves selvagens e as aves de capoeira são as vítimas e não os portadores da doença. Ainda segundo a BirdLife International, a distribuição geográfica da doença não coincide com as rotas migratórias e correspondentes épocas de migração.

Um estudo efectuado por uma organização global, Grain, mostra que as aves migratórias e as aves de capoeira não são vectores efectivos da gripe das aves. Na Malásia, por exemplo, a taxa de mortalidade do H5N1 entre as galinhas de aldeia é de apenas 5%, indicando que o vírus tem dificuldades em disseminar-se entre pequenos bandos de galináceos. O surto de H5N1 no Laos, que está rodeados de países infectados, ocorreu apenas nos poucos aviários existentes, que por sua vez foram fornecidos de pintos por incubadoras Tailandesas.

O único caso de gripe aviária ocorrida num galinheiro, que no Laos é responsável por 90% da produção de aves domésticas para consumo, ocorreu perto de uma exploração aviária industrial.

Os surtos letais de gripe das aves tiveram lugar em grandes explorações aviárias na Holanda em 2003, no Japão em 2004 e no Egipto em 2006. O surto que ocorreu na Nigéria no início deste ano ocorreu numa única exploração pecuária afastada dos zonas frequentadas pelas aves migratórias, mas conhecida pela importação de ovos não certificados para incubação .

Em Setembro de 2004, as autoridades do Camboja concluíram que a origem de um surto da gripe das aves fora um fornecimento de pintos da empresa Tailandesa , Charoen Pokphand. Este conglomerado agro-industrial domina a indústria de rações e é o maior fornecedor de pintos à China, Indonésia, Vietnam e Turquia, que também conheceu alguns surtos de gripe aviária. A Ucrânia, onde ocorreu um surto de gripe aviária, importou 12 milhões de aves vivas em 2004 daquela mesma empresa.

A Rússia apontou as rações aviárias como uma das principais suspeitas de estarem na origem de um surto de H5N1 numa grande exploração pecuária na província de Kurgan.

Um boletim do e_Pharmail afirmou que o surto de gripe aviária em Maharashtra pode ter ficado a dever-se à inoculação de uma vacina impropriamente preparada (vírus inactivos) em aves, alegadamente distribuída pela Venkateshwara Hatcheries.

versão original em Inglês


Última hora
: [6 Abril 2006] H5N1 NA ESCÓCIA — o cisne mudo selvagem encontrado morto em Cellardike pertence a uma espécie residente e não migratória. Ou seja, é bem mais provável que o animal tenha sido vitimado pelo H5N1 na própria zona —onde existem 175 explorações industriais de aves e produtos relacionados (ovos, pintos para criação, etc.), com 3,1 milhões de aves, dedicando-se 48 das referidas explorações à criação de mais de 260 mil aves ao ar livre—, do que o contrário, i.e. que o pobre cisne mudo tenha entrado em contacto com alguma ave migratória que por ali tenha passado. Se as aves migratórias fossem os principais portadores do H5N1 teríamos que ver muitos milhares de aves selvagens mortas por aí, não é verdade? Porque será que boa parte dos casos até agora detectados ocorreram nas proximidades de explorações pecuárias industriais?

CONSELHO: comece a pensar em evitar o consumo de aves e seus derivados oriundos da indústria aviária nacional e internacional: frangos, galinhas, patos, codornizes, perus, ovos, fiambes de aves. Só metendo toda a cadeia produtiva e de distribuição de quarentena podemos atacar radicalmente o problema. Os prejuízos devem pagá-los os seus primeiros responsáveis, ou seja, uma indústria que não olha a meios para engordar à custa da saúde pública. Ao mesmo tempo, devemos exigir uma investigação efectiva sobre a origem e o negócio em volta do TAMIFLU, bem como sobre a origem e contornos mediáticos do alarme social promovido em volta do H5N1 e da gripe das aves.

Ver, a propósito desta notícia, o relato da BBC online


Para complemento deste artigo ler o Documento Informativo da SPEA (Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves) e a Declaração da BirdLife International sobre o mesmo tema.



OAM #115 04 ABR 2006